ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Foto: Ariel Cecilio Lemus

Honra e glória eterna, infinito respeito e afeto por aqueles que então caíram para tornar possível a independência definitiva da Pátria; para todos aqueles que escreveram esse poema épico em montanhas, campos e cidades, guerrilheiros ou combatentes clandestinos, que após o triunfo morreram em outras missões gloriosas, ou lealmente entregaram sua juventude e suas energias à causa da justiça, soberania e redenção de seu povo, daqueles que já morreram e dos que ainda vivem (...).

Ainda hoje, para as novas gerações, a Revolução está apenas começando (...).

As pessoas de ontem, analfabetas e semi-letradas, com uma cultura política quase nula e verdadeira, conseguiram fazer a Revolução, defender a pátria, alcançar uma consciência política extraordinária e iniciar um processo revolucionário sem paralelo neste hemisfério ou no mundo. Eu digo isso não por causa de um espírito ridículo chauvinista, ou com a absurda pretensão de acreditar que somos melhores que os outros; Eu digo isso porque a Revolução que nasceu aquele dia 1º de janeiro, o acaso ou o destino quiseram que fosse submetida ao teste mais difícil que passou qualquer processo revolucionário no mundo (...).

Nosso povo não é melhor que os outros; sua imensa grandeza histórica deriva do fato singular de ter sido submetido a esse teste e de ter sido capaz de resistir a ele. Não é um grande povo em si, mas um povo tornado grande por si mesmo, e sua capacidade de fazê-lo nasce da grandeza das ideias e da justiça das causas que defende. Não há outras iguais; Nunca houve. Hoje não se trata de defender uma causa nacional com egoísmo; uma causa exclusivamente nacional no mundo de hoje, não pode por si só ser uma grande causa; nosso mundo, como consequência do seu próprio desenvolvimento e evolução histórica, globaliza-se rapidamente, de forma irrepreensível e irreversível. Sem deixar de lado as identidades nacionais e culturais, e mesmo os legítimos interesses dos povos de cada país, nenhuma causa é mais importante que as causas globais, isto é, a causa da própria humanidade (...).

O povo (...) avança sem poder ser parado em direção aos seus objetivos, assim como os combatentes de Camilo Cienfuegos e Che Guevara da Serra Maestra ao Escambray. Como Julio Antonio Mella disse, todo tempo futuro tem que ser melhor. Vamos provar isso nos objetivos que estabelecemos para nós mesmos (...). Vamos nos consolidar e aprofundar, trabalhamos, lutamos, lutamos com o espírito com que nossos heróicos compatriotas em Uvero o fizeram, nos dias gloriosos da ofensiva do grande inimigo, nas batalhas e nos acontecimentos de que nos recordamos hoje. Já deixamos para trás o revés da Alegría de Pío, passamos por Cinco Palmas, já acumulamos força, já somos capazes de vencer como 300 venceram 10 mil, somos muito mais fortes, já estamos confiantes de vitória (...).

A batalha de hoje é dura e difícil. Na guerra ideológica, tal como nas batalhas, também há baixas. Tempos difíceis e condições difíceis não têm o temperamento necessário para resistir a eles.

Lembrava hoje que no meio da guerra, sob o bombardeio e sofrendo todo tipo de privação, dos jovens voluntários que entraram na escola, um em cada dez suportava aquilo; mas aquele valia por dez, por cem, por mil. Aprofundar na consciência, formar caráter, educar na dura escola da vida de nossos dias, plantar ideias sólidas, usar argumentos que sejam irrefutáveis, dar o exemplo e confiar na honra do homem, pode conseguir isso, que de dez, nove permaneçam em suas posições de combate, junto à bandeira, junto à Revolução e ao lado da Pátria.

(Fragmentos do discurso no ato central pelo 40º aniversário do triunfo da Revolução, realizado no Parque Céspedes, Santiago de Cuba, em 1º de janeiro de 1999.)