ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Embarcações utilizadas para o mergulho em Cuba.

«A partir de abril e até novembro o clima em Cuba é muito bom para mergulhar. As temperaturas começam a subir e a água não é muito fria», explica Yail Martínez, representante de serviços ao cliente, do Centro de Mergulho, situado no hotel Meliá Cayo Guillermo, em Jardines del Rey.

«Graças ao clima cálido e tropical que Cuba tem, este é o destino perfeito durante todo o ano», acrescenta Martínez, que tem clientes diariamente e muitos que durante anos voltam a visitar-nos, tanto pela qualidade da água quanto pelo serviço.

Ela é a única mulher do Centro, trabalha aí desde 2004 e apesar de não ser instrutora, domina perfeitamente qualquer tema relacionado com o mergulho.

«Todas as pessoas não vêm com uma certificação, não sabem o que podem fazer e meu trabalho é guiá-las e orientá-las. Algumas só podem receber uma iniciação na piscina, mas há outras que se aventuram mais e tomam um curso. Este, por exemplo, envolve uma instrução na piscina, mais um mergulho em águas abertas pouco profundas, ou seja, não mais de 10 metros de profundidade», explica a representante de serviços ao cliente do centro.

A PREPARAÇÃO É NECESSÁRIA

Há apenas um ano, sua sede era no hotel Trip Cayo Coco, mas agora no Meliá Cayo Guillermo a sede é privilegiada. Estão perto de todos os hotéis de praia e qualquer cliente que se hospede na ilhota pode acessar a este ponto.

«Sobretudo, chegam clientes da Europa, são pessoas que têm muita cultura do mergulho, mas também recebemos do Canadá e de outros países. Todo aquele que deseje pode mergulhar, contamos com cinco instrutores avançados de muita experiência».

«A maioria das pessoas chega aqui por curiosidade, por isso é muito importante estar bem preparados. Meu trabalho é saber se conhecem algo sobre esta prática, se passaram algum curso, se contam com uma certificação e em cada caso explicar-lhes, então, o que devem fazer», assegura Yail Martínez.

Em Jardines del Rey os fundos coralíneos oscilam desde três até 30 metros de profundidade.

O centro, pertencente ao Grupo de Marinhas e Náuticas, Marlin, é membro da Organização Internacional SSI (Scuba Schools Internacional), um dos poucos de seu tipo no país que pode oferecer cursos internacionais. A SSI é uma das escolas de mergulho mais reconhecidas no mundo todo. Tem sua sede na Alemanha e possui um escritório central em Havana.

«Seu programa de ensino está muito bem organizado e é em vários idiomas. As pessoas não têm que chegar até nós para se certificar. Podem fazê-lo on line, receber todo o treino teórico por essa via, fazer os exames, obter a certidão e depois vir a nós. Uma vez aqui nós nos encarregamos da prática», afirma Martínez.

Segundo seu itinerário, normalmente fazem três saídas diárias. Uma na manhã, para mergulhadores certificados, que inclui uma imersão profunda desde 18 até 30 metros de profundidade, em recifes coralíneos e navios afundados. Outra, no meio da manhã, em águas pouco profundas, para desfrutar dos fundos marinhos e dos peixes do recife; e outra na tarde dedicada aos principiantes.

A EXPERIÊNCIA NO MAR

Os recifes coralíneos cercam a plataforma marinha cubana. Nela habitam inúmeras espécies de crustáceos e moluscos, mais de 700 de peixes, 300 de esponjas e um número maior de estrelas de mar e ouriços.

Nesta zona de Cuba, Jardines del Rey, os fundos coralíneos oscilam desde três até 30 metros de profundidade. Há muitos recursos naturais e uma ampla diversidade de peixes.

Yail Martínez explica que segundo o nível das pessoas, são levadas a locais baixos ou mais profundos. Dispõem de uma embarcação que está o tempo todo com eles e outra da qual dispõem dependendo do fluxo de clientes. Os locais vão alternando-se, nem todos os dias se visita o mesmo, mas assegura que, se uma pessoa quiser mergulhar por seis dias consecutivos, fará isso em seis locais diferentes.

Nos recifes coralíneos habitam mais de 700 espécies de peixes, 300 de esponjas e um número maior de estrelas de mar e ouriços.

«A barreira de Felipe tem pouca profundidade e dá a possibilidade de mergulhar com os principiantes ou com aquelas pessoas, que ainda que tenham certificação, não têm muita experiência. Esse ponto começa em três metros, mas pode chegar a baixar até 12 metros de profundidade. É um ponto variado e uma boa opção para aqueles que necessitam familiarizar-se com o ambiente», explica.

PRESERVAR PARA MERGULHAR

Achar locais com estas características em Cuba não só está associado às peculiaridades de seu meio ambiente, mas também à importância que o governo dá ao cuidado do ecossistema marinho.

Fazê-lo de qualquer ambiente, ajuda muito e este é um dos princípios que mantêm os diferentes centros de mergulho que existem na Ilha. No caso específico de Jardines del Rey este é um assunto levado muito a sério. Antes de sair ao mar, os clientes têm que preencher um formulário de responsabilidade, onde lhes explicam os cuidados a ter presente quando estejam submersos.

«Os instrutores explicam a todas as pessoas as características de seu mergulho (profundidade máxima, tempo de imersão, lugar que visitarão, medidas de segurança, procedimento de emergência). Insiste-se no cuidado que devem ter com o meio ambiente», afirma Yail Martínez.

Cuba recebe, cada ano, mais de 100 mil mergulhadores e conta com um prestígio internacional que coloca a Ilha, segundo a Organização Mundial do Turismo, entre os 27 locais do mundo recomendados para a prática do mergulho.

Esta atividade no país data de 1970, uma experiência que também se sustenta no trabalho de proteção e conservação do Meio Ambiente. Segundo declarações do Ministério do Turismo, entre as prioridades do setor se encontra potencializar o mergulho e a náutica, assunto que inclui entre os planos de desenvolvimento para 2030 a criação de 23 instalações, entre bases náuticas e marinhas.

Proteção e conservação das zonas de mergulho em Cuba. Legislação do Ministério do Turismo. 8 de maio de 2014:

Extração de amostras da flora e a fauna marinha, bem como do patrimônio subaquático, sem a devida autorização do organismo que o regula.

A caça submarina e a pesca.

Limpar as embarcações.

Despejar lixo, dejetos ou qualquer outro tipo de material ou substância susceptível de provocar poluição no mar.

Ancorar as embarcações nas zonas de mergulho.

Qualquer outra ação ou omissão que deteriore o meio ambiente e a fauna.

Principais destinos de mergulho em Cuba:

María la Gorda, Pinar del Río.

Litoral sul da Ilha da Juventude e a ilhota Cayo Largo del Sur.

Norte de Havana.

Península de Zapata, entre Playa Larga e Playa Girón.

Jardines del Rey.

Jardines de la Reina.

Santa Lucía, em Camaguey. Mergulho com tubarões.

Holguín.

Litoral de Santiago de Cuba.