ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Jose M. Correa

Tudo começou em 20 de dezembro com Julio Antonio Mella na frente. Foi em 1922 quando, no meio da luta pela reforma universitária, nasceu uma organização que hoje, mais de nove décadas de vida, mantém sua alma jovem, criativa, sonhadora: a Federação Universitária de Estudantes (FEU).

Com os mesmos objetivos pelos uqe foi fundada, focados em representar o corpo estudantil universitário e forjar o Novo Homem para a nova sociedade, o FEU completa estes 95 anos «imersa no processo eleitoral, com o desafio de manter a continuidade e honrada de seguir o exemplo de Fidel Castro com cerca de 125.000 membros em todo o país», disse Raúl Alejandro Palmero Fernández, presidente nacional da organização, na primeira transmissão desta semana da Mesa Redonda, na televisão nacional.

«A primeira função da FEU é representar os alunos em todas as suas estruturas organizacionais. Nós mantemos como nossos primeiros objetivos o fortalecimento da brigada, célula da organização, da qual depende o bom funcionamento da mesma, seu sucesso e futuro. Disso depende a capacidade de renovação de tem que a organização».

Palmero, além disso, indicou que a Federação «é responsável por levar o melhor da arte, cultura e esportes universitários para o exterior». Lançamento de livros, artistas, passeios com glórias esportivas, aulas de balé, a Universíada nacional, as competições de dança e festivais de livros e leitura e tarefas de impacto social, bem como campanhas de comunicação na televisão, tais como o programa ¿Quién Vive ?, que tenta mostrar o melhor da arte e da vida universitária, dar conta do trabalho da FEU além das instalações de ensino.

Por sua vez, Anabel Treto de la Paz, presidenta da Federação Universitária de Estudantes da Universidade das Ciências Médicas de Villa Clara, disse na transmissão de televisão que «os 66 mil alunos de ciências médicas do país recebem este aniversário com o compromisso de estudar para fornecer cuidados de saúde com a qualidade que as pessoas merecem».