ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O projeto de Constituição esclarece que todas as pessoas são iguais perante a lei, estão sujeitas a deveres iguais e recebem a mesma proteção. Foto: Granma

A realização de 80 mil reuniões de consulta popular do Projeto de Constituição, com a assistência de mais de um milhão de cubanas e cubanos dentro e fora do país, revela o interesse em torno de seu conteúdo e a confiança de que os critérios expostos também contarão na redação final.

Respaldo tão categórico em exercício democrático e soberano reafirma, por sua vez, a definição fundamental concedida pelo primeiro-secretário do Comité Central do Partido, general-de-exército Raúl Castro Ruz, no ato central pelo 65º aniversário do ataque aos quartéis Moncada e Carlos Manuel de Céspedes:

«A Constituição da República é a lei fundamental em que se baseia o Estado e, portanto, é a base jurídica e política mais importante de qualquer país, já que define os fundamentos da nação, a estrutura dos poderes e seu alcance, bem como garante os direitos e deveres dos cidadãos».

Precisamente este último aspecto, como definido no Título IV: Deveres, direitos e garantias, está entre as que maiores expectativas suscitaram, porque, como expôs ao Granma Internacional a Doutora em Ciências Jurídicas, Martha Loyda Zaldívar Abad, o núcleo duro, o coração dos textos constitucionais, tem a ver com o catálogo de deveres, direitos e garantias.

«O fato é que o ─ refere a professora titular de Direito Constitucional e Teoria Geral do Estado da Faculdade de Direito da Universidade de Oriente ─ que sem tirar o mérito ao resto do conteúdo importante, os cidadãos gostam mais de ouvir naturalmente o respeito aos seus direitos e suas garantias, que a atenção aos seus deveres».

«Isso acontece em todo o mundo e, especialmente, em Cuba, onde a Revolução sempre respeitou os direitos, teve no seu centro a dignidade das pessoas e lhes deu garantias inimagináveis, portanto, dada a relação jurídica e política entre o cidadão cubano com o Estado, diga-se que a Constituição é o reflexo da sociedade».

Com base nisso, assim que a reunião do Órgão de Imigração e Estrangeiros, do Ministério do Interior, na província de Santiago de Cuba, abordou o título acima mencionado, a major Melba Luna argumentou perante o enunciado do artigo 40º. «Todas as pessoas são iguais perante a lei ...», que seu conteúdo na íntegra sustenta o postulado martiano «com todos e para o bem de todos».

«Estamos ─ acrescentou ─ de frente para uma mudança transcendental para a sociedade cubana, que não pode deixar pontas isoladas, e ao lado de considerar a proteção da família, a maternidade, a paternidade e o casamento, precisam-se responsabilidades e obrigações no comportamento, a educação das crianças e sua atenção aos pais».

Motivado por esse reclamo aos pais, o suboficial Ángel Luis Silva apontou que não foi educado por sua família, «não estive com ela na minha infância ou na juventude, mas hoje são dois idosos, estão comigo sem rancor algum, e todos os dias sinto a satisfação de ver quanto eles me valorizam».

Semelhante possibilidade de emitir seu critério teve Ariel Garcia, na fábrica de cerveja Hatuey, quando depois de elogiar as garantias de segurança jurídica que reserva o artigo 48º, sugeriu acrescentar no parágrafo 158 que esse direito à «assistência jurídica para exercer sua defesa» seja materializado a partir do momento da detenção da pessoa.

SENTIDO DE PROPRIEDADE

Sem dúvida, em todo o país bate com senso de propriedade este momento transcendental que decidiu reprojetar voluntariamente o povo cubano, esse cuja cultura lhe permitiu, em pouco mais de um mês de estudo e consulta sobre a futura Carta Magna, aprender mais em termos constituintes.

Portanto, na discussão sobre o amplo leque de direitos também estiveram a saúde pública, a educação, a obtenção de um emprego digno e a remuneração, a proteção de meninas, crianças e adolescentes, a vida em um ambiente saudável e equilibrado, e as opiniões divergentes sobre a concertação do casamento pela união voluntária de duas pessoas, citada no artigo 68º.

Além disso, grande atenção foi prestada à proteção adequada do trabalhador com deficiência, por sua idade, maternidade, paternidade, doença ou deficiência; à recebida pela família em caso de morte do trabalhador; à previdência social de pessoas sem recursos ou abrigo e ao direito à sucessão por causa de morte.

Assim, em intervenções oportunas, o capitão Marciano Galindo sugeriu que na sucessão da terra não seja limitado o direito do herdeiro aos 90 dias conferidos atualmente, e Gloria Sánchez referiu na ANAP provincial que a proteção aos filhos por morte do trabalhador fixada hoje até os 17 anos, seja alongada aos que estudam profissionalmente até sua formatura.

Na opinião da doutora Zaldívar Abad, esta identificação com o texto reflete a coerência e o alcance dos deveres, direitos e garantias que coleta, muito mais concentrados e igualmente importantes respeito à atual Constituição, que tem um capítulo VII chamado Direitos, deveres e garantias fundamentais e depois cita outros em outras partes.

No entanto, considera que por causa das contribuições provenientes do amplo debate democrático, o projeto poderá continuar se aperfeiçoando. «Digamos, por exemplo, através da incorporação de um capítulo chamado ‘Direitos coletivos ou direitos de solidariedade’ poderiam ser recolhidos alguns novos consignados e outros de nova contribuição.

«Em tal caso ─ precisou ─ poderiam ser agrupados o direito a viver em um ambiente saudável e equilibrado (Artigo 86º do Projeto); o direito à água (Artigo 87º do Projeto); os direitos dos consumidores (Artigo 89º do Projeto); o direito à paz (Artigo 43º do Projeto), e aqueles que poderiam ser recém-incorporados, se levarmos em conta a evolução, os interesses e necessidades da sociedade».

Essa realidade pode ser vista no próprio projeto, que inclui no Artigo 39º o princípio da progressividade e sem discriminação, e que fiel à história pátria, a determinação do povo de defender suas conquistas, fixa mais de uma vez no texto deveres e direitos que o dignificam.

Veja-se do mesmo preâmbulo a preocupação e importância de uma questão tão sensível como os direitos humanos, ao consagrar todos os cubanos no heroísmo a inspiração no heroísmo e patriotismo daqueles que lutaram por uma Pátria livre, independente, soberana, democrática e de justiça social

Também declara como decisão própria que a Carta Magna é precedida pelo profundo anseio martiano de que «... a primeira lei da nossa República seja o culto dos cubanos à dignidade plena do homem», e começa o primeiro artigo reafirmando que «Cuba é um Estado socialista de direito, democrático, independente e soberano, organizado com todos e para o bem de todos...».

Sem ter ainda atingido a metade do cronograma, assim já faz história este processo constitucional único, que não pode ignorar a relação estabelecida pelo Estado e as pessoas através de deveres e direitos, o vínculo jurídico e político que permite ao cidadão exigir que sejam reconhecidos, garantidos e protegidos seus direitos, o imperativo de cumprir os deveres com seus pares e com o Estado.

DO ARTICULADO:

Artigo 40º. Todas as pessoas são iguais perante a lei, estão sujeitas a deveres iguais, recebem a mesma proteção e tratamento por parte das autoridades e gozam dos mesmos direitos, liberdades e oportunidades, sem nenhuma discriminação por razões do sexo, gênero, orientação sexual, identidade de gênero, origem étnica, cor da pele, crença religiosa, deficiência, origem natural ou qualquer outra distinção lesiva à dignidade humana.

Artigo 91º. O exercício dos direitos e liberdades previstos nesta Constituição implica responsabilidades. São deveres dos cidadãos cubanos, além dos demais estabelecidos nesta Constituição e nas leis:

 - servir e defender a Pátria;
 - cumprir a Constituição e outras leis da nação;
 - contribuir para os gastos públicos da maneira estabelecida por lei;
 - prestar o devido respeito às autoridades e seus agentes;
 - prestar serviço militar e social de acordo com a lei;
 - respeitar os direitos dos outros e não abusar dos seus;
 - conservar e proteger os bens e recursos que o Estado e a sociedade colocam a serviço de todo o povo;
 - cumprir os requisitos estabelecidos para a proteção da saúde e da higiene ambiental;
 - proteger os recursos naturais e o patrimônio cultural e histórico do país e garantir a preservação de um meio ambiente saudável, e agir, em suas relações com as pessoas, de acordo com o princípio da solidariedade humana e respeito pelas regras de convivência social adequada.