ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O presidente cubano percorreu áreas do hotel em construção Pilar I, em Cayo Guillermo. Photo: Estudio Revolución

CIEGO DE AVILA.— O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, realizou um amplo percurso pelas áreas de desenvolvimento turístico do destino Jardines del Rey, a Empresa Genética de Turiguanó, a unidade de negócios de base (UEB) dedicada ao processamento de frutas pertencentes à Empresa Agroindustrial Ceballos e a empresa agrícola Cubasoy, onde trocou com um grande segmento de trabalhadores.

Em Cayo Coco, Díaz-Canel recebeu uma explicação detalhada de Sergio Ramón Ricaño Pérez, representante do governo para as ilhotas de Villa Clara, Ciego de Ávila e Camagüey, sobre o programa de desenvolvimento das três províncias onde, de acordo com o plano de uso da terra, já foram aprovados 69.926 quartos, dos quais 18.662 estão abertos ao turismo internacional e nacional.

Ricaño anunciou que no caso de Cayo Santa María, ao norte de Villa Clara, o programa de construção de cômodos «está chegando ao fim», sendo que de uma capacidade de 13.084 quartos em suas áreas, 10.572 estão em operações.

Diante do interesse do presidente na preparação para a alta temporada, marcada para começar em 15 de novembro, Iyolexis Correa Lorenzo, delegada do setor em Ciego de Ávila, explicou-lhe que estão trabalhando no acabamento de cerca de 900 quartos, trocam com os principais fornecedores de produtos para o destino, qualificam os trabalhadores para melhorar a qualidade do serviço e consolidam um processo de investimentos que permita a conclusão das obras no tempo.

Depois do preâmbulo, Díaz-Canel e a delegação, também integrada por Félix Duarte Ortega, membro do Comité Central e secretário do Partido na província, e vários ministros e vice-ministros, foram a Cayo Guillermo e visitaram o hotel Pilar I (245 quartos e categoria cinco estrelas mais), em fase final de construção e com previsão de término em novembro deste ano.

O itinerário incluiu a empresa Genetica Turiguanó, onde existe a maior manada de gado Santa Gertrudis do país e a segunda maior da América Latina, que foi afetada pelos ventos de Irma, enquanto o turbilhão do ciclone e suas rajadas máximas cruzaram por áreas da entidade, imbuído de um extenso programa de recuperação em todos os sentidos para garantir a melhoria do gado dessa raça, a obtenção de garanhões puros e a produção de carne, destinada fundamentalmente à substituição de importações, sendo comercializado em diversas instalações turísticas do país.

A visita continuou às linhas de beneficiamento de frutas da Empresa Agroindustrial Ceballos, elogiada pelo líder em maio deste ano, quando destacou o trabalho da entidade no fechamento do ciclo produtivo do campo para a indústria.

Rodolfo Morales Pérez, diretor da UEB, informou sobre o processo de investimento iniciado em 2000, que inicialmente visava aumentar as capacidades de recepção, produção de mosto e sucos, evaporação, envase asséptico, embalagem de sucos naturais e purê de frutas tropicais.

A todas essas melhorias soma-se o aumento de linhas que produzem compotas e conserva de tomate, com mais eficiência e maiores volumes de frutas em menor tempo, o que garante a industrialização dos frutos obtidos em decorrência do crescimento agrícola no território.

Catalogado por especialistas como um dos processos de investimento mais organizados no setor agrícola na província, o desenvolvimento industrial também inclui a aquisição de tecnologias que permitam o aumento da produção mais limpa, a fim de alcançar um uso racional e eficiente dos combustíveis.

O presidente também chegou à Empresa Agrícola Cubasoy, uma das maiores do país, com um patrimônio de mais de 15 mil hectares e de relevante importância na cultura de milho, feijão e soja, e diante dessa realidade fez um apelo para diversificar a produção.

Na Empresa Agrícola La Cuba, ele instou seus gerentes a prepararem um projeto para buscar imediatamente mercados para iniciar a exportação, cobertos pelo acordo 352/2017 do Ministério do Comércio Exterior e Investimento Estrangeiro. «Esta é a imagem do desenvolvimento que queremos na agricultura», disse, visivelmente satisfeito com os esforços dos trabalhadores e administradores desse empório produtivo.

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros retornou a Ciego de Ávila apenas dois meses depois de uma viagem de trabalho realizada às áreas do Plano Turquino-Bamburanao, no município de Florencia, onde avaliou os danos causados ​​pela tempestade subtropical Alberto.

POUCO MAIS DE DOIS MESES DEPOIS

- Em 31 de julho deste ano, o presidente dos Conselhos de Estado e Ministros de Cuba, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, esteve no município de Florencia, em Ciego de Ávila, para intercambiar com os moradores da região, afetados em maio passado pela tempestade subtropical Alberto.

- Na ocasião, visitou a ponte Lowrey, muito afetada pela força da água.

- Na derivada do Rio Jatibonico do Norte, que tributa água ao conjunto hidrológico Liberación de Florencia, interessou-se pela operação desse empreendimento.

- Encosta acima, em trânsito para a comunidade Lowrey, onde o rio Jatibonico do Norte deixou seu leito e subiu até a altura dos postes das linhas elétricas, parou em Abras Grandes, local de beneficiamento de fumo, pertencente à Unidade de Negócios da Base de benefício do fumo em Florencia.

- Depois de percorrer uma estreita estrada de montanha, completamente reparada, Díaz-Canel fez uma parada em Boquerones, onde em 5 e 6 de outubro de 1958, o Comandante Camilo Cienfuegos acampou antes da batalha de Yaguajay, em dezembro de 1958.

- Ao retornar da viagem, visitou a fábrica de conservas em Majagua e retornou ao intercâmbio com o povo florentino, que ele descreveu como nobre, educado, trabalhador e muito disciplinado.

- No final da viagem de Florencia, o presidente cubano presidiu uma reunião com o Grupo de Trabalho Temporário para recuperar os efeitos do furacão Irma e da tempestade subtropical Alberto.