ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

O homem barbudo falava na frente da multidão como se tivesse o Apóstolo ao seu lado.

Acompanhando-o. Indicando o caminho. Porque mais do que a estátua perpetuada em mármore — essa que faz tremer todas as fibras da alma aos cubanos — o que estava por trás desse prédio, na Praça, era a continuidade do mesmo pensamento, como se o discípulo e o professor concordassem.

Os homens morrem, pelo menos fisicamente, mas as ideias permanecem e passam de uma geração para a outra, alimentando essa herança histórica. Pode haver outras coincidências, outros nomes, mas quando se fala de Martí e Fidel é quase impossível não encontrar essa ligação, o fio guia que mostra como a pregação de Marti exerceu uma grande influência na formação moral, humana e revolucionária do Comandante-em-chefe

Mesmo a partir de seus anos de estudante, o líder histórico da Revolução Cubana sustentou seus ideais e critérios de soberania lançando mão das doutrinas do Apóstolo e poucas vezes ele lembrou aquelas palavras de José Martí que asseguraram que a liberdade era muito cara e era necessário, ou se resignar a viver sem ela, ou resolver comprá-lo por seu preço. Foi na própria Universidade onde Fidel mencionou várias vezes em seus discursos, a forma em que se tornou revolucionário, porque também ali se tornou seguidor de Martí.

Da mesma forma em que Mestre desmascarou em sua época o reformismo e o anexionismo, como inimigos da independência de Cuba e proclamou a inevitabilidade da guerra contra o colonialismo espanhol, então o Comandante concluiu que havia apenas uma maneira de conquistar a liberdade: a luta armada, segundo lembrou o investigador e historiador cubano José Cantón Navarro, no prólogo do livro José Martí en el ideario de Fidel Castro, dos autores Dolores Guerra López, Margarita Concepción Llano e Amparo Hernández Denis.

O próprio Fidel explicaria essa coincidência em 1971, diante dos alunos da Universidade de Concepción, no Chile. «Uma tradição profunda veio de Martí. Quando ele falou da guerra, explicava: a guerra inevitável, a guerra necessária. Era uma filosofia inteira para justificar o porquê e explicar por que em nosso país fomos à extrema luta, já que o país não tinha outra alternativa para obter a liberdade. Nossa Revolução sempre seguiu essa técnica, essa pregação e esse estilo martiano».

«Assim, todos os passos de Fidel são presididos pela irrevogável decisão de Martí de lutar até a conquista da liberdade ou perder a vida no combate. Este é, talvez, o primeiro legado de Martí para as gerações que o seguiram: o da luta contra a morte contra a opressão e o despotismo estrangeiros», diz Cantón Navarro.

Talvez não encontremos um evento mais revelador do que o julgamento dos que atacaram o quartel Moncada e, em particular, a História me absolverá. Lá, naquela alegação, encontramos momentos importantes da ação revolucionária e nomes que conhecemos muito bem: Antonio Maceo, Máximo Gómez, Ignácio Agramonte, Carlos Manuel de Céspedes ... mas é Martí, mais uma vez, o fio que guia das palavras de autodefesa que Fidel exerceu a partir do confinamento e que sustentou diante dos acusadores, o direito dos povos à insurreição contra a tirania e a legitimidade da luta pela independência de Cuba.

Ficou claro quando o Comandante-em-chefe apontou que os livros de Martí tinham sido proibidos de chegar a sua cela. «(...) parece que a censura da prisão os considerava também subversivos. Ou será porque eu disse que Martí era o autor intelectual dos fatos de 26 de julho? Além disso, foi impedido de levar a julgamento qualquer trabalho de consulta sobre qualquer outro assunto. Não importa em absoluto! Eu trago no meu coração as doutrinas do Mestre e nos meus pensamentos as nobres ideias de todos os homens que defenderam a liberdade dos povos».

Ou quando disse: «Parecia que o Apóstolo ia morrer no ano de seu centenário, que sua memória se extinguiria para sempre, tanto como o insulto! Mas ele vive, ele não morreu, seu povo é rebelde, seu povo é digno, seu povo é fiel à sua memória; há cubanos que caíram em defesa de suas doutrinas, há jovens que, em uma reparação magnífica, vieram morrer ao pé do seu túmulo, para lhe dar o sangue e a vida para que ele continuasse vivendo na alma do país. Cuba, o que teria acontecido se tivessem deixado o Apóstolo morrer!»

E se as menções contínuas não fossem suficientes, temos o que chamamos de coincidências, embora, na realidade, elas sejam o resultado da influência que uma pessoa teve na outra.

Fidel concluiu seu argumento histórico com a frase «a história me absolverá». Martí também fez uma previsão semelhante, no discurso de 17 de fevereiro de 1892, conhecido como Oração de Tampa e Key West, no final de seu oratório com palavras de ressonância clara para nossa Revolução: «A história não precisa de nos declarar culpados» .

Essa identificação de ideais significa que o primeiro objetivo, expresso repetidas vezes pelos revolucionários de Moncada era realizar os sonhos nunca realizados de José Martí, diz Cantón Navarro. «Na madrugada memorável de 26 de julho de 1953, quando chegou a hora suprema e os jovens combatentes aguardavam as últimas instruções, foi escutado o nosso Hino Nacional e, no breve discurso de Fidel, estas palavras se destacam: ‘caso vencermos amanhã, as aspirações de Martí serão realidade mais cedo’».

Mas a história também fez o seu porque, embora fosse uma ordem e não uma coincidência — como relatado pela jornalista Marta Rojas, prêmio nacional de jornalismo José Martí — Fidel Castro foi fotografado diante de um pôster de José Martí, no centro de detenção de Santiago de Cuba, ou prisão municipal, após o ataque ao quartel de Moncada.

Esta jornalista diz que foi quase uma zombaria para os elementos do centro de detenção ordenar que ele se colocasse lá para o que poderíamos chamar de «a foto oficial», onde o assaltante tinha atas o Marti ofendido, quando na verdade estavam exaltando algo mais do que um símbolo para ele.

Essa imagem emblemática não só foi perpetuada nos livros de história, mas para vê-los juntos e olhar para o trabalho de cada um, sabemos então por que dois homens separados pelo tempo têm muito em comum, como se estivéssemos falando sobre um sozinho.

CUBA E NOSSA AMÉRICA

O programa da Moncada era fundamentalmente inspirado nas ideias de Martí e essa continuidade no pensamento está em cada passo, em todas as ações de Fidel, que nos ensinaria com o projeto revolucionário toda a dimensão ética, humana, política, ideológica, internacionalista e antiimperialista de José Martí.

Ambos, desde cedo, entenderam que a Revolução cubana foi uma só desde o toque do sino do engenho açucareiro La Demajagua, em 10 de outubro de 1868, quando Carlos Manuel de Céspedes concedeu a liberdade aos seus escravos e deu o grito libertário de independência.

Em 10 de outubro também, mas em 1899, o Apóstolo apareceu perante a emigração cubana, no Hardman Hall, em Nova York, e expressou: «(...) Nós somos o tribunal aqui, mais do que uma tribuna: um tribunal que não deve esquecer que cabe ao juiz dar o exemplo da virtude cuja culpa censura nos outros, e que aqueles que atuem como juízes serão um dia julgados. Aquele que critica outros que não criam, deve criar e fundar. Entre nós, que vivemos livres no exterior, o dia 10 de outubro não pode ser, como não é hoje, uma amarga festa de comemoração, onde venhamos com a face corada e as cinzas na testa: mas sim um rencontro e uma promessa».

Fidel entendeu isso claramente e o expressou no discurso proferido no resumo da noite comemorativa dos cem anos de luta, em 10 de outubro de 1968. «Claro que não há dúvida de que Céspedes simbolizou o espírito dos cubanos daquela época, simbolizavam a dignidade e a rebelião de um povo — ainda heterogêneo — que começou a nascer na história.

«(...) Essas bandeiras que tremularam em Yara, em La Demajagua, em Baire, em Baraguá, em Guaimaro; essas bandeiras que presidiam o sublime ato de libertar a escravidão; essas bandeiras que presidiram a história revolucionária de nosso país nunca serão arriadas. Essas bandeiras e o que representam serão defendidas pelo nosso povo até a última gota de sangue».

Fidel foi igualmente inspirado pelas ideias latino-americanas e internacionalistas de Martí e delineou a necessidade da unidade em Cuba, mas também em toda a América como escudo contra os desejos expansionistas dos Estados Unidos.

«(...) Quando defendemos nosso país, temos a sensação de que também estamos defendendo nossas nações irmãs da América Latina. Se essa trincheira cair, seria uma tragédia para os povos da América Latina. Porque Martí disse isso há muito tempo, há 95 anos, e Martí foi um dos maiores pensadores deste hemisfério, um dos maiores profetas e visionários. No dia anterior à sua morte, escrevendo uma carta a um amigo mexicano, ele disse: «Em silêncio teve que ser, e tudo o que fiz até agora e farei, será prevenir, com a independência de Cuba, que os Estados Unidos não se estendam como mais uma força, sobre os povos da América. Ou seja, uma Cuba nas mãos dos Estados Unidos teria sido essa força mais».

«Se em Cuba a Revolução fosse derrotada, a independência do nosso país desapareceria. A revolução, a independência e a soberania são coisas inseparáveis ​​em Cuba. Não puderam conquistá-lo no século passado; eles acreditavam que seria como um fruto maduro, como uma vez proclamaram (...) O Apóstolo nos desenhou a imagem de uma América Latina unida na frente da América imperialista e arrogante, revolta e brutal, que nos despreza», disse Fidel durante uma reunião com intelectuais brasileiros, no Palácio das Convenções de Anhembi, São Paulo, Brasil, em 18 de março de 1990.

Mas, inclusive, muito antes da História me absolverá, o líder já anunciava que a política cubana na América seria de uma estreita solidariedade com os povos democráticos do continente. E assim o vimos cumprir, não só com a América, mas em todos os países que precisaram de uma mão amiga.

Angola, Etiópia, África do Sul, Namíbia..., os sonhos libertários dessas terras têm sangue cubano em sua história, porque foram milhares os lutadores que deixaram atrás o conhecido, seu país, porque como disse Fidel, ser internacionalistas é pagar nossa própria dívida com a humanidade.

A colaboração fraterna de médicos, professores, treinadores esportivos, construtores e outros profissionais deixa poucos espaços vazios no mapa mundial. E esses gestos de solidariedade são hoje parte da nossa essência, do que nos define como cubanos e também como seguidores de José Martí.

UMA SOCIEDADE COM TODO E PARA TODOS

A dedicação total, sem ambições, à causa revolucionária; o anseio de conquistar a justiça para o seu povo e para todos os povos do mundo; a conjugação em sua pessoa de heroísmo com a simplicidade e naturalidade do ser humano; a imensa capacidade de um estadista político; o oportuno saber de como fazer em cada momento e colocar o que corresponde; a convicção e a praxe de que as trincheiras das ideias valem mais do que trincheiras de pedras... tudo isso, como em Martí, sabíamos que era verdade em Fidel.

E se sentimos a presença de José Martí na Moncada, no iate Granma, na Serra, foi após o triunfo revolucionário de 1959 que esse sonho do Apóstolo de uma República começaria a concretizar-se, onde a primeira lei era o culto dos cubanos à total dignidade do homem.

Sob a orientação de Fidel, a Revolução construiu uma sociedade dos humildes e para os humildes, com todos e para o bem de todos. A pátria tornou-se soberana, independente, democrática, justa. Também começaria uma obra de transformações, de criação, de melhoria em todos os campos e setores.

«Por fim, Mestre, a Cuba que você sonhou, está sendo convertida em realidade!», anunciou o Comandante-em-chefe em um discurso proferido em 1960, na Praça da Revolução, porque nosso processo revolucionário aboliu os privilégios e a exploração, elevou as condições de vida do homem e permitiu que os cubanos sonhassem com um amanhã melhor.

Tal como Marti, Fidel entendeu a necessidade de criar um partido da unidade, que não era fonte de privilégios, mas de sacrifícios e consagração total à causa revolucionária. «Martí criou um partido — não dois partidos nem três partidos — no qual podemos ver o precedente mais honrado e legítimo do glorioso Partido que hoje lidera nossa Revolução: o Partido Comunista de Cuba, que é a união de todos os revolucionários, que é a união de todos os patriotas para liderar a Revolução e para fazer a Revolução, para unir estreitamente o povo», disse o Comandante-em-chhefe durante a atividade solene de comemoração da morte em combate do major-general Ignacio Agramonte, em 11 de maio de 1973.

Faz mais de 120 anos que o Mestre caiu em Dos Rios. Há pouco mais de um ano, toda a Cuba foi abalada pela partida física do seu melhor discípulo. Mas, tal como José Martí, não pensou apenas por seu tempo, mas para o nosso, Fidel deixou as linhas do caminho pelo qual devemos caminhar, porque ele também tinha essa capacidade única de observar o horizonte, saber para onde íamos, chegar lá e voltar para nos contar.