ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

O avanço da Agenda 2030 de desenvolvimento sustentável aparece no âmbito mundial como um imperativo que tenta contestar o modelo atual de desenvolvimento, que é insustentável, excludente e predador, o qual dependerá, ineludivelmente, de mobilizar o potencial humano, as capacidades científicas e tecnológicas e os valores humanistas que pode promover a educação superior.

Cuba pode gabar-se das suas universidades comprometidas com os destinos da nação. Foto: Ariel Cecilio Lemus

«Esse é um desafio que Cuba assume», segundo expressou o ministro da Educação Superior, José Ramón Saborido Loidi, na conferencia que deixou inaugurado, em 12 de fevereiro, o Congresso Universidade 2018, no teatro Karl Marx, e o faz a partir da experiência de ter formado quase um milhão e meio de profissionais, desde 1959, e de contar com 12% de sua população nom nível universitário.

No ato, no qual marcou presença o primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros e membro do Bureau Político, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, o titular desse setor expressou que o modelo de universidade que construiu a Ilha maior das Antilhas a define como humanista, moderna, científica, tecnológica e inovadora, integrada à sociedade, comprometida com a construção da nação.

Isso pode ser percebido, para pôr apenas um exemplo, na participação de professores e pesquisadores universitários na atualização do modelo econômico e social cubano e nas transformações que experimenta a própria educação superior. «Trata-se, disse o ministro, de continuar melhorando a pertinência e qualidade de um sistema totalmente gratuito.

Saborido Loidi definiu alguns desafios do ensino na região, entre eles a necessidade de uma universidade comprometida com a sociedade, ter conseguido que a educação seja um bem público e direito humano universal, a qualidade da formação de professores, maior aproveitamento das tecnologias da informação e as comunicações e a batalha contra a mercantilização do ensino superior.

Passados 20 anos de ter sido celebrado o primeiro congresso Universidade e quando se completa o centenário da Reforma de Córdoba, o evento que terá lugar no Palácio das Convenções, até 16 de fevereiro, reúne mais de dois mil participantes de 60 países e pretende converter-se em espaço aberto para o diálogo, segundo expressou seu secretário executivo, Omar Herrera.