ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A visita incluiu a creche de Cayo Ramona Photo: Estudios Revolución

CAYO RAMONA, Ciénaga de Zapata.— Todos o esperavam. Os moradores de Matanzas fizeram seus cálculos e estimaram que estava chegando. E assim foi.

Na madrugada da quarta-feira, 11 de julho, em outro dia extremamente quente do verão atual, o líder cubano Miguel Díaz-Canel iniciou uma visita de trabalho a Matanzas para ver de perto os acontecimentos da província e avaliar basicamente como o território supera os efeitos do furacão Irma e das chuvas associadas à tempestade subtropical Alberto.

O percurso começou em Ciénaga de Zapata, onde muito poucos estiveram alheios às recentes enchentes, que foram sentidas em todo o município e forçaram a evacuação de um terço da população.

Sem dúvida, um acontecimento transcendental na vida dos moradores de Ciénaga de Zapata, sem precedentes na região.

Díaz-Canel conversa com o povo de Cienaga de Zapata. Photo: Estudios Revolución

DIÁLOGO COM O POVO

«É verdade que isto aqui ficou alagado mais do esperado, como nunca antes, mas devemos aprender com a experiência, porque as chuvas intensas e persistentes, bem como os outros fenômenos naturais, podem se repetir».

Com esta reflexão sobre os episódios mais recentes que provocaram enchentes em várias partes do território, o presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, reforçou a ideia de que as alterações climáticas estão em curso e podem mudar a vida de muitas pessoas.

O presidente insistiu que este é um dos ensinamentos que esses eventos nos deixam e aos quais não podemos dar as costas, porque causam tanto ou mais sequelas do que os próprios furacões.

Por isso, sugeriu fazer um estudo rigoroso do assunto e que passe a fazer parte do plano de prevenção e redução de riscos de desastres.

«Aqui ainda pode ser vista a marca da água em vários pátios e portais, mas o mais visível é o valor do povo e que não há um único sinal de aflição», comentou Marisol Alonso González, presidenta do governo no município.

A funcionária deu inúmeros detalhes ao presidente e lhe informou que uma boa porcentagem das pessoas afetadas está recebendo ajuda, por exemplo, suprimentos e outros recursos materiais, com facilidades de pagamento.

«Eles nos trataram muito bem», disse Elizabeth Sigarrate, vizinha que foi evacuada para um local fora do município.

«As pessoas responderam ao nível esperado», disse Rey Aragón, presidente da zona de defesa.

Díaz-Canel visitou o posto médico de Cayo Ramona, uma extensão da policlínica localizada na sede municipal, em Playa Larga, que fornece serviços de emergência para mais de 2.200 moradores.

Pouco antes de entrar nas instalações, dois vizinhos do assentamento de El Helechal informaram-no de seu desacordo sobre o fato de que o serviço de ultrassonografia diagnóstica não é mais realizado no posto médico.

«Agora temos que ir até Playa Larga para fazer um ultrassom, e é uma distância muito longa», disse uma delas.

O presidente cubano fez um gesto de aprovação e com carinho explicou as razões pelas quais foi necessário concentrar os serviços de saúde no país.

Então, colocou a mão no ombro de uma das moradoras e lhe disse, para acalmar a preocupação: «De qualquer maneira, vamos rever isso».

Quando saiu para a rua, cercado de pessoas, perguntou: «Que outro problema vocês têm?»

«Tudo vai saindo pouco a pouco, presidente», disse alguém. «Melhoramos e continuaremos», reafirmou.

A empresa Agrícola Lenin é um dos principais polos produtivos da província. Photo: Estudios Revolución

SEMPRE HERÓICOS COMO EM GIRÓN

Um momento de especial interesse foi a visita ao Museu Giron, uma instituição que valoriza a história daqueles que, nos gloriosos dias de abril de 1961, defenderam a Pátria contra os mercenários.

Depois de visitar alguns de seus salões e apreciar o novo cenário museográfico, Díaz-Canel falou aos moradores reunidos na calçada oposta e resumiu o espírito apreciado até então nesse território do Sul.

«Sempre heróicos como em Girón», disse ele com o braço erguido.

A agenda incluiu, além disso, uma breve reunião na qual participaram Inés María Chapman, presidenta do Instituto Nacional dos Recursos Hidráulicos e vice-presidenta do Conselho de Estado, e Elba Rosa Pérez Montoya, ministra da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente (Citma), onde foram explicados os esforços em curso para evitar que as enchentes causem novamente tanto caos na área.

O presidente cubano visitou o posto médico de Cayo Ramona Photo: Estudios Revolución

O CITRINO VIVE

Acompanhada de Teresa Rojas Monzón, primeira secretária do Partido na província, e Tania León Silveira, presidenta da Assembleia Provincial do Poder Popular, Díaz-Canel constatou o programa que busca restaurar o esplendor dos laranjais em Matanzas.

Armando Perdomo García, diretor da empresa Victoria de Girón, referiu-se ao esforço de repovoar, anualmente, cerca de mil hectares, o que permitirá ter cerca de 18 mil em 2030.

Lembrou que o nascimento das frutas cítricas nessa região foi uma espécie de aventura produtiva e humana, já que a terra foi posta a produzir em uma área cheia de pedras, e reconheceu o papel de Fidel na criação e desenvolvimento deste plano.

O presidente cubano elogiou os resultados produtivos da entidade, uma empresa consolidada, disse, e sugeriu que a equipe de gerenciamento aproveitasse melhor o potencial da ciência, particularmente da informatização e automação. «Isso é desenvolvimento», significava.

O presidente também comentou sobre a importância do uso de embalagens de maior qualidade no processamento industrial e do aumento da produção para a exportação e o consumo nacional.

Por sua parte, Gustavo Rodríguez Rollero, ministro da Agricultura, informou que no próximo ano serão instaladas no Combinado Industrial duas novas linhas, uma delas para o processamento de batatas em diversos sortimentos, que darão mais vigor a este centro, muito conhecido pelo processamento de sucos concentrados, sucos simples e óleos essenciais.

Miguel Díaz-Canel também visitou as empresas Agropecuaria Lenin, um dos principais polos produtivos da província, e a Suchel-Jovel, ambas no município de Jovellanos, e teve uma reunião com representantes dos centros de formação do sistema de ensino.