ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Isidro conhece boas práticas e as aplica como garantia da saúde de suas colmeias. Foto: Leidys María Labrador Herrera

LAS TUNAS.— Suas propriedades curativas, seus diferentes usos na alimentação ou sua utilização como matéria-prima nas indústrias farmacêutica e biotecnológica, tornam o mel um produto de alta demanda em nível internacional.

Sua consolidação como produto exportável determinou que cada vez sejam maiores os esforços por elevar a cultura dos apicultores, em prol de um manuseamento mais eficiente. Neste sentido, a Empresa Apícola Cubana traçou estratégias que se sustentam, sobretudo, no contato direto com os produtores.

Sob tais premissas se trabalha na unidade empresarial de base Apícola de Las Tunas. A difusão de manuais de boas práticas para a manufatura, capacitações individuais e coletivas, bem como «plenárias do mel», colocam-se entre as ferramentas postas à disposição dos apicultores para garantir três elementos essenciais: produtividade, qualidade e inocuidade.

QUALIDADE DESDE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

A UEB de Las Tunas conta hoje com 328 apiários produtivos (constituídos por um número «X» de colmeias), pertencentes a 127 produtores. Estes últimos estão associados a 36 cooperativas de créditos e serviços, através das quais se desenvolve o processo de contratação.

Como outras produções, o mel também se classifica por categorias dependendo que cumpra ou não certos parâmetros de qualidade estabelecidos. Isso influi também no pagamento aos apicultores. Com respeito a isto ofereceu detalhes a especialista em gestão da qualidade da UEB de Las Tunas, Isabel Yanet Carbonell Jorge.

«Temos um sistema integrado de gestão da qualidade que avalia de forma constante os aspectos que podem afetar esse indicador. No laboratório que temos aqui fazemos os testes de umidade e cor (depende do tipo de floração). Também se faz o teste organoléptico: cheiro, sabor e aspecto do mel e avaliamos, além disso, se tem alguma porcentagem de HMF (hidroximetilfurfural: quando aumenta se considera um indicador de perda de qualidade do mel por envelhecimento e mal armazenamento ou manejo inadequado do produto) e tudo isso se leva em conta na hora de determinar a qualidade.

«Existe também uma documentação rigorosa que permite conhecer a quantidade de mel, de bidões e de quais apiários procede. Isso determina a rastreabilidade dessa produção, de forma tal que se existe um problema em um lote, depois da exportação, seja possível saber quais produtores tributaram a ele».

«Estes aspectos se levam em conta para o pagamento, que se realiza em cor-relação ao preço do mercado internacional. Por exemplo, no mês de fevereiro, pagamos 17.900 pesos por tonelada. Uma tonelada de mel de primeira no mercado internacional, está ao redor de 3.000 a 3.200 euros. Claro, esses são os preços mais altos que se estão cotando neste momento, mas o mel também flutua e em determinados momentos se manejam também preços médios e baixos».

Contudo, existem particularidades no território que requerem de um estrito acompanhamento, pois descuidá-las envolve que se afetem os parâmetros

de qualidade, que são indispensáveis ao mel.

COLMEIAS «NO OMBRO»

A do picão-preto é a maior floração melífera que acontece em Las Tunas. Contudo, uma vez concluído seu período ótimo, a dispersão do resto das florações obriga os produtores a realizar o que se conhece, em termos da apicultura, como transumância. Por outras palavras, pastoreio ou transferência de colmeias, de uma zona a outra, para aproveitar a floração.

Isso envolve grandes benefícios que se revertem, sobretudo, em produtividade, mas pode trazer dificuldades, caso não existir um manejo delicado dos apiários.

As áreas costeiras são ricas em florações, por isso não é raro que os produtores transumantes levem suas colmeias até ali. O que acontece é que o mel que provém destas plantas geralmente tem alto teor de umidade, que pode chegar a ultrapassar 20 e 21%, descumprindo assim com o 19,6 máximo para ser qualificada de primeira. Para contestar o problema, produtores experientes como Carlos Duarte, sabem muito bem o que fazer.

«Geralmente, o mel mais úmido é o da costa e o do Gouania polygama. Nestes casos o produtor tem que tentar que este mel amadureça o mais possível. Em outras florações se pode castrar (processo para obter o mel dos favos) com uma percentagem de selagem no favo de 70 ou mais, mas nestas florações tem que tentar que a selagem seja de 100%».

Levando em consideração que o mel é um produto inócuo, há outros aspectos que os apicultores devem levam em conta para a localização das colmeias. Por exemplo, em áreas de agricultura intensiva, existem altas probabilidades de poluição, dado o uso de adubos, herbicidas e outros químicos. Também é vital a higiene das áreas onde se situam os apiários, para evitar a existência de predadores ou a inclusão de roedores.

Deve realizar-se também a mudança oportuna de elementos de colmeia previamente desinfectados. «A limpeza de todos os equipamentos e utensílios que entram em contato com o mel constitui mais uma carta de triunfo», como assegura Isidro Silva, de Majibacoa.

«Nós devemos ser bem cuidadosos com todos os implementos que usamos porque corremos o risco de poluir o mel. É por esse motivo que a empresa nos vendeu um módulo de castra onde todos os componentes são de aço inoxidável, isso torna muito mais fácil os processos de higienização. Por outro lado, os bidões nos quais envasamos são reutilizados, por isso devemos lavá-los bem, só com água e deixá-los secar completamente antes de preenchê-los».

Embora pareça uma medida extrema, garantir a inocuidade requer, inclusive, de um monitoramento constante da saúde do próprio agricultor, para evitar qualquer infecção que padeça, susceptível de transmitir-se por meio dos alimentos, possa contaminar o produto final.

Neste território não existe uma usina de beneficiamento, pelo qual o mel catado aqui é transladado a Contramaestre em Santiago de Cuba. É válido destacar que, ainda que o laboratório da UEB não possa realizar todos os testes necessários, seus resultados estiveram, mormente, conforme os da beneficiadora.

VISÃO DE FUTURO

Com suas exigências em aumento, o mercado internacional demanda cada vez com mais força o mel orgânico e específico (produto de uma mesma floração). Se bem é certo que por enquanto isto não é possível na província, são desenvolvidos estudos que permitam avançar para essas modalidades produtivas.

Entretanto, a capacitação constante aos apicultores é a garantia mais importante de qualidade. A apicultura é um tipo muito complexo de pecuária, que requer de um domínio pleno do que se faz, de cada manejo e atenção cultural, sobretudo se levado em conta que a manufatura é ainda a maneira base, para a obtenção de mel no país.