ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O bloqueio causou danos quantificáveis a Cuba superiores a US$ 134,4 bilhoes (134.499.000.000), aos preços correntes. Photo: Prensa Latina

EM sua conta no Twitter, o presidente cubano, Miguel Diaz-Canel Bermúdez, exigiu na terça-feira, 23 de outubro, o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro que, há quase 60 anos, o governo dos Estados Unidos mantém contra a Ilha.

«Continuaremos exigindo, sem descanso, o fim do cruel bloqueio econômico, comercial e financeiro contra a #Cuba e a compensação justa ao nosso povo pelos danos econômicos e materiais causados em tantos anos de agressão. # NoMoreBlock #UnblockCuba #SomosCuba», escreveu em sua conta no Twitter @DiazCanelB.

O povo cubano já viu isso, Diaz-Canel, nosso presidente, se sente próximo, acessível, é precisamente o povo. Por vários dias, também o seguimos por essa rede social.

«O bloqueio é o principal obstáculo para o desenvolvimento do nosso país», disse o presidente há vários dias, que abriu sua conta em 10 de outubro, um dia especial para a Pátria.

Mas o presidente não só usou as redes sociais para exigir o fim desta política unilateral e injusta, ele o faz de todas as plataformas, das ruas, com o povo, nas Nações Unidas na frente do mundo e ele fez isso para a opinião pública mundial, quando algumas semanas atrás fui entrevistado pela Telesur.

«Nossos filhos, nossos netos são gerações que nasceram em condições de bloqueio, que implicam condições de resistência (...) Acredito que há também um reconhecimento do heroísmo de como um povo pequeno, bloqueado não por ninguém, bloqueado pela nação mais poderosa do planeta, tem sido capaz de resistir e tem sido capaz de construir sua própria plataforma emancipatória, que exalta muito, e acredito que nisso há uma expressão não só de resistência, mas de vitória», disse Diaz-Canel.

Cuba tem uma tradição extraordinária de comunicação política que transcende o uso tradicional de jornais, rádio ou televisão. Agora, a partir desta rede social, a figura máxima do governo na Ilha é a denúncia de seu povo contra essa política hostil.

A presença do presidente cubano na Internet também servirá para fortalecer os laços com as comunidades cubanas no exterior e os amigos da solidariedade, que poderão ver em primeira mão nossas lutas.

A voz, ou neste caso os tweets, do presidente cubano, representa os milhões de cubanos — quase 6 milhões que estão na rede de redes e também aqueles que ainda não têm acesso a ela — que são, sem dúvida, os mais afetados pelo bloqueio.

O relatório que Cuba produz anualmente sobre os prejuízos dessa política norte-americana calcula em US$ 933,6 bilhões (933.678.000.000) as perdas ao longo de 60 anos. A preços correntes, o bloqueio causou danos quantificáveis a Cuba, que excedem os US$ 134,4 bilhões (134.499.000.000).

Em 31 de outubro, a Assembleia Geral da ONU votará pelo vigésimo sétimo ano consecutivo um projeto de resolução pedindo o fim do cerco dos EUA contra Cuba.