ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Martirena

O povo de Cuba viveu, por mais de meio século, sob o signo do bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos a Cuba e, em geral, é marcado por essa punição, como se fosse seu «pecado natural». Do mais antigo ao mais jovem, toda a população sofreu suas consequências. Todo mundo já ouviu falar do bloqueio desde a infância; muitos sentiram seus efeitos em sua própria carne, muitos outros não o percebem diretamente, embora os afete, mas talvez vivam submersos no hábito de coexistência com uma medida tão cruel, e sigam em frente, porque, como se disse: o bloqueio não é o suficiente para render-nos (embora esse fosse e ainda seja seu objetivo) e embora todos concordem que é um ato injusto, nem todos sabem que também é um ato ilegal, um crime internacional.

A primeira prova de querer esconder a verdade é o próprio nome de embargo, como tenta chamá-lo o governo dos EUA. Assim, sob a vestimenta de normas legais (ainda que de duvidosa legalidade) e sob o nome de uso judicial frequente de embargo, vem sendo realizado, há quase 60 anos, um ato criminoso contra um Estado soberano, que danifica e prejudica todo o povo de Cuba. E nós dizemos criminoso, porque o crime é injusto, desumano e ilegal. Neste último aspecto é necessário insistir.

A justificativa é infundada, supostamente a nacionalização das propriedades das empresas norte-americanas em Cuba pelo Governo Revolucionário, no início dos anos 60. Foram atos de reivindicação do Estado cubano, com base na Lei Fundamental da República, de 1959, que neste aspecto continha o mesmo regulamento que a Constituição de 1940. Em nível internacional, as Nações Unidas, através da Resolução nº 1803, da Assembleia Geral da ONU, de 14 de dezembro de 1962, intitulada Soberania Permanente sobre os recursos naturais, conferiram apoio absoluto a este tipo de ações dos Estados, como um ato de soberania sobre seus recursos e riquezas, por razões de utilidade pública ou interesse social.

Sobre a instrumentação legal do bloqueio, deve-se dizer que constitui uma complexa e copiosa madeixa de disposições de ilegalidade interna duvidosa e totalmente ilegal sob o direito internacional, são normas de coerção econômica; isto é, medidas políticas sob uma declaração normativa.

Em outras palavras: é um ato de força sob o disfarce de lei. Constitui um ato que procura justificar retalhações e desejo de dominação e, porque não, talvez também neste momento, de grande frustração, por não terem conseguido render o povo e derrubar a Revolução.

O direito internacional não permite o bloqueio como autodefesa, isto é, como uma ação supostamente defensiva de um Estado no caso de um ato prejudicial aos seus interesses, exceto no caso de uma agressão armada que permita autodefesa. Cuba não atacou os EUA. As nacionalizações foram um processo de reivindicação de bens e recursos necessários para o desenvolvimento do país e perante o boicote imposto pelo governo dos EUA depois da primeira medida revolucionária em relação à propriedade: a Lei da Reforma Agrária.

Pode-se rever muitos dos ramos da lei para perceber facilmente que o bloqueio não se encaixa em nenhum caso legal válido. No direito internacional público, além da violação da Carta da ONU, o bloqueio viola quase todos os princípios do direito internacional público, bem como os direitos dos Estados. É o suficiente para salientar:

- A igualdade soberana, que consiste no poder de um Estado expresso através do direito de decidir livremente seus assuntos internos e externos sem infringir os direitos de outros Estados ou o direito internacional.

- O princípio de que os Estados em suas relações internacionais devem abster-se de recorrer à ameaça ou ao uso da força contra a integridade territorial ou a independência política de qualquer Estado ou de qualquer outra forma incompatível com os propósitos das Nações Unidas.

- O princípio de que os Estados devem resolver suas controvérsias internacionais por meios pacíficos, de tal maneira que nem a paz e a segurança internacional nem a justiça sejam ameaçadas.

- A obrigação de não intervir em assuntos que estão dentro da jurisdição interna dos Estados, de acordo com a Carta.

Do ponto de vista do direito internacional privado (algo como a aplicação da Lei no espaço), a extraterritorialidade exorbitante das regras do bloqueio as torna totalmente ilegais. Nenhum Estado tem poder legislativo para emitir normas que governem além de seu território, exceto as de natureza pessoal, relativas aos direitos e deveres de seus nacionais.

Do ponto de vista do direito comercial internacional, o bloqueio viola as regras da OMC, os acordos do GATT, o Direito do Mar e qualquer número de regras e princípios sobre contratos internacionais.

Do ponto de vista da lei interna dos EUA a madeixa de regulações que implementam o bloqueio recebe forma jurídica, mas seu conteúdo não concorda com a norma de cultura da nação, com os fundamentos constitucionais, com as bases legais da nação. Assim, são arbitrariamente impostas normas rígidas que não se baseiam no valor da «justiça», e ao mesmo tempo não concordam com o valor «lei» quando violam preceitos constitucionais, mutilam os direitos individuais de seus próprios cidadãos (que não podem visitar Cuba livremente), proibir estrangeiros, naturais ou legais, de manter livremente relações comerciais com um terceiro país (Cuba), inventar emendas para aplicar retroativamente a casos já decididos pela mais alta autoridade judicial do país, violar o princípio da autoridade e revisão judicial imposto por um dos precedentes judiciais históricos, de um dos tribunais de maior prestígio de sua própria história judicial (a do famoso juiz John Marshall) e arruinar a interpretação válida do pensamento dos chamados Pais fundadores da nação e do Estado, permitindo concentrar no Executivo as questões e competências do Legislativo, como a regulação do comércio exterior e atribuindo poderes excessivos ao Presidente.

E finalmente (por razões de espaço, porque há muito mais), do ponto de vista do direito penal internacional, o bloqueio é um crime contra a humanidade, porque segundo o Estatuto da Corte Internacional de Justiça, os crimes contra a humanidade são todos crimes contra a humanidade, como atos cometidos como parte de um ataque generalizado ou sistemático contra uma população civil. A natureza sistemática do bloqueio contra Cuba, que causa grandes danos e afetações à população cubana, torna-o um crime massivo, conferindo-lhe o caráter de um crime contra a humanidade.

A consequência legal de tudo o que precede é a responsabilidade internacional: EUA deverá responder um dia pelo bloqueio contra Cuba, é a regra da responsabilidade internacional dos Estados. Portanto, na falta de um meio efetivo para forçar os Estados a cumprir o direito internacional e a Carta da ONU, ele recebe a rejeição universal da comunidade jurídica internacional, como nunca antes recebeu nenhum país, expressamente declarado na votação repetida na Assembleia Geral da ONU.

Há dois requisitos legais para ser um membro da ONU: ser um Estado amante da Paz e cumprir as obrigações da Carta. Com o bloqueio a Cuba os EUA mostram ser um Estado amante da paz e cumprir a Carta? A resposta é um ressonante não.

Por esta razão, pode-se afirmar, categoricamente, em qualquer fórum ou local, que o bloqueio não é apenas um ato injusto, mas também é absolutamente ilegal.