ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A Companhia vende 80% do combustível consumido pelo país, incluindo gasolina de aviação para todos os aeroportos. Photo: Estudio Revolución

MATANZAS.— O presidente dos Conselhos de Estado e Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, analisou nesta cidade, em 22 de agosto, o programa de reparação de tanques para armazenamento de combustíveis e sua comercialização, que ele descreveu como fundamental por causa de seu impacto na economia nacional.

«Este é um dos projetos prioritários, porque precisamos continuar aumentando essas capacidades como apoio para outros setores e para o desenvolvimento futuro do país», disse.

Na Empresa de Comercialização de Combustíveis, localizada na zona industrial da cidade, na costa norte da baía de Matanzas, o líder cubano recebeu informações detalhadas sobre o objetivo básico dessa entidade, responsável pela distribuição por dutos, oleodutos e gasodutos e transporte terrestre, os diferentes tipos de hidrocarbonetos, tanto para os clientes do território e para o resto da nação.

Lidia Rodríguez Suárez, a diretora, disse que a empresa comercializa 80% do combustível consumido pelo país, incluindo gasolina de aviação para todos os aeroportos. Ele também explicou que operam cinco docas, onde realizam importações, exportações e cabotagem doméstica.

Afirmou que nos últimos anos o volume comercializado de hidrocarbonetos apresenta níveis mais ou menos estáveis, exceto em 2017, período em que cresceram 34%, e no ano corrente, também com bons progressos.

Em uma estratégia para ganhar em expansão, a diretiva disse que atualmente a entidade possui 44 tanques, os maiores do país, e há uma pretensão de continuar se expandindo, com o uso de outros depósitos.

Nas docas de águas profundas, cuja construção data de 1990, ela disse que estão sobre estacas de aço, com revestimento anticorrosivo na zona da maré, e operam navios de 2.000 a 150.000 toneladas. E indicou que, em média, as docas permanecem ocupadas 52% do tempo total.

No relato detalhado, Rodríguez Suárez observou que a empresa também possui terminais de distribuição para entrega por via terrestre e ferroviária; base de navios superpetroleiros, de petróleo bruto e para fornecer a uma usina de gás liquefeito.

Na reunião, foi atualizado o comportamento dos principais indicadores econômicos da entidade, a maioria deles com resultados positivos. É impressionante, no entanto, a flutuação da força de trabalho, especialmente em posições-chaves.

Sobre o assunto, o presidente cubano afirmou que isso é em grande parte resultado da insatisfação dos trabalhadores, que se baseia em salários insuficientes, falhas na qualidade e variedade de alimentos e reclamações sobre os meios de trabalho.

Enfatizou a necessidade de rever essas questões, já que é uma tarefa difícil e muito exigente, e insistiu que, embora não seja possível resolvê-las com benefícios salariais, é necessário trabalhar no atendimento aos homens.

«Este é um programa estratégico e é necessário que os trabalhadores estejam cientes disso e sejam sensíveis a essa prioridade», disse Díaz-Canel, depois de insistir que deve ser feito o esforço necessário para lidar com essa força.

Quanto ao programa de reparo de tanques, sob a responsabilidade da Empresa de Manutenção de Petróleo (Empet) e com uma lacuna na execução do plano anual, Díaz-Canel enfatizou a importância de realizar os diagnósticos e o planejamento para evitar mais tarde maratonas, com seus consequentes efeitos prejudiciais.

O presidente também se referiu à necessidade de fortalecer o controle para eliminar o uso indevido e roubo de combustível. «Não podemos continuar admitindo que este recurso seja roubado, que desmoraliza e é sinal da incapacidade das entidades estatais. Segundo os cálculos, a situação ainda não foi revertida», disse.

No final da breve reunião, o presidente cubano, na companhia das autoridades do Partido e governamentais na província, bem como Raúl García Barreiro, ministro de Energia e Mineração, visitou dois tanques de 50.000 metros cúbicos de capacidade atualmente em reparo.

A visita incluiu o tempo indispensável para trocar com as pessoas e confirmar a impressão de que é um trabalho muito difícil. Sempre afetuoso, Miguel Díaz-Canel reconheceu a audácia dos operários e mostrou interesse pelas condições de trabalho e naquelas coisas, ainda que pequenas, que podem estar interferindo em seu melhor desempenho.