ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Estudio Revolución

(Tradução da versão estenográfica - Conselho de Estado)

Querido general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comitê Central do Partido;

Companheiros Machado e Lazo;

Deputadas e deputados;

Compatriotas:

Nossas primeiras palavras, no Dia do Educador, são para felicitar e reconhecer os professores cubanos, que nos dedicam, mais do que suas horas, o sentido de suas vidas.

O ano 2018 quase termina e nos encontramos novamente para o tradicional abraço e a avaliação de um período crucial na história da Revolução Cubana.

O ano ao que hoje dizemos adeus permanecerá em nossa memória nacional como o ano em que uma nova geração, paulatina e gradualmente, em clara expressão de continuidade, passou a assumir as principais tarefas de gestão, com a sorte de manter a orientação da Geração Histórica, em particular, o general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Partido Comunista de Cuba.

Durante os meses decorridos desde as sessões da Assembleia, em abril, contamos com esse guia diante dos desafios mais difíceis e inesperados e encontramos em sua confiança e na liderança coletiva os recursos fundamentais para chegar aqui hoje para prestar contas, comprometidos com a solução dos problemas que mais preocupam o povo, que são os que absorvem cada minuto de nossos dias e cada partícula de nossas energias.

Fazendo um balanço dos esforços e resultados, devo falar, em primeiro lugar, da profunda satisfação que nos deixa a discussão popular da nova Constituição que hoje foi aprovada.

Com esse debate, não apenas enriquecemos nossa cultura política, o sentimento de pertencer a uma nação e o futuro do país. Chegamos mais perto das preocupações e demandas de nosso povo, um objetivo fundamental da Revolução do qual nossos opositores sempre tentaram nos distrair, com a intenção de fraturar e dividir a sociedade cubana, conscientes de que a unidade é sua maior fortaleza.

Eu gostaria de dizer que foi um ano de impulso para o governo eletrônico e uma maior eficiência na gestão econômica, mas é apenas o primeiro passo em uma tarefa de demandas infinitas, que em 2019 devem começar a dar seus primeiros frutos.

E é preciso dizer que nós também tivemos testes realmente duros, como as enchentes que devastaram as províncias centrais e a queda de um avião que deixou um doloroso número de 112 mortes e uma única sobrevivente, que nos últimos dias enviou uma bela mensagem de agradecimento a seus compatriotas e especialmente à equipe médica que a manteve viva.

Depois da triste tarefa de relembrar as piores notícias deste ano para Cuba, retorno as mais estimulantes.

Esta sessão da Assembleia Nacional conclui com uma decisão transcendente para a vida da nação: a aprovação da nova Constituição da República que em fevereiro será submetida ao referendo.

Chegamos a ela depois de um extenso processo de consulta popular em que cidadãos, residentes dentro ou fora do país, tiveram a oportunidade de expressar livremente suas considerações sobre o conteúdo do projeto, que incluiu, entre outros aspectos relevantes, os fundamentos políticos e econômicos, os direitos e deveres e a estrutura do Estado.

Todas e cada uma das intervenções foram devidamente avaliadas e originaram mudanças em cerca de 60% dos artigos do Projeto, o que permitiu enriquecer seu conteúdo.

A análise popular mostrou a vontade de melhorar a Constituição, mas foi muito mais longe porque forneceu elementos importantes a serem levados em conta no amplo exercício legislativo que devemos empreender, para apoiar com as leis necessárias o cumprimento dos preceitos constitucionais.

A ocasião é propícia para, em nome da Assembleia Nacional, felicitar aqueles que participaram na garantia e organização do processo de consulta popular, incluindo os duetos que conduziram as mais de 133 mil assembleias realizadas em todo o país, os funcionários responsáveis ​​pela coleta e análise das abordagens; ao Centro de Estudos Sociopolíticos do Comité Central do Partido e, em particular, à Comissão encarregada de elaborar o projeto da Constituição e, que como foi aqui corretamente expresso, ao seu presidente, o general-de-exército Raul Castro Ruz (Aplausos).

A Lei Fundamental que acabamos de aprovar reafirma o curso socialista da Revolução e nos permite canalizar o trabalho do Estado, do Governo, das organizações e de todo o povo no aperfeiçoamento contínuo da sociedade; reforça a institucionalidade; estabelece a prevalência da Constituição em nosso desempenho com maior inclusão, justiça e igualdade social e um reforço do empoderamento do povo no governo da nação.

Este processo, que continua com a celebração do referendo, em 24 de fevereiro do ano seguinte, é uma demonstração genuína e excepcional do exercício do poder pelo povo e, portanto, do marcado caráter participativo e democrático de nosso sistema político.

Ao contrário do exposto pelos inimigos da Revolução, Cuba mostrou mais uma vez que as decisões fundamentais e o consenso sobre as questões que definem a vida da nação são construídas com a contribuição decisiva de todos. Devemos dizer aos nossos detratores que se arrisquem a fazer em seus países um processo com características semelhantes àquelas que estamos desenvolvendo.

Em uma data tão íntima quanto o dia 24 de fevereiro, 124 anos depois da retomada da luta pela independência liderada pelo Herói Nacional José Martí, os cubanos da atualidade, fiéis às tradições de lutas, iremos às urnas para aprovar a Constituição, como uma expressão de firmeza, lealdade ao legado do Comandante-em-chefe da Revolução Cubana, o companheiro Fidel Castro, e diremos com o nosso voto: Sim à Revolução, à soberania e independência da pátria, à unidade. Sim ao socialismo e ao compromisso com os heróis e mártires em mais de 150 anos de luta pela liberdade.

Queridas companheiras e companheiros:

O debate nas dez comissões de trabalho desta Assembleia foi intenso e frutífero. Além do texto constitucional, discutimos duas questões prioritárias em plenário: cumprimento do plano e o Orçamento deste ano e suas propostas para 2019.

Com um crescimento discreto do Produto Interno Bruto de 1,2% — que ainda que limitado não deixa de ser animador, em meio a tantos fatores adversos — o comportamento da economia fecha em sinal positivo.

Para que não seja subestimado, gostaria de me referir a algumas decisões favorecidas por este crescimento discreto, mas real:

Em novembro deste ano, foi efetivado o aumento das aposentadorias mínimas dos aposentados, passando de 200 para 242 pesos para quase 300 mil pessoas.

Além disso, todos os benefícios monetários recebidos através da assistência social foram aumentados em 70 pesos, beneficiando 99 mil famílias.

Estes aumentos, que têm um custo anual para o Orçamento do Estado de 224 milhões de pesos, destinam-se a melhorar modestamente o rendimento das pessoas e famílias com menor poder de compra e são um avanço parcial das medidas que serão adotadas para ordenar a situação de salários, pensões, benefícios sociais, subsídios e gratificações.

Um dos setores que mais contribui é o das comunicações, graças ao crescimento da conectividade e do acesso à Internet nas entidades estatais, bem como nos serviços demandados pela população, com o aumento de 700 mil linhas móveis, para um total de 5,3 milhões (5.300.000) em serviço.

Os pontos de acesso público via Wi-Fi também crescem em mais de 300 e os lares conectados à Internet já somam 60 mil.

As maiores afetações no Produto Interno Bruto foram concentradas na indústria açucareira e, mais modestamente, no setor agrícola e pecuário. No entanto, é justo destacar o aumento da produção de arroz e feijão, o que nos permite substituir as importações.

Apesar do impacto do furacão Irma, que afetou gravemente a comercialização do destino de Cuba, na temporada alta 2017-2018, e as medidas adotadas pelo governo dos EUA para dificultar as viagens ao nosso país, o turismo terminará este ano com crescimento e um novo recorde de visitantes internacionais.

Não menos relevante é o fato de que, em meio a tantos fatores adversos, os serviços sociais têm sido garantidos à população em Educação, Saúde, Cultura e Esportes. Prevê-se que o ano de 2018 feche com uma taxa de mortalidade infantil de 4, semelhante à do ano anterior, que é a menor da história.

Um programa que teve um impulso significativo foi o da habitação, que permitiu a conclusão da execução de mais de 29 mil casas pelo plano estatal, enquanto graças ao esforço da população serão terminadas cerca de 11 mil. A esse empenho deverá contribuir a política habitacional que foi recentemente aprovada pelo Conselho de Ministros e informada aos deputados nesta sessão do Parlamento.

Para o ano que vem, esperam-se níveis semelhantes de crescimento econômico, 1,5% do Produto Interno Bruto, com a recuperação da indústria açucareira, e aumento da atividade em outros setores, como construção, transporte e comunicações.

Mas esses crescimentos, apesar de refletirem o progresso do país em certos setores, não permitem alcançar os níveis de desenvolvimento necessários para atender às crescentes necessidades da população. Por esta razão, dentro do Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social para 2030, foram definidos um grupo de objetivos para os quais o desempenho da economia para o período 2019-2021 deveria ser direcionado. Entre eles, o aumento das receitas de exportação e a capacidade de aumentar a produção nacional serão vitais, através de um processo de investimento que exige maior eficiência.

As formas de gestão não estatais contribuíram para o Orçamento do Estado com 12% do total das receitas, em 2018, o que deverá crescer ligeiramente no próximo ano. Quase 600 mil trabalhadores independentes contribuem com 5% do rendimento para o Orçamento.

Companheiras e companheiros:

O país continua sofrendo uma situação tensa nas finanças externas, devido ao descumprimento das receitas planejadas das exportações, o turismo e a produção de açúcar, além dos danos causados ​​por uma seca prolongada, seguida pela destruição do furacão Irma e subsequentemente, a ocorrência de fortes chuvas, que afetaram a chegada de matérias-primas, equipamentos e suprimentos.

Somente graças a medidas adicionais de controle nas principais garantias financeiras do plano de 2018, visando trabalhar com maior precisão as decisões sobre as importações e outras despesas em moeda estrangeira, no segundo semestre do ano, o crescimento foi alcançado com saldo positivo na balança comercial e na das contas correntes.

Nós expressamos que a batalha econômica continua sendo a tarefa fundamental e também a mais complexa. Esta é a tarefa que exige mais de todos nós hoje, porque é o que nosso povo mais espera.

O contexto que descrevemos exige um planejamento mobilizador, encaminhado a impedir que a burocracia imobilize o desempenho dos principais atores econômicos.

É necessário fortalecer nossas estruturas e equipes de direção e gestão econômica, com as contribuições de especialistas e peritos das Ciências Econômicas em particular e outros em geral. Não podemos nos cansar de ouvir aqueles que sabem, avaliar suas propostas e articulá-las com o que nos propomos alcançar.

Precisamos de uma atitude mais proativa, inteligente e concreta dos líderes promovendo — não trabalhando ou retardando — soluções seguras e particulares para os problemas, com a busca contínua e intensa de respostas ágeis e eficientes.

É necessário sermos mais coerente com a Conceituação do Modelo Econômico e Social e mais sistemáticos e precisos na implementação das Diretrizes da Política Econômica e Social da Revolução, aprovadas pelo nosso Partido.

É hora de agir sem dogmas e com realismo, atendendo às prioridades, facilitando o real fortalecimento da empresa estatal e sua vinculação produtiva com o investimento estrangeiro, as joint ventures e o setor não-estatal da economia.

Devemos, também, ordenar a atividade do setor privado da economia, mas sem parar ou retardar seu desempenho, estimulando as melhores práticas, até conseguirmos que aqueles que o exercem não cometam atos ilegais. O desafio é integrar todos os atores, formas de propriedade e gestão presentes em nosso ambiente econômico-social, na batalha pela economia que, reitero, é hoje a batalha fundamental.

Como nos indicam os resultados do ano, é imperativo impulsionar o investimento estrangeiro, promover um ambiente de confiança e segurança para os investidores, exportar mais, defender as receitas, fechar o ciclo das exportações com cobrança oportuna, cumprir o que foi indicado pelo general-de-exército Raúl Castro, repetidamente, para não gastar mais do que o que entramos e para não assumir compromissos que não podemos honrar. Além disso, parar e resolver a cadeia de inadimplências e pagamentos atrasados.

Investir de forma eficiente e aplicar as disposições dos estudos de viabilidade após o início dos investimentos é tão importante quanto dar toda a atenção possível à sua execução, garantindo suprimentos e mão-de-obra em tempo hábil, evitando surpresas e improvisações.

Ao mesmo tempo, devemos conhecer e lidar com todas as possibilidades de financiamento, usar os créditos de maneira mais eficiente e sermos responsáveis ​​com seus pagamentos.

Fazer uso eficiente dos valiosos recursos humanos e da força de trabalho qualificada e científica de que dispomos, graças ao grande trabalho educacional da Revolução; defender a produção nacional, mobilizar todo o nosso potencial para produzir mais e eficientemente, é a única coisa que nos permitirá crescer, acima dos efeitos climáticos e do estresse financeiro.

Precisamos também evitar gastos supérfluos com atividades do governo, ter um controle real dos recursos e aproveitar as experiências de outras nações socialistas, como a China, o Vietnã e o Laos.

A gestão governamental deve ser orientada com maior ímpeto para a demanda de maior qualidade nos serviços e para evitar que suas deficiências causem desconforto e irritação à população. Nunca se deve esquecer que, como funcionários públicos, nosso maior objetivo é o bem-estar do povo.

Abordar a situação atual de maneira realista e objetiva é o que nos permite definir um plano para a economia para o ano de 2019 sustentável, alicerçado em bases sólidas que promovam, apesar das dificuldades, o desenvolvimento nas atividades prioritárias para o crescimento e contribuam para a restauração gradual da credibilidade financeira da nação.

Compatriotas:

2019 será um ano de ordenação. O plano será baseado na renda em moeda estrangeira do país e sua cobrança, pagando mais dívidas do que créditos a obter e cumprindo com a máxima pontualidade possível o pagamento dos compromissos.

Não há outra maneira de fazer o plano; caso contrário, seria propor algo que não seria cumprido e que se tornaria incontrolável.

Devo enfatizar que o que está previsto neste plano é o mínimo a ser alcançado. Precisamos gerar riqueza para ter mais. Sua execução deve ser apoiada por uma administração adequada do orçamento, na qual devemos promover todas as possibilidades de renda, a redução das despesas orçamentárias no setor empresarial e a maior redução possível do déficit orçamentário.

Atingir os objetivos propostos requer um processo profundo de discussão do plano, um alto nível de controle e envolvendo todos para defendê-lo entre todos.

A safra açucareira, importante atividade econômica não só para a produção de açúcar, mas pela sua capacidade de gerar renda líquida, sua contribuição para a geração de eletricidade a partir da biomassa, a produção de ração animal e derivados, começaram superando os principais indicadores. Agora, o importante é não deixar acumular problemas que atentam contra o bom desempenho no que resta da campanha.

Como parte do processo de informatização da sociedade, avança a digitalização da televisão e foi instalado o serviço de Internet nos telefones móveis, uma nova possibilidade para os cidadãos e uma expressão clara da vontade política do Governo para levar a cabo este programa com os nossos próprios esforços e talento, sem espaço para interferências que alguns disfarçam em ofertas perversas e planos colonizadores.

Os investimentos em parques eólicos e fotovoltaicos continuam, enquanto se iniciam aqueles relacionados à geração de biomassa em usinas bioelétricas, apoiando a projeção de mudança na matriz energética e o aumento no uso de fontes renováveis ​​de energia.

A fim de discutir amplamente as projeções de desenvolvimento do país, consideramos conveniente convocar, no primeiro trimestre do próximo ano, uma sessão extraordinária da Assembleia Nacional que dedicaremos à análise do Plano Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social até 2030, em três etapas e o relatório sobre o estado de implementação das Diretrizes para a Política Econômica e Social do Partido e da Revolução.

Por outro lado, recentemente começaram a vigorar medidas relacionadas com a atividade do trabalho autônomo ou privado. A maioria da população aceita as ditas medidas e considera que são necessárias para a organização e controle desse processo.

Nesse sentido, quero precisar nosso ponto de vista sobre essa atividade.

Os trabalhadores autônomos não são inimigos da Revolução, são o resultado do processo de atualização do modelo econômico, eles estão solucionando problemas que sobrecarregavam o Estado e, para os quais, às vezes, o Estado era ineficiente. Eles foram resgatando ofícios que a vida mostrou serem necessários.

Reconhecemos o setor não estatal como um complemento da economia e não há intenção de impedir que possa prosperar, mas seu funcionamento deve estar dentro da lei.

Sabemos que temos ao apoio da maioria deles para impulsionar e dinamizar a economia. Devemos apagar de algumas mentes os preconceitos em relação ao seu trabalho, o que nos prejudica tanto quanto aqueles inspetores que se corrompem e geram desconfiança e insegurança.

Para o seu bom exercício, devemos criar condições que estimulem o cumprimento das novas regras e contribuam para a real reorganização dessa atividade. Os funcionários responsáveis ​​por garantir a aplicação das normas devem agir com ética, rigor e equidade e apagar a má imagem causada pelo comportamento corrupto de alguns.

Também não ignoramos que os trabalhadores privados de algumas modalidades expressaram insatisfação com esses regulamentos, mas não de uma perspectiva de cooperação com a população, mas porque são contra uma ordem que ponha fim ao enriquecimento ilícito, o que não será permitido.

Sabemos que há tentativas de transformar o setor não-estatal em inimigo do processo revolucionário, mas não conseguirão nos desunir. Para isso contamos com o compromisso de nossos trabalhadores autônomos ou independentes e das instituições do Estado.

Deputadas e deputados:

Também é necessário esclarecer que existem aqueles que tentam distorcer o escopo e os objetivos do Decreto 349º, associando-o a um instrumento para exercer a censura artística. Falo de entidades externas à Cultura, que nunca se preocuparam e permaneceram caladas em face da proliferação da banalidade, vulgaridade, violência, grosseria, discriminação contra as mulheres, sexismo e racismo presentes nas expressões mais variadas que, atacando a política cultural da Revolução, são exibidas em espaços públicos estatais e privados, alguns dos quais nem sequer são legalmente reconhecidos.

Sabemos muito bem de onde vêm as instruções, com o objetivo de confundir, dividir, desencorajar e desmobilizar.

É evidente que o Decreto acima mencionado, devido à sua importância, deveria ter sido mais discutido e melhor explicado. Isso fica evidente nas opiniões das grandes personalidades de nossa cultura, que têm um trabalho comprovado e comprometido.

Eu conclamo essas personalidades para nos acompanharem na tarefa de fazer agora o que deveríamos ter feito antes.

Nesses aprendizados essenciais, podemos encontrar juntos, a partir do diálogo sincero, como implementar essa regra, pois ela obedecia a uma necessidade e a uma demanda dos próprios artistas, para evitar que continuasse proliferando o desrespeito à política cultural com produções pseudo-artísticas que dão uma imagem do país que não somos, nem nunca fomos e nem deveríamos ser.

Posso assegurar-lhe que este Decreto tem apenas um objetivo: proteger a cultura nacional dos artistas falsos, da intrusão profissional e da pseudocultura gerando antivalores, temas denunciados em múltiplos espaços por nossos criadores, escritores e artistas.

A criação artística em Cuba é gratuita e continuará sendo, conforme estipulado na Constituição e as instituições culturais têm a responsabilidade de aplicar essa norma com total apego a esses propósitos.

Companheiras e companheiros:

As questões debatidas nesta Assembleia requerem atenção prioritária do Conselho de Ministros. Nesse sentido, estamos desenvolvendo um sistema de trabalho baseado no intercâmbio com o povo, na visita aos territórios e comunidades, no vínculo com os coletivos que são os protagonistas dos programas de desenvolvimento econômico e social.

Até eles nós chegamos para ouvir, argumentar, esclarecer, desbloquear e resolver problemas; abordar reclamações, incompreensões e erros.

Estamos interessados ​​em promover a prestação de contas daqueles que dirigimos, favorecendo a comunicação direta com o povo, através da mídia e nas redes sociais, sistematicamente.

Queremos abrir caminhos para que a pesquisa científica tenha espaço em cada processo e forneça inovação, e precisamos promover a informatização da sociedade.

Sistematizamos o acompanhamento e a garantia dos programas de desenvolvimento, promovendo um estilo de direção e liderança coletiva e defendendo com disciplina e comprometimento as orientações de nosso Partido.

Temos convocado e continuado uma batalha ética contra a corrupção, ilegalidades, vícios e indisciplina social, manifestações que são antagônicas e incompatíveis com o nosso presente e futuro.

O que foi feito ainda é insuficiente e o que foi conseguido não é nada em relação aos nossos propósitos como o Governo da Revolução, mas queremos agradecer o apoio e a compreensão das cubanas e cubanos que habitam a nossa geografia. Nós nos devemos a eles.

Existem muitas perguntas para atender e responder. Daremos respostas ao maior número assim que for possível e para aquelas que no momento não têm respostas, não vamos parar de tentar encontrá-las.

Cubanas e Cubanos:

O ano de 2018 tem sido intenso em meio a um contexto internacional complexo, devido ao aumento da hegemonia imperial que paralisa o multilateralismo nas relações internacionais.

A América Latina e Caribe, nossa Grande Pátria não é estranha a essas influências.

Cuba é acusada pelo império de ser a causa daquilo que considera «os grandes males da região». O bloqueio se agrava e a perseguição financeira se intensifica para impedir o desenvolvimento do país.

O resultado alcançado em 1º de novembro, em dez votações sucessivas da Assembleia Geral das Nações Unidas, demonstrou o apoio esmagador que Cuba tem em sua luta contra o bloqueio, uma política agressiva, anacrônica e fracassada, que causa enormes prejuízos ao povo cubano, constitui o principal obstáculo ao nosso desenvolvimento e é uma violação dos direitos humanos. Nós agradecemos imenso a todos os governos que contribuíram para a demanda de pôr fim ao bloqueio.

Nesse mesmo dia, o Conselheiro Nacional de Segurança dos Estados Unidos, com linguagem extremamente agressiva e desrespeitosa, anunciou em Miami novas medidas que reforçam o bloqueio, que juntamente com outros fatos e ameaças, preveem que seu governo está caminhando em direção a um confronto com Cuba.

O imperialismo dos EUA reiterou a validade da Doutrina Monroe e ataca os governos e os processos progressistas, tentando reverter o progresso feito em termos de integração e justiça social na região; realiza uma operação sistemática e enorme de comunicação e manipulação cultural; e persegue e criminaliza forças políticas e líderes de esquerda, movimentos populares e organizações sociais, com o objetivo de impor o neoliberalismo. Também tenta destruir os mecanismos de cooperação e os acordos genuinamente latino-americanos e caribenhos, como a Celac e a Unasul.

Mas os povos não se dobram ou abandonam a luta, como ficou demonstrado no 24º Encontro amplo e unitário do Fórum de São Paulo, realizado nesta cidade no último mês de julho.

Expresso nossa profunda gratidão à Comunidade do Caribe pela encorajadora Declaração de Solidariedade de 8 de dezembro de 2018, em homenagem à celebração do Dia Caricom-Cuba.

A Declaração da 16ª Cúpula da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América, ALBA-TCP, realizada em Havana, em 14 de dezembro, abordou estas questões, se pronunciou para atuar com determinação na mobilização e unidade indispensável das forças revolucionárias, progressistas e populares e expressou total apoio e solidariedade à República Bolivariana da Venezuela e à República da Nicarágua, em face da hostilidade imperialista e oligárquica.

No México, o presidente Andrés Manuel López Obrador obteve uma vitória histórica que desperta grande simpatia. Para ele e para o povo mexicano fraterno, agradeço a calorosa hospitalidade com a qual fomos recebidos durante a sua posse.

No Brasil, as condições e calúnias inaceitáveis ​​reiteradas pelo presidente eleito daquele país para liquidar o Programa Mais Médicos, violando os respectivos acordos com a Organização Pan-Americana da Saúde, nos obrigaram, em defesa da dignidade, do altruísmo e do reconhecido profissionalismo nossos trabalhadores de saúde, a acabar com a participação cubana, como foi relatado em detalhe ao nosso povo e à opinião pública brasileira e internacional.

Todos os dias chegam, desde os recantos mais remotos do gigante sul-americano, mensagens de gratidão aos nossos médicos e de rejeição da política do novo presidente que os tirou daqueles lugares onde só foram salvar vidas.

Tal como Lula expressou em uma mensagem ao nosso povo: «Lamento que o preconceito do novo governo contra os cubanos tenha sido mais importante do que a saúde dos brasileiros que vivem nas comunidades mais distantes e carentes».

A história registrará o antes e o depois da nossa cooperação. Na 40ª edição do Festival Internacional do Novo Cinema Latino-americano de Havana, um documentarista brasileiro empolgou toda a plateia apenas mencionando nossos médicos. Mídias de todo o mundo voltaram seus olhos para a nossa colaboração médica, pela primeira vez, como resultado do absurdo do governo brasileiro de extrema-direita.

Nossos profissionais de saúde são o paradigma que se opõe ao egoísmo e à comercialização dos serviços médicos. Eles são Cuba e são o mais belo monumento ao trabalho humanista e internacionalista em defesa dos direitos humanos em escala universal, de Fidel.

Nos últimos meses, tivemos intercâmbios bilaterais intensivos e frutíferos, em particular durante as nossas visitas oficiais à Federação Russa, à República Popular Democrática da Coreia, à República Popular da China, à República Socialista do Vietnã e à República Democrática Popular do Laos, de cuja calorosa hospitalidade somos gratos e da qual derivaram acordos importantes, em cujo cumprimento colocamos todos os nossos esforços.

Os intercâmbios mantidos durante a nossa presença na República Francesa e no Reino Unido também foram significativos. A visita a Havana do presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, também foi útil.

A comemoração do centenário do nascimento de Nelson Mandela e do trigésimo aniversário da batalha de Cuito Cuanavale contra o regime do apartheid foi particularmente comovente.

Queridos compatriotas:

A que tremendo ano estamos dizendo adeus!

Se só atendermos os símbolos, bastaria com os 150 anos de luta feroz pela nossa independência, que se completam no ano 2018 e os 60 anos de combate, resistência e criatividade que se vão completar do triunfo definitivo, no primeiro minuto do ano 2019.

Passamos de um aniversário ao outro encorajados pela imponente façanha daqueles que se embrenharam no mato, às vezes sem mais armas do que com a honra e enfrentando a fome e a escassez, sem limites, para nos libertar.

Homens e mulheres de propriedades e riquezas herdadas, que renunciaram a elas para criar uma nova nação.

Este ano, um museu local da antiga metrópole, nos emprestou uma cadeira que pertencia a Antonio Maceo. De um tronco de palmeira foi feito o trono do mais corajosos dos nossos generais. Ele não utilizou nenhuma cadeira elegante e fofa daqueles que então submetiam seu país. É por isso que a conservaram como troféu de guerra aqueles que, mesmo matando-o, nunca puderam superar nossa vocação libertária.

Exatamente 60 anos após a morte de Maceo, em dezembro de 1956, Fidel, Raúl e seus companheiros do Granma retomaram o espírito daquele guerreiro e acamparam nas montanhas. Tão crioulo e soberano, como a cadeira do Titã de Bronze, seria o Comando rebelde.

Também de tábuas de palmeira e teto de colmo é a casa de Fidel em La Plata, o lugar nunca conquistado pelo exército da ditadura, guardado como foi e sempre será, pelos humildes habitantes dessas terras, onde corre som e livre o córrego da Serra.

Somos uma nação marcada por tão grandes aspirações de independência que isso também nos salvou de dependências egoístas acerca de posses materiais, quando o preço de as obter era a liberdade.

Os símbolos aos quais me referi, aqueles sinais e essências que a História nos deixa, falam-nos de um país com caráter, que sempre soube que «a pobreza passa, o que não se esquece é desonra», tal como disse o Apóstolo do paletó desgastado, que reunia dinheiro e vontades para a Guerra Necessária, sem nunca receber um centavo.

Esse caráter, que vem dos avós e dos pais, que nos faz verter lágrimas pela Pátria, mas acima de tudo, nos lança a galope sobre aqueles que querem prejudicá-la; não é, como alguns acreditam, o livro da História que a geração jovem não consegue ler.

Sentir a paixão e o orgulho por aquilo que somos, enquanto sentimos impaciência e ansiedade para aquilo que não podemos atingir, mais do que um sofrimento, torna a transição entre estes dois anos em um arco triunfal, coroado por tudo aquilo que temos entregue e a certeza de que lutar é a vitória (Aplausos).

Nós sempre vamos a propor-nos mais. E com todas as gerações vivendo juntas, em homenagem aos que sacrificaram tudo porque o caminho rumo à conquista daquele mais, sempre pendente, fosse guardado pela paz e a unidade de todos os cubanos.

Em nome de uma geração orgulhosa de ser, não substituta, mas a continuidade, eu quero expressar o profundo compromisso que nos move a lutar incansavelmente para manter-nos à mesma altura da história, dos nossos antepassados e do povo, inseparáveis no sentimento e a fidelidade.

Hoje temos vindo a prestar contas do nosso trabalho e a comprometer-nos mais: promover tudo o que nos permita avançar e vencer, juntamente com nossas próprias limitações e diante da guerra econômica, a perseguição financeira e o bloqueio intensificado.

A maior motivação é proporcionada pelo 60º aniversário da Revolução, com suas lições indeléveis de que é possível superar todos os obstáculos, se o povo nos acompanhar.

Será, sem dúvida, mais um ano de desafios. Mas, como disse José Martí falando da Alma da Revolução, e do dever de Cuba (...): «Nada o povo cubano espera da revolução que a revolução não lhe possa dar».

Vamos seguir em frente. E vamos continuar vencendo. Isso é o que os pais da nação nos ensinaram. Isso é o que nos conclama cada dia o povo digno e heróico de Carlos Manuel de Céspedes, Mariana Grajales, Antonio Maceo, Máximo Gómez, José Martí, Julio Antonio Mella, Ruben Martínez Villena, Haydee Santamaría, Abel Santamaría, Celia Sánchez, Frank País, Vilma Espín, Camilo Cienfuegos, Che Guevara, Juan Almeida, Fidel Castro, Raul Castro e seus companheiros de luta que nos honra nos acompanhando.

Em 24 de Fevereiro, no referendo para ratificar a Constituição, Cuba vai estar em um ponto culminante dos 150 anos que temos comemorado e os 60 anos da Revolução Cubana, a Revolução de Fidel e Raúl, que vamos comemorar no próximo 1 de janeiro.

Vamos dizer Sim e vamos vencer de novo. Porque somos Cuba.

Parabéns a todo nosso povo pelo novo ano.

Até à vitória, sempre!

Pátria ou Morte!

Venceremos!

(Ovação)