ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Ulises Guilarte de Nacimiento, secretário-geral da Central dos Trabalhadores de Cuba, falou ao mar de pessoas que lotaram o Plaza. Photo: Jose M. Correa

Companheiro general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba.

Companheiro Miguel Díaz Canel-Bermúdez, presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros.

Distintos convidados

Queridos trabalhadores

Neste momento histórico da Pátria, milhões de cubanas e cubanos, em todo o país, protagonizam outra mobilização nacional em massa e popular, para celebrar o Dia Internacional dos Trabalhadores, presidido pelo lema ‘Unidade, Compromisso e Vitória’, em um momento em que estamos desenvolvendo, a partir das bases sindicais o processo orgânico para o 21º Congresso da Central dos Trabalhadores de Cuba, que terá lugar no próximo ano, comemorando o 80 º aniversário da sua fundação.

Temos muitas razões e argumentos para transformar este dia 1º de Maio numa nova demonstração de apoio à nossa Revolução, ao primeiro secretário do Partido, companheiro Raul, à continuidade da sua liderança no Estado e no Governo, liderada pelo companheiro Díaz-Canel, e também é palco da homenagem ao seu histórico líder Fidel Castro Ruz para ratificar a firme determinação de cumprir o Conceito de Revolução que nos legou.

Nesta ocasião nos convocam comemorações transcendentais, expressão das heróicas tradições de luta que nos orgulham de ser cubanos e dignificam a história de nosso país, como o 165º aniversário do nascimento do Herói Nacional José Martí; o 150º do início das guerras pela independência; o 65º aniversário do atraque aos quartéis Moncada e Carlos Manuel de Céspedes e o 60º aniversário do triunfo da Revolução.

Ao mesmo tempo, as imagens dos destacados líderes operários que hoje levamos neste numeroso desfile, como as de Lázaro Peña, Jesus Menéndez, José María Pérez, Aracelio Iglesias e outros estreitamente ligados às lutas sindicais, é o testemunho de nosso reconhecimento e eterna gratidão ao seu exemplo de fidelidade e firmeza.

Da mesma forma, nos desfiles compactos e coloridos, nas praças de todo o país, será multiplicada a exigência da cessação do bloqueio genocida econômico, comercial e financeiro imposto a Cuba, que agora se intensifica; será escutada a voz de um povo que exige o retorno do território ocupado ilegalmente pela base naval de Guantánamo, bem como vamos denunciar a ação agressiva e intervencionista do governo dos Estados Unidos.

Compatriotas

A batalha estratégica no campo econômico-produtivo a partir das empresas, unidades orçamentadas e formas não-estatais de gestão, em meio às complexidades que vivemos hoje, exige, como nunca antes, a contribuição dos trabalhadores para elevar e diversificar de forma sustentada as produções físicas, promover os itens exportáveis, substituir importações e melhorar a qualidade dos serviços, juntamente com a necessária eficiência do processo de investimento que é executado nos programas de desenvolvimento do país.

Para atingir esses objetivos, estamos plenamente conscientes da responsabilidade da classe trabalhadora em gerar a riqueza que nosso povo precisa para satisfazer suas necessidades, preservar as conquistas sociais e se tornar uma premissa para aumentar a renda real dos trabalhadores e aposentados.

Em um dia como hoje, não é possível esquecer que vivemos em um mundo caracterizado por uma ordem econômica internacional, injusta, desigual e excludente, onde a ofensiva do imperialismo e suas políticas neoliberais continuam impactando o mundo do trabalho.

As reformas trabalhistas, recentemente aplicadas em vários países, eliminaram os acordos de negociação coletiva, estão crescendo os bolsões de pobreza e a precariedade dos contratos, grandes vagas de trabalhadores migrantes não têm as garantias mínimas em seus direitos trabalhistas, da mesma forma aumenta o desemprego, com maior incidência nos jovens e mulheres, juntamente com a propaganda constante, com o fim de deslegitimar o papel de classe dos sindicatos.

Cuba e seu movimento sindical reafirmam seu compromisso inabalável e solidariedade militante com os povos que lutam por sua soberania e independência no mundo, e endossam a causa dos humildes para, em meio à diversidade, construir uma grande pátria como resultado da cooperação, acordo político e integração.

A Cúpula dos Povos e os fóruns organizados pela OEA no Peru constituíram uma prova irrefutável, ali mais de 170 representantes da legítima sociedade civil cubana, muitos deles jovens, exigiram a não intervenção nos assuntos internos dos países e se destacaram pela firmeza de seus argumentos e pela convicção com que os defenderam contra mercenários e apátridas.

Portanto, com o direito que nos auxilia em nossa prática revolucionária, a partir desta praça histórica reafirmamos o apoio incondicional à Revolução Bolivariana e ao seu presidente, o companheiro Nicolás Maduro Moros, empenhado em defender a dignidade da pátria de Bolívar e o legado de Hugo Chávez Frías.

Expressamos também toda a solidariedade do movimento sindical e do povo cubano com a Nicarágua, a Frente Sandinista de Libertação Nacional e o governo liderado pelo comandante Daniel Ortega Saavedra e a vice-presidenta Rosario Murillo Zambrana.

Nosso encorajamento e solidariedade eterna ao companheiro Luis Inácio Lula da Silva e a luta do povo brasileiro.

Estamos felizes em receber colegas e amigos de diferentes organizações sindicais, grupos solidários e movimentos sociais que, com sua presença, endossam seu apoio incondicional à nossa luta para alcançar um mundo melhor.

Companheiros e companheiros:

O Dia Internacional dos Trabalhadores é uma demonstração convincente dos fundamentos sólidos de nossa gloriosa Revolução, do apoio majoritário dos trabalhadores e do povo ao processo de atualização do modelo econômico-social.

Unidade, Compromisso e Vitória sintetizam nossa decisão presente e futura de continuar construindo uma nação soberana, independente, socialista, democrática, próspera e sustentável.

Vamos em frente, compatriotas, nada e ninguém vai nos impedir.

Vivam os trabalhadores cubanos e do mundo!

Vivam Fidel e Raúl!

Até a vitória Sempre!

Estudantes e trabalhadores organizaram um desfile impressionante. Photo: Dunia Álvarez Palacios
Organização e entusiasmo caracterizaram a passeata. Photo: Jose M. Correa
O olhar de José Martí apoiando o desfile. Photo: Ariel Cecilio Alvarez de la Campa
A bandeira nacional levada por um mar de pessoas. Photo: Ricardo López Hevia
As mensagens que levavam os trabalhadores deixaram evidências da continuidade da Revolução Cubana. Photo: Juvenal Balán
Na passeata de Havana estavam presentes pessoas de todas as gerações. Photo: Ismael Batista
Foto: Endrys Correa Vaillant