ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Primeira partida de crianças cubanas para Miami, Estados Unidos, via Varadero, nos voos da Pan American Airways. Foto: Arquivo

PROFUNDAMENTE empolgado, Alex Lopez reconhece que um dia partiu de Cuba, praticamente forçado por seus pais quando era adolescente, mas nunca sentiu que sua Ilha caribenha tenha saído do seu pensamento e em correspondência com isso agiu assim, durante seus 69 anos de vida.

Sua memória registra aquele dia 4 de julho de 1962, em que pegou o voo 422 da Pan American Airways, às 11h45 da manhã. Quando subiu a escada do avião, teve a intenção de voltar e recuou vários degraus de costas, porque a mãe o advertiu para não olhar para trás quando partisse.

Descreve aquela viagem de pavor e foram os 45 minutos mais tristes de sua vida, seu pranto não teve consolo. Quando o pássaro de aço se afastou, como ele chamou àquele aparelho aéreo, viu primeiramente as palmeiras reais muito pequenas, depois veio o mar e, finalmente, um país totalmente desconhecido: os Estados Unidos.

Com ele viajaram mais dez crianças, todas sem os seus parentes mais próximos, e naquele tempo ainda elas não sabiam que eram vítimas da Operação Peter Pan, uma insólita onda migratória, mexida pelos mecanismos da deturpação e da falsidade, criada como um dos métodos para destruir a Revolução Cubana, que fez com que mais de 14 mil crianças fossem tiradas do país.

Mais de 14 mil crianças saíram de Cuba através desta Operação. Foto: Arquivo

Terríveis foram os primeiros tempos, vivendo em acampamentos em barracos de lona do exército, entre meninos mais velhos que eles, que praticavam todo tipo de abusos. Para os protetores, padres e freiras da Igreja Católica, revelou-se difícil controlar os mais de 500 adolescentes, com idades entre 12 e 18 anos, que chegaram lá; portanto, houve desde agressões físicas até estupros, incluso praticados pelos próprios padres.

Estas histórias acentuaram ainda mais o seu amor pelo seu país e ao concluir o curso de licenciatura em Turismo, criou a empresa

Interplanner Travels e se dedicou a promover viagens de grupos entre os Estados Unidos e os países socialistas da Europa Oriental. Ao visitar essas nações europeias, fortaleceu os laços com as Casas de Amizade com Cuba, onde comprou livros, música e leu notícias sobre a Revolução.

Como foi a primeira viagem à Ilha maior das Antilhas?

«Devido ao meu relacionamento com o bloco de países socialistas, a missão de Cuba nas Nações Unidas mostrou interesse em meu trabalho, durante o governo do presidente Jimmy Carter (1977 a 1981), que moderadamente relaxou a possibilidade de viajar à Ilha caribenha. Conversei com diplomatas cubanos sobre a possibilidade de abrir o turismo com Cuba. Sempre foi um dos meus planos o de voltar, mas nunca pensei que o faria convidado, precisamente, pelo governo revolucionário».

«Os voos diretos eram proibidos e o fizemos através do Canadá, em 1978. Esse primeiro grupo era formado por professores e funcionários da Universidade Mártires de Keith».

«Para minha surpresa, nessa viagem conheci o líder Fidel Castro. Ele nos visitou no Hotel Riviera. Eu estava conversando com meus turistas na entrada principal, porque estávamos esperando o ônibus. De repente, vejo que parte do grupo muda de atitude, abrem os olhos imensamente e expressam espanto. Achei que tinha dito algo errado em inglês, mas sinto que alguém me tocou no ombro e, quando me virei, também fiquei espantado e sem palavras».

«Fidel cumprimentou-nos coloquialmente e disse para chamá-lo simplesmente por seu nome, como se fosse um amigo. Ele estava interessado em saber se aqueles acadêmicos se sentiam bem em Cuba e se o programa turístico era cumprido sem dificuldades. Eu nunca tive nenhum problema com esse grupo, nem com outros que trouxe».

Alex López sente o desejo de recuperar uma infância perdida. Foto: (cortesía ICAP), Karoly Emerson

Esse tipo de turismo especializado deve contornar os obstáculos, de acordo com os governos da Casa Branca. Quais foram os obstáculos fundamentais?

«Um dos obstáculos mais notórios se apresentou durante a presidência de Ronald Reagan (1981 a 1989). Recebi ordens para fechar meu escritório em Nova York e Washington, em menos de 24 horas. Tivemos que dar cabo de um sistema de negócios já articulado».

«Felizmente, mantivemos os contatos e quando houve uma mudança na Casa Branca, com a administração de George H.W. Bush (pai), fomos capazes de restaurar a troca, mas com muito mais restrições do que as iniciais».

«Sempre foi um grande problema fazer transferências bancárias para Cuba e é um ato desgastante para quem queira trabalhar».

«Agora, com a administração de Donald Trump, é quase impossível para um banco aceitar uma transferência de fundos. A isto se acrescenta que os turistas recebem um alerta de viagens, emitido pelo Departamento do Tesouro, dizendo que Cuba é um país inseguro; portanto, se ocorrer algum acidente ou doença, nenhuma companhia de seguros assume o controle».

«Por essa razão, em 2017 tivemos cerca de 30 cancelamentos de grupos, porque ninguém quer viajar para um lugar supostamente perigoso, mais quando se trata do anúncio de uma instituição do governo. Eles se escondem atrás do argumento dos supostos ataques acústicos. Garanto-lhe que, caso for verdade, eu já seria surdo e penso que aqui apenas se escuta ao vivo a música das orquestras».

«Na realidade, o presidente responde aos interesses de um pequeno grupo de cubanos que vive na Flórida e que criou um tipo de máfia que enriquece suas fortunas pessoais colocando barreiras nas relações bilaterais. Eles vivem desse negócio, porque são milhões de dólares para financiar campanhas contra a Revolução Cubana que não têm efeito».

«Nunca pensei em testemunhar a visita de um presidente americano a Cuba e o vi com Barack Obama. Ele reconheceu que a política de bloqueio econômico não alcançou o efeito desejado, no objetivo de derrubar a Revolução, então ele buscou outras estratégias».

Os pais adotivos de Alex López, Kathlen e Michael Mulvihill, sentem um grande carinho pelo filho adotivo. Foto: (cortesía ICAP), Karoly Emerson

«Ele não fez esses diálogos bilaterais por bondade ou paixão por Cuba. Sua tática era criar uma atmosfera de reaproximação e poder conversar diretamente entre os dois governos. Talvez pudéssemos ter conseguido uma troca normal com o restabelecimento das relações diplomáticas, mas a atual administração desmantelou tudo o que havia sido alcançado. A disputa entre Cuba e os Estados Unidos não será resolvida porque existe uma obsessão por controlar e colonizar Cuba, como é o caso de Porto Rico. Eu vejo isso como uma paixão fatal, em que o ianque branco quer possuir o mulato cubano pela força».

Como o senhor faz trabalhos de propaganda nesse ambiente hostil para coordenar grupos que querem vir a Cuba?

«Contornando os obstáculos e adaptando-nos às circunstâncias. Eu gasto muitas horas da minha vida conversando e trocando com as pessoas. Visito e interajo com as associações de profissionais, nas universidades e outras organizações para atraí-las. Trocamos ideias pela Internet e usamos a experiência daqueles que visitaram Cuba, porque sempre retornam surpresos».

«Muitas pessoas vêm para cá com um terror infundado acerca do comunismo. Eles expressaram para mim critérios absurdos de que serão vigiados e assistidos constantemente por espiões. Acreditam que não há liberdade para andar pelas ruas».

«Eu lhes explico que este é um país onde existe um sistema socialista, muito diferente de outros governos do mundo. Quando retornam, eles sempre expressam não ter imaginado Cuba como um país seguro e sem qualquer perigo. Retornam animados e reconhecem a existência de pessoas educadas e informadas, que sabem resolver os problemas entre os governos. Essa ponte amistosa é aquela com a que a gente tem que trabalhar diariamente».

Por que o amor por Cuba tem sido uma constante em suas ações?

«Meus pais biológicos sempre me avisaram que eu nunca deveria ser um traidor. Eu acho que quando eu saí de Cuba, a família acreditou em um retorno prematuro e estivemos separados por cinco anos. Eu senti que minha infância foi tirada. Prometi retornar ao país e recuperar o que me foi tirado, porque eu não o abandonei».

«Eu nasci em Matanzas e sempre que visito minha escola primária lembro-me do ato da manhã, em que as crianças saúdam a bandeira, diante do busto de José Martí. Essa imagem de estar em uma fila com os colegas, esticar o braço direito para manter a distância e depois cantar o Hino Nacional de Cuba, nunca consegui esquecê-la».

«A vida do emigrante é difícil. No meu caso, não sinto que pertença completamente a um lado ou a outro. Estou nesse meio que é identificado como cubano-americano, que não é uma nacionalidade. Eu não me considero um cubano-americano, nem um cidadão cubano dos Estados Unidos. Eu acho que minha vida tem sido nesse longo tempo e que nunca acaba. Eu moro lá, nem de um lado nem do outro».

«O povo daquele país me aceitou. Ajudou-se e me adotou uma família que me salvou. Hoje, os trago pela primeira vez. Eu sempre me lembro das palavras de Fidel, em uma conversa com um dos meus grupos. Ele nos disse que, mesmo que não estivéssemos presentes, aqui está nossa casa e nosso travesseiro».

A família Mulvihill, residente em Nova Jersey, conta ao Granma Internacional como eles acolheram Alex López até o reencontro com seus pais biológicos.

Kathlen, a esposa, relatou que naquela época o marido trabalhava em uma escola como professor de ciências e contava sobre uma criança cubana muito inteligente e carinhosa. Então, um assistente social os visitou e lhes contou sobre o processo de adoção. Eles pensaram que tinham pouco espaço em uma casa com apenas dois quartos, um para eles e outros para duas filhas mais novas que já haviam nascido. Posteriormente, eles se mudaram e mais duas filhas nasceram.

A assistente social americana olhou para o sofá da sala e disse que era perfeito para receber Alex. Seu marido tinha 24 anos e ela tinha 23 anos, então aceitaram o desafio de adotar uma criança. Acabou sendo uma experiência muito positiva.

O pai, Michael, enfatizou que estava motivado a tomar essa decisão pensando em como seria difícil para pais biológicos enviarem seus filhos para outro país. Alex rapidamente se tornou o homem que nunca nasceu e acabou por ser um membro muito necessário do lar.

Ambos reconhecem que Alex trouxe felicidade, ajudou no cuidado das bebês e os apoiou nos deveres da casa. Alex os ensinou a comer feijão, banana-da-terra frita em rodelas e outras receitas cubanas. Quando seus pais biológicos, Osvaldo e Victoria, chegaram aos Estados Unidos, moraram muito perto de sua casa, tornaram-se amigos e tiveram a oportunidade de continuar saboreando a comida cubana.

Agora, eles vieram pela primeira vez a Cuba porque queriam conhecer a Ilha que Alex lhes contou nas histórias da família. Eles queriam visitar o lugar onde ele nasceu e estudou. Eles ficaram surpresos com o contato com os cubanos. Ela é enfermeira, sua filha e neta também escolheram essa profissão e elogiaram o cuidado dado a mulheres grávidas na ilha caribenha.

Ele disse que admirava o sistema educacional cubano e ficou impressionado com os resultados positivos no processo de ensino-aprendizagem. Quando perguntados sobre uma segunda visita ao país, ambos, em coro, responderam afirmativamente.

O que foi a Operação Peter Pan?

• A Operação Peter Pan foi criada, no final de 1960, pelo governo dos Estados Unidos, como uma outra maneira de destruir a Revolução triunfante em 1959. Entre seus principais gerentes estavam James Baker e o padre Bryan O. Walsh. Talvez o nome de Peter Pan não tenha sido tão mal pensado, que obedeça à identificação de Miami na operação como a terra do Nunca Jamais.

• As operações desses senhores americanos permitiram a saída de mais de 14 mil crianças sem seus pais, entre dezembro de 1960 e outubro de 1962, através de uma lei falsa onde constava que o Governo Revolucionário seria o responsável pelo pátrio poder sobre os menores.

• Uma grande campanha da mídia, através de estações de rádio, especialmente Rádio Swan, emissora contrarrevolucionária dos serviços de inteligência dos EUA, que penetrou no espaço radiofônico de Cuba, espalhou a falsa notícia, que teria como alvo as mães, ao difundir, desde 26 de outubro de 1960, um apelo que as exortava a não deixar que lhes tirassem os filhos.

• Em Cuba, um agente cubano da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos (José Pujals Mederos) redigiu a falsa lei e a introduziu em nosso país, auxiliado pelo agente da CIA Ramón Grau Alsina, sobrinho do ex-presidente da república neocolonial, Ramón Grau San Martín. Esta equipe fez passaportes e vistos falsos, através do terrível Programa para Crianças Cubanas Refugiadas sem Acompanhantes, que serviu como um marco legal para a saída dos menores.

• A reunificação familiar foi uma longa espera para muitas das crianças, que sofreram traumas físicos e psicológicos e choraram em campos improvisados, com pouca atenção pedagógica. Os analistas apontam que a ideia dos pais não era exatamente de se encontrar com as crianças nos Estados Unidos, mas na Ilha, uma vez que o governo revolucionário fosse deposto.