ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O Iberostar Grand Hotel Packard, com 321 quartos, faz parte da oferta de hotéis de luxo na capital de Cuba e foi inaugurado em 2018. Foto: https://www.hotels.com

O investimento estrangeiro em Cuba é visto hoje como uma importante fonte para o desenvolvimento do país. Embora antes fosse considerado um complemento para a economia, hoje é um motor fundamental no desenvolvimento cubano.

O ministro do Comércio Exterior e o Investimento Estrangeiro (Mincex), Rodrigo Malmierca, explicou à imprensa que os principais obstáculos dessa política residem no bloqueio, na presença da dualidade monetária e cambiária e na liquidez financeira. Isso é agravado por problemas relacionados à falta de preparação do pessoal e deficiências nos estudos de viabilidade.

Asseverou que o investimento estrangeiro é essencial para impulsionar a economia cubana, portanto, não deve haver receios ou preconceitos em se abrir com o capital estrangeiro e, para isso, pediu uma mudança de mentalidade.

Desde que a Lei de Investimentos Estrangeiros foi aprovada em 2014, um capital de 5,5 bilhões de dólares foi comprometido. Atualmente, mais de 30 projetos (energia, indústria, construção, mineração, agroalimentar e biofarmacêutico) estão em fase avançada de negociação, por um valor superior a 1,5 bilhão de dólares. Mesmo quando está muito abaixo do desejado, começam a mostrar os primeiros resultados.

ZONA ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO MARIEL

Por outro lado, a Zona Especial de Desenvolvimento (ZED) Mariel, cinco anos depois de sua criação, mostra os resultados previstos. «Este ano foi positivo para a Zona», asseverou sua diretora geral, Ana Teresa Igarza Martínez.

Relacionado à infraestrutura, em 2018 mais de 200 hectares foram desenvolvidos para colocar investidores, criar estradas e as redes de comunicação necessárias nesses espaços. Da mesma forma, o terminal ferroviário já está em operação, de onde são distribuídos os trabalhadores da ZED, e na fase de início o centro de processamento de alimentos, que fornece suprimentos para mais de 5 mil trabalhadores.

Segundo declarou Igarza Martínez, este 2018 foi um bom ano para atrair investimentos nacionais e estrangeiros. A Zona fecha com 43 empresas aprovadas e outras em estágio avançado, além da primeira concessão administrativa para atrair investidores nacionais e internacionais. Da mesma forma, uma empresa mista com participação cubana e norte-americana, que produzirá vacinas para combater o câncer para os EUA, foi acrescentada.

O Programa de Desenvolvimento e Negócios da ZED foi recentemente aprovado com uma visão até o ano 2042. Os novos setores a serem desenvolvidos seriam: o setor B (com atividades na área industrial e logística), o setor G (indústrias de materiais da construção e outras bases produtivas) e o setor H (desenvolvimento do turismo).

Este ano que quase acaba foi aquele que mais montante de investimento estrangeiro atraiu: 474 milhões do ano. Ao todo, a ZED Mariel atraiu 2.130 bilhões em investimento estrangeiro e tem 17 projetos em operações.

AMPLA PASTA DE OPORTUNIDADES EM CUBA

«A pasta de oportunidades para o investimento estrangeiro é uma vontade política do governo cubano para criar as primeiras oportunidades em setores estratégicos», asseverou à mídia a diretora-geral de Investimento Estrangeiro do Mincex, Déborah Rivas Saavedra.

Atualmente conta com 525 projetos estruturados a partir do Plano Nacional de Desenvolvimento. Foram identificados os que têm um impacto imediato no meio ambiente e conseguiu um maior envolvimento dos governos locais na pasta, com o interesse que haja investimento estrangeiro em cada território, organismo e entidades do país.

Rivas Saavedra asseverou que no próximo ano irá listar a Guichê Única para todas as empresas fora da ZED Mariel. Com ela, procura-se eliminar os obstáculos e mecanismos que tornaram o processo de aprovação do projeto de investimento complicado, sem perder de vista as exigências da negociação. O objetivo é que o processo seja encurtado para crescer ao ritmo alucinante que se desejar.

Embora neste 2018 o investimento estrangeiro no país tenha aumentado, restam por solucionar problemas subjetivos e organizacionais que ainda influem negativamente neste setor. Para 2019 é esperado um maior peso do investimento estrangeiro no investimento total no país.

O COMPROMISSO COM O SETOR DE TURISMO CONTINUA

Reconhecido como um dos setores mais dinâmicos da economia cubana, o turismo cresce e se consolida. Embora na temporada de inverno 2017-2018 diminuísse 7%, como resultado da passagem do furacão Irma e outros fenómenos meteorológicos pela Ilha neste verão e nos meses da temporada de inverno (novembro cresceu em 18,5%) conseguiu-se uma recuperação do destino.

Segundo explicou Michel Bernal, diretor comercial do Mintur, as estatísticas de 2018 mostram que as chegadas aéreas para o destino caíram em 6%, permanecendo aeroportos de Havana e Varadero como os principais pontos de entrada, seguidos por Santa Clara e Jardines del Rey.

Enquanto isso, as chegadas marítimas cresceram 48%, o que estima que no final deste ano cerca de 850 mil passageiros de cruzeiro sejam recebidos. Nesta modalidade, o principal ponto de entrada continua sendo o porto de Havana.

Apesar de apresentar uma diminuição de 2%, o Canadá continua sendo a principal fonte de visitantes para o país. Em segundo lugar estão os Estados Unidos, e entre os mercados mais dinâmicos a Rússia, México, Brasil, os cubanos que vivem no exterior, China e Colômbia.

Bernal acrescentou que, até o momento, um total de 4,5 milhões de visitantes internacionais chegaram a Cuba, e deve terminar o ano com 4,75, o que representa um crescimento de 1,3% em relação ao real alcançado em 2017 (16,8%).
Por outro lado, até 2019, esperam atingir 5,1 milhões de visitantes internacionais, o que significaria um crescimento de 7% em relação à estimativa do final deste ano.

Da mesma forma, o Ministério do Turismo planeja um plano abrangente de investimentos que inclui 610 projetos desagregados. Conforme explica José Daniel Alonso, diretor de desenvolvimento e investimento da Mintur, os planos incluem a conclusão de 103 mil novos quartos, 332 novos alojamentos, 51 espaços de lazer, 30 imóveis associados ao turismo, 50 espaços para a modalidade natureza, 55 parques de campismo, 22 pontos de recreio náutico e 70 entidades de apoio ao turismo.

Destes projetos, 45% já estão em execução, o que adicionaria no início de 2019, 3.841 quartos à planta hoteleira do país que, até o final de novembro, já contava com 70.879 quartos.

Neste ano, destacam as obras pelos 500 anos de Havana. Na cidade, serão 136 projetos, sendo 60 de investimentos estrangeiros e 76 próprios, entre os quais estão previstas a revitalização de hotéis e novas execuções. Estes incluem o Hotel New York, o de Prado y Malecón, o hotel de 23 e o K, a expansão do Hotel Sevilla, o Hotel Moscow e outros.

INFOGRAFIA:

Desde a promulgação da Lei nº. 118 do Investimento Estrangeiro, em 2014, conseguiu-se:

- 21 reinvestimentos
- 41 empresas na ZEDM
- 134 fora da ZEDM

Total do capital comprometido: + 5.500 bilhões de dólares

- Os pactos foram com empresas de 28 paises
- Anualmente estão em fase avançada de negociação mais de 30 projetos:

Minas
Energia
Indústrias
Agroalimentar
Biofarmacêutico
Construção

- Montante do investimento superior a US$1,5 bilhão

FONTE: Intervenção de Rodrigo Malmierca na Feira