Aquário de golfinhos renovado com propostas atraentes › Cuba › Granma - Organo ufficiale del PCC
ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O aquário de golfinhos de Jardines del Rey permite a interação com os golfinhos. Photo: Yisel Martínez García

OS golfinhos são uma das espécies mais inteligentes que habitam no planeta. Suas habilidades e seu fácil treino permitiram que, durante anos, estes fossem preparados pelo homem para participar de espetáculos aquáticos.

Em Cuba, os golfinários são uma das maiores atrações turísticas. Os seis que existem se encontram distribuídos por todo o país. A instalação deste tipo na ilhota Santa María, ao norte da província de Villa Clara, é a maior de todas.

Carlos Kadir Delgado trabalha há seis anos neste centro como treinador de golfinhos. De sua experiência assegura que ensiná-los é um trabalho fácil. É baseada em dar-lhes prêmios para que realizem os diferentes exercícios ou comportamentos, que é como se costuma chamar neste caso.

«Cada treinador tem uma maneira diferente de adestrar o golfinho. Conseguir a realização de um comportamento é o mais importante e a meta final. Eles trabalham e depois comem, esse é seu prêmio», assegura Kadir.

«Os golfinhos têm uma dieta baseada, fundamentalmente, em peixes e lulas. Consomem ao redor de 9 quilos diários e recebem-no em diferentes momentos do dia, dependendo de suas horas de trabalho», acrescenta o treinador.

«O mais importante é que estejam de bom humor, carismáticos e que não se estressem. Sua saúde é cuidada diariamente. O treinador e o médico examinam os animais e dependendo de seu estado físico e anímico, determina-se se estão preparados para trabalhar», explica Adys Gutiérrez, chefa de equipe do aquário de golfinhos de Jardines del Rey, na ilhota Guillermo.

GOLFINHOS FORA DE PERIGO

Ao ser o maior de seu tipo, o aquário de golfinhos da ilhota Santa María, conta com seis piscinas de 35 por 70 metros, onde há atualmente 12 golfinhos e um leão-marinho. Como centro turístico pertencente à Empresa Marina Gaviota. O lugar conta, também, com um restaurante, um bar e uma loja de material fotográfico.

Entre as ofertas, estão os jantares marinheiros nas noites, as boates no catamarã, ver o pôr do Sol, nadar com os golfinhos e todas as interações relacionadas com estes animais.

«Uma oferta das mais vendidas é a do Cruzeiro do Sol. Consiste em uma viagem, das 9h da manhã às 5h da tarde, em um catamarã de 80 vagas. Na excursão, os visitantes mergulham com snorkel em duas barreiras coralíneas da zona e desfrutam de um show e interação com golfinhos», explica Carlos Kadir Delgado, que é treinador e animador do centro.

Inclusive quando hoje, todo aquele que desfrute deste destino turístico pode ver um espaço agradável e com as condições para que estes animais vivam em harmonia, há alguns meses a situação era outra, por causa da passagem do furacão Irma pela Ilha.

Perante o evento meteorológico e o perigo que podia supor para os animais, determinou-se evacuá-los a piscinas internas do aquário de golfinhos e evitar problemas com as redes.

Apesar de que foi destruído o restaurante e parte do espaço, onde se realiza o show, Kadir assegura que os golfinhos e o leão-marinho não sentiram em nenhum momento a passagem do furacão e foram muito bem cuidados por seus 11 treinadores.

O aquário de golfinhos da ilhota Guillermo não teve a mesma sorte. Os seis cetáceos foram transferidos até o aquário de golfinhos da província de Cienfuegos para serem protegidos. Graças ao trabalho antecipado do pessoal deste centro, hoje os animais se encontram em bom estado e da mesma maneira, podemos ver um espaço de lazer completamente novo.

Ao conversar com todos os que aí trabalham, a sensação é, além da própria aventura, de um grande sentido da responsabilidade e carinho aos golfinhos.

Cinco treinadores e sua chefa de equipe, Adys Gutiérrez, asseguram que dias depois do translado de retorno, já os cinco machos e a fêmea se encontravam em perfeito estado de saúde, alimentando-se e fazendo suas rotinas.

«Foram transladados em helicópteros em coordenação com o Ministério das Forças Armadas Revolucionárias (Minfar). Horas antes da passagem do furacão foram preparados para sua transferência. Os treinadores estiveram o tempo todo com estes mamíferos marinhos, até seu retorno, porque o objetivo era que sofressem o menor estresse possível», explica Adys Gutiérrez.

Segundo comentam estes especialistas, os golfinhos só podem estar fora da água até 72 horas, por isso durante o translado foram utilizadas bolsas de gelo, foram cobertos com toa-lhas, para manter a temperatura adequada, molharam-nos e foram afagados, para acalmá-los.

«Ainda que durante estes 20 dias de evacuação estivessem fora de seu ambiente, em áreas mais reduzidas, com águas de menor profundidade e diferente qualidade, ao retornar se recuperaram rapidamente», acrescenta Gutiérrez.

Atualmente, quem visite o centro recreativo da ilhota Guillermo encontrará um ambiente completamente remoçado, com um lobby de mais conforto e uma nova imagem. Também, toda uma série de ofertas que incluem desde tomar banho até a interação com os golfinhos.

«A oferta mais popular é nadar, porque é a mais completa. Além disso, é a mais bela e na qual o cliente pode estar ao redor de 30 minutos com os golfinhos. Fazem todos os exercícios da plataforma, os de interação, mais nadar», comenta a chefa de equipe.

UMA INTENÇÃO DE PRESERVAR

O maior aquário de golfinhos de Cuba, situado na ilhota Santa María, ao norte da central província de Villa Clara conta hoje com um programa de reprodução, que tem como objetivo o nascimento e a criação desta espécie. A experiência até agora foi favorável, pois dois dos 12 golfinhos do lugar, nasceram ali.

Segundo explicam especialistas do tema, fomentar a reprodução destes espaços evita ter que tirar outros exemplares de seu meio natural. De igual maneira, asseguram que os nascidos neste hábitat se adaptam muito mais rápido e melhor às atividades que ali se realizam.

Além da possibilidade de ter centros turísticos como estes, com atraentes animais como podem ser os golfinhos ou os leões-marinhos, em Cuba o cuidado do meio ambiente é uma prioridade. Assim o demonstra o trabalho que durante anos realizam os treinadores, médicos e todo o pessoal encarregado da preservação destes mamíferos, não apenas nesta região, mas também nos diferentes golfinários com que conta a Ilha.