Raúl recebeu Alta Representante da União Europeia para Assuntos Exteriores e Política de Segurança › Cuba › Granma - Organo ufficiale del PCC
ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Estudio Revolución

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, general-de-exército Raúl Castro Ruz, recebeu na tarde da quinta-feira, 4 de Janeiro, a alta representante da União Europeia para Assuntos Exteriores e Política de Segurança e vice-presidenta da Comissão Europeia, Ex.ma srª Federica Mogherini, quem faz uma visita oficial ao nosso país.

Em um ambiente de cordialidade, constataram o andamento favorável das relações entre Cuba e a União Europeia, bem como suas perspectivas de desenvolvimento, após a recente entrada em vigor, de forma provisória, do Acordo de Diálogo Político e Cooperação. Ainda, conversaram sobre diversos temas de interesse da atualidade internacional.

Acompanharam a distinta visitante o embaixador da União Europeia em Cuba, Alberto Navarro, e o membro do gabinete da Alta Representante, Serviço Europeu de Ação Exterior, Enrico Petrocelli.

Pela parte cubana marcaram presença os ministros das Relações Exteriores e do Comércio Exterior e o Investimento Estrangeiro, Bruno Rodríguez Parrilla e Rodrigo Malmierca Díaz, respectivamente.

ESTADOS UNIDOS ESTÁ MÁS SOLO QUE NUNCA EN SU POLÍTICA HACIA CUBA

A alta representante da diplomacia europeia, Federica Mogherini, assegurou em Havana que a política agressiva da administração de Donald Trump para Cuba é repudiada, inclusive, por seus aliados mais próximos do outro lado do Atlântico. «Diferentemente de Washington, que continua empenhado em uma retórica da Guerra Fria, a União Europeia (UE) mantém sua aposta no caminho do diálogo e o respeito como via para potencializar suas relações com o governo cubano», assegurou a alta representante da UE para Assuntos Exteriores e Política de Segurança, Federica Mogherini.

A também vice-presidenta da Comissão Europeia, durante uma entrevista coletiva, em sua terceira visita oficial à Ilha – a primeira com o Acordo de Diálogo Político e Cooperação (ADPC) vigente de maneira provisória — reafirmou que sua presença cá reafirma a postura contrária da UE ao bloqueio, em meio de outras circunstâncias.

«Minha viagem anterior ocorreu poucos dias antes que o ex-presidente estadunidense Obama retomasse as relações diplomáticas com Cuba e, desta vez, tudo é diferente», explicou.

«A política exterior do bloco é autônoma e independente», acrescentou.

«Lamentamos que os EUA tenham mudado, aparentemente, sua atitude para a Ilha maior das Antilhas, mas a UE é um parceiro valioso e confiável, sem mudanças repentinas em seu acionar», assegurou Mogherini.

Ainda, afirmou que a UE e seus estados membros constituem o primeiro parceiro comercial e investidor da nação caribenha, apesar da percepção errônea de alguns.

Com relação ao caráter extraterritorial do bloqueio estadunidense, a Alta representante da UE para Assuntos Exteriores e Política de Segurança, manifestou, clara e abertamente, sua oposição.

«Temos conversado, nos últimos anos, e com os ministros pertinentes acerca de como a UE pode acompanhar Cuba em seu desenvolvimento e modernização», confessou.

UMA DEMONSTRAÇÃO DE BOA VONTADE E RESPEITO MÚTUO

Durante sua visita à Ilha, Mogherini conversou com diferentes autoridades cubanas para continuar trabalhando para vencer dificuldades e superar desafios globais juntos.

«Temos estado e estaremos colaborando, tal como fizemos com os trabalhos de recuperação das províncias afetadas após o açoite do furacão Irma», reafirmou.

Também serão assinados novos acordos no tocante às energias renováveis (no valor de 18 milhões de euros), agricultura (21 milhões) e trocas culturais e de especialistas (dez milhões), precisou.

«Continuamos trabalhando em termos de direitos humanos e, todos estes constituem exemplos de que as relações entre o bloco e Cuba se elevaram a outro patamar», expressou a vice-presidenta da Comissão Europeia enquanto sublinhava o papel que desempenha a Ilha na América Latina e o Caribe.

«Existem diferenças em nossas abordagens, mas a disposição ao diálogo e a cooperação persiste», esclareceu Mogherini.

A vice-presidenta da Comissão Europeia afirmou que a UE participará da próxima Feira Internacional do Livro e também em um festival de cinema europeu, que terá lugar em junho próximo.

A entrada em vigor, de forma permanente, do ADPC demorará ainda, pois se trata de um processo longo e somente sete das 28 nações que fazem parte do bloco o ratificaram», precisou.