ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

O Ministério dos Negócios Estrangeiros adverte sobre a gravidade da mensagem de arrogância e desprezo com que o secretário do Estado dos Estados Unidos iniciou uma visita a vários países da América Latina e do Caribe.

Na véspera da viagem, quinta-feira, 1º de fevereiro, o secretário do Estado, Rex Tillerson, em um comparecimento na Universidade do Texas, em Austin, fez declarações alarmantes cheias de ingerências, que instigaram abertamente ao derrube, por qualquer meio, do governo legítimo da Venezuela e também têm como fim minar o repúdio unânime da região às medidas de recuo e acirramento do bloqueio econômico, comercial e financeiro contra Cuba, cujo objetivo é prejudicar a economia e o povo cubano, para tentar subjugar o país.

Suas declarações estão claramente ligadas aos esquemas de mudança de regime, que provocaram milhões de vítimas inocentes em várias partes do mundo e promoveram violência, guerra, crises humanitárias e instabilidade, demonstrando seu fracasso. O Governo dos Estados Unidos não sabe que esta é uma região comprometida com a defesa da paz, consagrada na Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, assinada pelos chefes de Estado e de Governo em Havana, em 29 de janeiro de 2014, durante a 2ª Cúpula da Comunidade dos Estados da América Latina e o Caribe (Celac).

Nas palavras do secretário Tillerson «Na história da Venezuela e, de fato, na história de outros países da América Latina e da América do Sul, muitas vezes os militares (os únicos) são os que lidam com isso, quando as coisas ficam tão ruins que os líderes militares percebem que não podem mais responder aos cidadãos e levam a uma transição pacífica. Seja este o caso ou não, eu não sei». Anteriormente, ele defendeu os postulados da infame doutrina que estabeleceu como uma política que a América é o quintal dos Estados Unidos, declarando que «às vezes, esquecemos a importância da Doutrina Monroe e do que isso significa para o nosso hemisfério pelo que eu acredito que hoje é tão relevante como quando foi escrita».

Suas palavras são, claramente, uma instigação à «mudança de regime». Em suas instruções para a região, Tillerson chegou ao ponto de sugerir que o presidente Nicolás Maduro deveria deixar seu cargo de chefe de Estado eleito democraticamente por uma maioria indiscutível de votos. Em seu discurso, ele também retorna com as condições fracassadas para Cuba e, sem qualquer autoridade moral, se intromete nos assuntos internos cubanos, reclamando para nosso próximo processo eleitoral, mudanças que sejam do agrado dos Estados Unidos.

Com suas declarações, o alto funcionário do Governo dos Estados Unidos, acrescenta um novo ato ao que tem sido um padrão de abusos sucessivos na história de dominação da nossa região e ratifica o desprezo sustentado com o qual o governo do presidente Donald Trump tem se referido, inequivocamente, às nações da América Latina e do Caribe, a cujos povos ele desclassifica e ofende sempre que tem a chance.

O Ministério das Relações Exteriores da República de Cuba condena esta nova agressão contra Cuba e a Venezuela, que segue às recentes declarações desrespeitosas ​​do presidente Trump, no discurso sobre o Estado da União.

Antes de partir para sua turnê imperialista, o secretário do Estado anuncia que 2018 será o ano das Américas e deixa claro que procurará encorajar a divisão e a submissão entre os governos latino-americanos. Ao fazê-lo, ele tropeçará no repúdio inspirado por seus anúncios e a dignidade dos povos da região, que levam na memória as centenas de milhares de mortos e desaparecidos pelas ditaduras militares patrocinadas pelos Estados Unidos e que o secretário Tillerson hoje incita a reeditar.

É escandaloso e inaceitável que o secretário do Estado dos Estados Unidos esteja apelando abertamente a um golpe militar na Venezuela, incentivando a instabilidade, a derrubada dos governos democraticamente eleitos e a violência.

É óbvio e lamentável que nem o presidente dos Estados Unidos nem seu secretário do Estado conheçam a América Latina e o Caribe. A nossa foi um continente sujeito ao domínio humilhante dos Estados Unidos, interessado apenas em extrair seus recursos em uma relação desigual. Mas a nossa América despertou e não será tão fácil dobrá-la.

Havana, 5 de fevereiro de 2018