ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A doutora Yamilé Sánchez Castillo e o doutor Luis González Roig asseveram que o 7º Congresso Internacional de Reabilitação Cuba 2017 contou com um variado programa científico e uma ampla participação internacional. Photo: Nuria Barbosa León

OS avanços na recuperação integral de pacientes e no conhecimento das doenças infecciosas bacterianas, micóticas, virais e parasitárias foram o centro, em Havana, dos debates do 7º Congresso Internacional Reabilitação Cuba 2017 e o Nono de Microbiologia e Parasitologia.

Defendendo o lema: Reabilitação baseada na evidência, transdisciplinaridade e abordagem integral, prestigiosos especialistas cubanos refletiram acerca dos resultados positivos na incorporação social de pacientes atendidos nos diferentes escalões do atendimento médico no país e daqueles que o receberam dos colaboradores cubanos em outras nações.

«Nossa especialidade teve um amplo desenvolvimento, a partir do Programa Nacional de Reabilitação, elaborado pelo Ministério da Saúde Pública (Minsap) para todo o país, a partir da década dos 90», asseverou Yamilé Sánchez Castillo, mestre em Ciências e integrante do Comitê Organizador do evento. Ela explica que vem sendo aplicado em 485 policlínicas, em mais de 90 hospitais, nos lares para idosos, nos centros psicopedagógicos e em outras estruturas que apoiam o atendimento médico.

Nesse desenho se incluem as clínicas de atendimento médico internacional na Ilha caribenha e mencionou a formação de centenas de profissionais estrangeiros na especialidade, daí que as organizações Mundial e Pan-americana da Saúde reconhecessem estes resultados em fóruns internacionais, como exemplo a imitar.

Entre as temáticas do Congresso foi debatido o uso das novas tecnologias, a reabilitação do paciente oncológico, neurológica, intervencionista, pediátrica e cardiovascular respiratória, bem como a hidrologia médica; gestão da informação e pesquisa; qualidade de vida; sexualidade, saúde reprodutiva e disfunções da estrutura pubiana; medicina natural, tradicional e bioenergética, prevenção das deficiências do idoso, desenvolvimento neurológico e estimulação precoce; terapia assistida por animais; a reabilitação na medicina esportiva, a enfermagem na especialidade e outros temas de interesse, segundo arguiu o presidente do Comitê Organizador e doutor em Ciências Médicas, Jorge Luis González Roig.

Assinalou, ainda, que Cuba teve o privilégio de organizar o Congresso Latino-americano de Reabilitação Física, em 1999, com uma considerável participação de estrangeiros e hoje, faz o trabalho prévio para optar, novamente, pela sede de 2020. O próximo será realizado no Equador, em 2018, e daí será esco-lhido o país que organizará o evento posterior, levando em conta o trabalho realizado por essa especialidade.

Por outro lado, o Nono Congresso Nacional de Microbiologia e Parasitologia pretende comemorar o 80º aniversário do Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí (IPK) e paralelamente terão lugar o 6º Congresso Nacional de Medicina Tropical e o 6º Seminário acerca da infecção por HIV/Aids em Cuba. Estes espaços na capital cubana juntam mais de 150 participantes estrangeiros, vindos de 26 países.

«Será uma oportunidade para o debate, a troca e atualização, serão tratados temas de interesse, como a situação epidemiológica do dengue, chikungunya e zika, que hoje nos continua afetando»; asseverou a presidenta da Sociedade Cubana de Microbiologia e Parasitologia, doutora María Guadalupe Guzmán Tirado, quem destacou o desempenho histórico do IPK para pesquisar e tratar das doenças infecciosas no país.

Durante a entrevista com o semanário Granma Internacional a pesquisadora destacou o desenvolvimento de 35 simpósios, três debates e múltiplas palestras magistrais, ministradas por reconhecidos especialistas. «Falamos de doenças diarreicas, respiratórias, HVI-Sida, tuberculose e outras. Debatemos acerca do estado atual das vacinas cubanas, como a que foi criada contra as doenças pneumocócicas, das infecções intrahospitalares, as patologias emergentes e outras», assinalou a microbiologista.

Este congresso começou com atividades científicas nas instituições de saúde cubanas. Os melhores trabalhos foram escolhidos para ser defendidos no Congresso Nacional. Também, foram efetuadas jornadas municipais e provinciais para tratar acerca de pesquisas da especialidade.

A doutora María Guadalupe Guzmán Tirado fala da importância de informar e preparar a população para combater os agentes patogênicos, que causam terríveis epidemias e alertou acerca da necessidade da prevenção como uma arma para travar a batalha contra estas doenças contagiosas.