ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A embaixadora da Santa Lúcia, Malachia Fontenelle, reconhece a necessidade de fortalecer os laços fraternos entre seu país e Cuba. Foto: (cortesía ICAP), Karoly Emerson

A vontade de fortalecer as relações entre Cuba e a ilha caribenha da Santa Lúcia, foi ratificada ao semanário Granma Internacional pela embaixadora desse país na Ilha maior das Antilhas, Malachia Fontenelle.

A diplomata sublinhou que a atualmente se mantêm vigentes convênios bilaterais de cooperação benéfica para ambos os países. E pôs como exemplo os jovens santa-lucenses que estudam diversas profissões nas universidades cubanas, principalmente na Escola Latino-americana de Medicina (ELAM).

Também destacou que inúmeras pessoas de seu país recebem atendimento médico em instituições cubanas e que uma brigada médica cubana dá atendimento sanitário em comunidades de difícil acesso da Santa Lúcia, com um meritório desempenho na prevenção e promoção da saúde.

«Eu, sou um exemplo do que expresso, estudei na Universidade das Ciências Médicas de Cienfuegos, graduei-me em 2008. Hoje, sou médico e fico muito orgulhosa de fazer parte das relações entre duas as nações», asseverou a embaixadora Malachia Fontenelle.

Igualmente destacou que seu governo se interessa em ampliar as trocas comerciais, por isso a rede de comércios varejistas de Cuba vende alimentos em conserva e outros produtos importados da Santa Lúcia. Considera que daqui a pouco serão assinados novos acordos bilaterais.

Respeito aos anos vividos aqui, como estudante da ELAM, assinalou que além de sua profissão, aprendeu o idioma espanhol e a administração dos recursos materiais e financeiros.

Conheceu muitas pessoas que se tornaram sua família, pelo tratamento dado.

O ministro de Desenvolvimento Juvenil e Esportes da Santa Lúcia, Edmund Estepahane, visitou Cuba para conhecer as experiências no ramo esportivo e na cultura física, úteis para Santa Lúcia. Foto: (cortesía ICAP), Karoly Emerson

«É preciso aprender muito acerca da segurança conseguida em Cuba, respeito à tranquilidade cidadã. Eu trabalho horas extras e nunca tenho temor de que aconteça algum fato delitivo contra mim ou algum companheiro», assinalou e destacou o interesse de ministros de seu país de visitar a Ilha maior das Antilhas.

Por sua parte o ministro de Desenvolvimento Juvenil e Esportes, Edmund Estepahane, visitou pela primeira vez a pátria de José Martí e disse que se sentia feliz pelo tratamento recebido por parte das autoridades cubanas, as quais lhe ofereceram uma ampla explicação acerca da seleção e o treinamento que recebem os atletas.

«Visito Cuba porque quero conhecer acerca dos métodos aplicados aos esportistas e poder obter os mesmos resultados conseguidos nas competições internacionais. Acho que devemos mudar a estrutura concebida neste setor e pôr maior atenção no desenvolvimento físico da população em suas comunidades», comentou o ministro de Desenvolvimento Juvenil e Esportes da Santa Lúcia.

Elogiou os avanços cubanos neste ramo, de modo que os mesmos constituem um guia para outras nações. Expressou que os propósitos desta primeira aproximação são observar e aprender das experiências acumuladas em Cuba para depois propor trocas bilaterais e a assinatura de acordos.