ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O que foi feito no interesse da produção de arroz no município de Mayarí também foi encontrado em áreas do conselho popular Nipe-Ayúa. Photo: Estudio Revolución

HOLGUÍN.— O complexo ofício de dirigir as massas ganha valor quando a pessoa que o exerce assume como conceito o hábito de tomar o pulso às questões estratégicas, sem se desassociar da vida cotidiana de seus compatriotas.

E isso, que aprendeu com Fidel e Raúl, identificou a presença aqui, na quinta-feira, 2 de agosto, do presidente dos Conselhos de Estado e Ministros da República de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez.

Esta é sua primeira visita ao território como presidente da nação. Os moradores de Holguin tinham a certeza de que isso ocorreria e, nos dias e momentos anteriores, não podiam ignorar a atuação de Diaz-Canel como primeiro secretário do Comitê do Partido Provincial, entre 2003 e 2009.

Portanto, cada encontro e troca era um ato de simpatia e sinceridade entre os cubanos.

UM PROJETO PARA AMAR

Um projeto para se apaixonar, assim considerou o chefe de Estado cubano o emergente polo de turismo de Antilla, ao resumir a reunião de trabalho na qual foi analisado o progresso do programa construtivo que o torna uma realidade, no município de mesmo nome. Lá chegou de avião acompanhado por Ernesto Santiesteban Velázquez, primeiro secretário do Partido Comunista de Cuba na província de Holguín, bem como por outros líderes do território e do país.

Assim que chegou à base de apoio para as forças que realizam o trabalho, Díaz-Canel comentou a Freddy Blett Gómez, presidente do Conselho Popular nº 3 de Ramón de Antilla, as oportunidades de trabalho abertas na área, como resultado das ações em andamento.

«O que é feito aqui, disse, mudará a vida de muitas pessoas porque abrirá projetos de desenvolvimento pessoal e familiar». Ele teve o apoio da extensa informação fornecida pelos executivos encarregados do programa e outros funcionários com quem ele interagia constantemente.

Pavel Rodríguez Rodríguez, diretor do Centro de Estradas Provinciais, explicou que as obras em andamento fazem parte de um grupo maior que vai reparar mais de 700 quilômetros de estradas e caminhos, a serem melhorados em função do turismo na província.

Do que já foi feito, o gerente ressaltou a intervenção na rodovia Banes-Nipe, que já possui uma primeira etapa de pavimentação em 31 dos 35,6 quilômetros de extensão que possui. Ele também apontou a estrada Santa Lucia-Cortadera-Antilla, vital para futuras operações de turismo na área e a população que reside lá.

Na instalação de suínos da unidade de negócios base de Mario Martínez, a massa crescerá gradualmente para 2.000 cabeças por ciclo de cinco meses. Photo: Estudio Revolución

O presidente pediu para refletir sobre os efeitos da mudança climática e os eventos meteorológicos que produz, de maneira que sejam previstos os possíveis impactos na rede de estradas e caminhos. Assim, sugeriu a revisão dos projetos de esgotos e outras obras, para que estejam em condições de enfrentar períodos de chuvas fortes, como os recentes eventos no centro do país, disse, que confirmam que essas situações podem deixar mais danos do que os furacões.

Quando a questão do abastecimento de água ao pólo turístico foi abordada, o presidente disse que a solução não pode ser vista independentemente dos problemas históricos que a população de Antilla sofreu em termos de suprimento do líquido vital. Portanto, devem ser empreendidos todos os tipos de ações, incluindo a revisão e o uso de estudos realizados em outros momentos.

Entre as várias questões abordadas estavam a ressuscitação do porto de Antilla, «uma instalação que não deve ficar para trás nesses planos de desenvolvimento, porque é importante para o turismo e a economia em geral», disse Díaz-Canel.

Ao mesmo tempo, o presidente pediu a exploração do potencial cultural da região, e em particular de Antilla, matizada por tradições, histórias e lendas. Quanto a este último, destacou a necessidade de fazer avaliações objetivas e incluir as ações nos planos de desenvolvimento da província e do município.

A relação entre as obras e o meio ambiente também surgiu no intercâmbio. «Esta é uma área que deve ser desenvolvida de forma sustentável», disse. Anteriormente, ele havia comentado sobre a necessidade de não negligenciar o tratamento de resíduos em futuras instalações turísticas, para as quais, entre outras variantes, foi incluída uma usina moderna do tipo compacto.

MAYARÍ E SEU PROMISSOR DE DESENVOLVIMENTO

O presidente cubano passou de Antilla para o município de Mayarí. O que acontece neste último, disse, também influi no desenvolvimento promissor da província.

A primeira escala da viagem ocorreu no Conselho Popular de Guaro, em uma instalação suína da unidade de negócios de base Mario Martínez, pertencente à Empresa Agrícola Guatemala. As instalações foram recuperados no final do ano passado, quando receberam os primeiros 500 animais de engorda já comercializados. Eles explicaram ao presidente que a massa gradualmente aumentará até 2 mil porcos em cada ciclo de cinco meses, com a ideia de atingir cem quilos em cada porco, já que na primeira entrega a média foi de 90.

Em um diálogo com José Ruiz Gómez, um dos membros do estabelecimento, soube que os salários mensais são superiores a 2.000 pesos. Eles também confirmaram que têm boas condições de trabalho.

Também, o presidente verificou a produção de arroz em áreas da unidade básica de produção cooperativa (UBPC) Humberto Estupiñán, nas proximidades do assentamento de Manacal 2. Lá, teve uma conversa fluida com Domingo Colón Quiala, usufrutuário que explora seis hectares de terra. Domingo contou a Díaz-Canel que sua primeira colheita foi um desastre, perante o qual ele não desanimou, porque depois foram crescendo os rendimentos, os que chegaram a ser de quatro toneladas por hectare.

A conversa também abordou os problemas enfrentados pelos usufrutuários no atraso da preparação da terra, um serviço oferecido por entidades estatais. Também se falou de sementes de maior qualidade.

No final da conversa com Domingo Colón, a quem ele expressou a satisfação de conhecê-lo, Díaz-Canel parou na cidade citada e falou com várias pessoas. Acabou sendo uma breve reunião, mas muito calorosa.

O que foi feito no interesse da produção de arroz no município de Mayarí também foi verificado em áreas do conselho popular Nipe-Ayúa, na indústria de processamento de cereais que desde seu início em 2014 até 31 de julho beneficiou mais de 2.000 toneladas.

Díaz-Canel também visitou a cooperativa 40º aniversário da FMC, com 660 hectares em exploração. No sopé de uma máquina de irrigação de fabrico nacional, o presidente foi informado sobre os rendimentos por hectare, que no caso de batata-doce e banana-banana, respectivamente, totalizam 16 e 15 toneladas. Além disso, há aumentos na produção de leite. Assim, eles transformam sua própria situação econômica, o que lhes permite honrar as dívidas contraídas com o Banco.

LOCAL SAGRADO DA PATRIA

«Este é um local sagrado da Pátria», ratificou o presidente cubano diante dos trabalhadores do sítio Histórico de Birán, no município de Cueto, ao qual ele chegou para verificar o andamento das ações de restauração, vitais para a conservação das instalações.

O percurso incluiu o panteão da família Castro Ruz e a escola rural onde Fidel estudou, bem como a parte inferior de uma das casas, na qual se concentrava parte do grupo de trabalhadores.

Díaz-Canel aproveitou a oportunidade para explorar aspectos da vida na comunidade de Birán, incluindo a operação de instalações culturais e a escola, acompanhada de perguntas sobre o estado das estradas e do transporte.

Da mesma forma, mostrou interesse em opções de verão. «Aqui as pessoas têm a possibilidade de desfrutar de boas piscinas nos rios e outras gentilezas da natureza», disse a eles como um amigo próximo que conhece a área.

Ao final desta informação, Díaz-Canel continuou sua visita governamental ao território de Holguín, estando em locais como o complexo turístico do vale do Mayabe, perto da cidade, a policlínica Pedro del Toro, um centro de produção de materiais de construção e várias unidades de serviços recuperadas recentemente.