ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Estudio Revolución

DADO o perigo que representam as chuvas associadas ao furacão Michael no oeste do país, na noite da segunda-feira, 8 de outubro, o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, juntamente com os vice-presidentes, ministros e outros líderes, estabeleceram uma comunicação através de uma videoconferência com as mais altas autoridades do Partido e do Governo das cinco províncias mais ameaçadas pelo evento climatológico, bem como por telefone com as da municipalidade especial Isla de la Juventud.

Durante o intercâmbio, soube-se que todas as províncias adotaram as medidas correspondentes à fase em que se encontram. Em geral, a população que vive em áreas propensas a enchentes e os recursos econômicos nelas existentes têm sido bem protegidos.

O general-de-divisão Ramón Pardo Guerra, chefe do Estado-Maior da Defesa Civil, fez uma atualização sobre o clima.

De Pinar del Río foi apontado que diante de possíveis enchentes, mais de 300 pessoas já haviam sido evacuadas, principalmente em casas de vizinhos ou familiares. Parte da província estava sem eletricidade e várias árvores caíram sobre as linhas elétricas, bem como se registraram alguns danos nos telhados das casas.

A maior atenção — enfatizou-se — foi colocada nos municípios de Sandino e San Juan y Martínez, bem como em algumas localidades no sul da província, onde estão localizadas as áreas mais vulneráveis ​​a inundações, devido às penetrações do mar.

No caso da Artemisa, foi especificado que até agora as chuvas não tinham sido significativas. Como explicado, os maiores incidentes estão previstos em relação aos geradores dependentes da economia, especialmente aqueles dedicados aos aquedutos, embora sejam adotadas medidas para minimizar os riscos. Particularmente nas áreas de Playa de Majana e nos povoados de Cajío e Guanimar, propensas a inundações costeiras, foi apontado que as pessoas já estão sendo evacuadas.

Em Havana, foi especificado que, a partir do final de semana, cerca de 71 mil metros cúbicos de resíduos sólidos foram coletados, principalmente em áreas de esgoto e drenagem; atenção especial foi dada às áreas de Malecon, Santa Fé, Centro Habana e Havana Velha. Da mesma forma, as brigadas de escoramento de edifícios foram reforçadas e as equipes responsáveis ​​por essa atividade estão totalmente ativadas.

A partir de Mayabeque, aprendeu-se que a província permanecia calma, onde 102 pequenas barragens estavam aliviadas, mas nenhuma delas representava perigo para a população a jusante delas.

De Matanzas foi relatado que os reservatórios estavam com 65% de enchimento. Também foi explicado que estão bem definidas as ações no caso da evacuação de mais de 17.000 turistas hospedados nos centros turísticos.

Em uma conversa telefônica com as principais autoridades da municipalidade especial Isla de la Juventud, soube-se que o vento começou a desacelerar e que a situação estava sob controle. O maior impacto foi registrado em 16 residências.

Alejandro Gil Fernández, ministro da Economia e Planejamento, disse que os recursos básicos estão disponíveis para responder a possíveis danos às moradias. No caso do combustível, disse, não deve haver dificuldades para a distribuição planejada em caso de situações excepcionais. Da mesma forma, a disponibilidade de farinha é monitorada, basicamente para produção de pão.

O presidente do Instituto dos Recursos Hidráulicos, Antonio Rodríguez Rodríguez, disse que das 85 represas contabilizadas, em geral, apenas 37 estão vazando, embora as outras sejam monitoradas constantemente.

Manter toda a vigilância necessária e cumprir as medidas estabelecidas, assim conclamou o presidente dos Conselhos de Estado e Ministros, Miguel Diaz-Canel Bermúdez.

«Ninguém pode ficar confiante» — insistiu — "Michael é um furacão que foi ganhando força nas últimas horas e em alguns lugares temos saturação do lençol freático».