ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Renato Cuba Montaño, ativista do movimento de solidariedade com Cuba na Bolívia. Foto: (cortesía ICAP), Karoly Emerson

O boliviano Renato Cuba Montaño, se declara um defensor na primeira linha da Revolução Cubana e com suas ações têm sido consequente, porque acumula trabalho de solidariedade ininterrupto no âmbito político, social e familiar.

Renato é membro do Movimento Boliviano de Solidariedade com Cuba, há várias décadas, e é secretário de organização no departamento de Cochabamba, onde reside e trabalha como técnico de eletricidade na Companhia de Distribuição de Energia Elétrica.

«Nossa organização se dedica a divulgar a realidade cubana e desmentir as campanhas de mídia que distorcem. Nós nos concentramos em exigir a cessação do bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos; e pedimos o fim da ocupação ilegal do território de Guantánamo, onde existe uma base militar dos EUA. Também exigimos o respeito pela soberania nacional cubana por parte dos países imperialistas e principalmente pelo governo da Casa Branca».

«Estamos felizes em celebrar as efemérides cubanas para divulgar o trabalho de solidariedade aos bolivianos. Celebramos as datas de 26 de julho e 1º de janeiro, como datas simbólicas para os cubanos e que devem ser a referência para a luta travada na América Latina contra o poder imperial norte-americano. Nós enfatizamos a liderança de Fidel para levar seu povo a alcançar a verdadeira independência. Cuba é a luz que brilha para nós e todos os povos precisamos dela».

Que ações você realizou nos últimos anos?

«Ao saber da morte de Fidel, instalamos uma capela, na sede da Brigada Médica Cubana em Cochabamba, para que todo boliviano expressasse sua dor por essa perda para a humanidade. Em seguida, colocamo-la na praça principal ao lado de uma exposição fotográfica lembrando a vida do líder histórico da Revolução. O povo boliviano está convencido da imortalidade de Fidel, sabe que as ideias do Comandante, suas ações em favor dos povos latino-americanos e seu exemplo permanecem no imaginário social».

«Da mesma forma, destacamos o 50º aniversário do assassinato de Che Guevara na Bolívia e de seus companheiros. Fizemos uma grande comemoração na cidade de La Higuera, onde denunciamos a interferência do governo dos Estados Unidos, através da Agência Central de Inteligência para matar o companheiro Ernesto Che Guevara. Nosso movimento testemunhou o tributo espontâneo feito aos internacionalistas que ofereceram suas vidas na Bolívia».

Diplomados bolivianos recebem seus diplomas da Escola Latino-Americana de Medicina de Cuba. Foto: www.sobretodosalud.com

«Homenagens semelhantes foram feitas quando Fidel completou 90 anos, em agosto de 2016, e para celebrar o nascimento de Che Guevara, em junho de 2017».

Que apoio deram às brigadas médicas cubanas?

«O presidente Evo Morales promoveu o envio de um contingente de jovens bolivianos para serem formados como médicos em Cuba, tanto para a Escola Latino-Americana de Medicina, como para um acordo patrocinado pela Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa Américas (ALBA). Hoje, mais de 10 mil bolivianos se formaram em especialidades médicas desde o final da década de 1990. A maioria desses estudantes retornou ao país e trabalhou em comunidades distantes dos polos urbanos e de difícil acesso. Eles são treinados sob o princípio do humanismo e seu trabalho foi destacado pela população».

«Eu me lembro quando a brigada médica cubana chegou à Bolívia e mesmo em muitos lugares as condições certas para recebê-las não tinham sido criadas. Portanto, nosso movimento recebeu a tarefa de encontrar casas bolivianas onde um consultório médico pudesse ser instalado. Insistimos em proporcionar melhores condições de vida aos cubanos. Graças a isso, foi criada uma rede de postos de saúde em todo o território boliviano, que, na época, uma grande parte deles é atendida por jovens bolivianos formados em Cuba».

«No momento, uma grande parte da brigada se desempenha em centros de atendimento de segundo nível, em vilas e cidades. Desde o início da colaboração médica, os profissionais cubanos cobriram lugares onde os médicos bolivianos não trabalhavam. Agora esses escritórios são frequentados por jovens treinados em Cuba. O Programa Abrangente de Saúde continua, o que reduziu as mortes maternas e infantis, além de proporcionar melhor qualidade de vida para nossos povos».

«Oferecemos a eles todo tipo de afeto para que não sintam a ausência de seus parentes queridos. Nós os convidamos para nossas casas e tentamos torná-los conscientes das tradições e da cultura. Nos lugares remotos, conseguimos suprimentos para fazê-los sentir-se em um ambiente hospitaleiro».

Por que seu amor por Cuba e pela Revolução?

Trabalho de médicos cubanos na Bolívia. Foto: Yordanis Rodríguez Laurencio

«O amor, carinho e apreço por Cuba se consolida quando meu irmão morreu na guerrilha comandada por Che Guevara na Bolívia. A atitude do meu irmão criou uma consciência familiar acerca da necessidade de um futuro melhor para o país. Por causa das façanhas narradas pelos sobreviventes, isso despertou meu interesse em conhecer Cuba e me tornar mais um cubano».

«Eu nunca parei de ler a história de Cuba e me tornei um defensor da Revolução Cubana. Eu sempre militei em organizações com uma verdadeira ideologia de defesa do povo boliviano contra a burguesia nacional e o imperialismo. Em minhas ações sempre defendi as conquistas da Revolução Cubana como referência para continuar lutando no continente, até alcançar a verdadeira soberania nacional».

Como seu irmão se envolveu na guerrilha boliviana comandada por Che?

«Meu irmão Willy (Simeón Cuba Sanabria) nasceu em Cochabamba (1935), na cidade de Itapaya, um lugar onde predominava o trabalho agrícola e, portanto, a miséria. Meu pai trabalhava na mina e meu irmão, quando terminou o ensino fundamental, foi com ele, a fim de buscar melhor remuneração econômica para ajudar a família».

«Ele tentou se preparar no ofício da serralharia e lá conheceu Moisés Guevara Rodríguez (1937-1967), outro integrante da guerrilha, que lhe falou sobre a necessidade da mudança social. Depois, travou amizade com vários líderes sindicais da mineração e membros do Partido Comunista, e integrou-se às organizações que se propuseram tomar o poder político pela via das armas».

«Eu era criança e na minha casa se falou sobre a atividade de Willy após a sua morte. Procuramo-lo por muito tempo porque não sabíamos se estava vivo ou morto. Foi um estágio difícil e complicado. Meu pai foi preso várias vezes, quando veio a público a atividade de meu irmão. Portanto, toda a família foi monitorada de perto pelos serviços de inteligência do governo ".

Quando você sabe sobre a Revolução Cubana?

«Quando estudava no ensino médio. Houve conversas com outros adolescentes em torno das informações recebidas de Cuba. Além disso, procuramos nos informar também sobre os fronts das guerrilhas no continente. Ouvimos sobre os guerrilheiros em El Salvador e na Nicarágua».

Que mensagem você daria aos latino-americanos?

«A mensagem é continuar apoiando e aprofundando a construção deste grande projeto social que é a Revolução Cubana. Devemos seguir o caminho estabelecido pelos heróis e apoiar este novo governo liderado pelo companheiro Miguel Díaz-Canel Bermúdez».