ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Sessenta em cada cem mulheres submetidas a inseminação ou outros procedimentos conseguem engravidar. Foto: Dunia Álvarez Palacios

ENGENDRAR um filho é um dos atos mais instintivos que existe. Em Cuba, os casais com dificuldades para conceber uma gravidez podem tentar a gravidez, assistidos por profissionais altamente qualificados e com a garantia de um equipamento tecnológico de primeiro nível; tudo isso conforme os princípios básicos da nossa Medicina: humana e livre de custos.

Desde 2012, com o objetivo de contribuir para o aumento das taxas de natalidade no país e de responder à Diretriz da política econômica e social do Partido relacionada ao contexto demográfico, o Ministério da Saúde Pública (Minsap) começou a construir e, posteriormente, desenvolver uma rede de serviços de atendimento ao casal infértil.

Hoje, esta rede tem uma cobertura nacional, proporcionando acesso aos casais identificados a partir de centros territoriais e provinciais, segundo se conheceu na Comissão de Saúde e Esportes da Assembleia Nacional.

De acordo com o dr. Roberto Álvarez Fumero, chefe do Departamento Materno Infantil do Minsap, o projeto tem uma abordagem preventiva, pois a infertilidade não pode ser tratada apenas com tratamento: «Não existe um sistema de saúde que consiga a natalidade com apenas um programa de atendimento ao casal infértil, devemos prevenir a infertilidade», aponta.

«Temos um cenário muito amplo do atendimento básico, com ações de promoção e educação em saúde e sexualidade, com pesquisas e busca ativa daqueles casais que tenham dificuldade para a reprodução. E assim consolidamos o cenário das 168 consultas municipais de atendimento ao casal infértil».

«Estas consultas são a porta de entrada dos casais no sistema, e aí deve ser resolvido cerca de 60% dos problemas que têm para conseguir um filho; nestas consultas trabalham equipes compostas por médicos, especialistas em obstetrícia e ginecologia, enfermeiras, psicólogos e técnicos de laboratório com um treinamento no espermograma, um exame de primeira linha nesse nível.

Das mãos de uma equipe multidisciplinar de profissionais, os casais recebem, sobretudo, informações e orientações. Segundo Álvarez Fumero, nas consultas primárias são fornecidos com informações sobre o processo de ovulação, do ciclo menstrual e de outras questões elementares que resolvem as lacunas no conhecimento dos assistidos.

«O estresse é gerenciado, o ciclo de ovulação é acompanhado a partir do ultrassom; as principais causas de infertilidade são diagnosticadas e tratadas, especialmente as infecciosas no homem, e a saúde mental e o risco reprodutivo pré-concepcional são avaliados», afirma.

REPRODUÇÃO ASSISTIDA

«Em uma segunda linha, conseguimos cerca de 15 serviços provinciais de reprodução assistida, na medida em que os casais chegam do atendimento primário, e onde o diagnóstico das causas é feito, principalmente tubárias (que afeta as tubas da mulher); também é tratado e diagnosticado o fator masculino não grave.

«Estes procedimentos são realizados a partir de técnicas minimamente invasivas: cirurgias laparoscópicas, as histeroscopias, histerossalpingografia e ultrassonografias altamente especializadas. As inseminações artificiais são aquelas que permitiram o maior número de gravidezes. O varicocele também é operado, o fator masculino é corrigido», comenta.

O país tem quatro centros de reprodução assistida de alta tecnologia — um no leste, um no centro e dois em Havana, para o próximo ano espera-se crescer em dois — até onde 10% dos casais devem chegar. Segundo a fonte citada, onde há mais demanda hoje é nesses centros, porque o programa é desenvolvido há cerca de dez anos, e os casais têm envelhecido a partir do diagnóstico de sua infertilidade, pois não tinham solução. Nestes centros de alta tecnologia se tratam principalmente as causas hormonais, as falhas na inseminação e o fator masculino grave.

Ao longo do tempo desenvolveram um conjunto de técnicas determinadas: começou-se com a fertilização in vitro convencional, «então introduzimos uma variante, que é a fertilização in vitro intracitoplasmática: casos em que os homens têm um efeito no número e viabilidade dos espermatozoides e é necessário incluir esse sêmen dentro do citoplasma do lobócito».

«Depois desenvolvemos a ovodoação, isto é, a fertilização in vitro com óvulos doados por casais jovens naquelas mulheres que têm uma insuficiência ovariana ou que envelheceram. Além disso, uma biópsia de mapeamento testicular para tratar da infertilidade masculina; e desenvolvemos recentemente dois centros de criopreservação de ovócitos e embriões e também temos todo o equipamento pronto, estamos no processo de recrutamento de doadores de sêmen, para que Cuba tenha um banco de sêmen como uma alternativa muito segura para os casais com fator masculino grave», comentou Álvarez Fumero.

DIREITO REPRODUTIVO

Embora a infertilidade não seja uma doença como a hipertensão, que é registrada na história da medicina, nos consultórios médicos se conseguiu focalizar, no prazo de um ano casais que têm sexo frequente sem engravidar, 102.234 casos.

Há uma margem de viés — informou-se na ocasião — pois existem casais que são inférteis e que não o disseram, ou que são inférteis e não querem ser atendidos, mas o objetivo é conhecê-los, oferecer-lhes a disponibilidade da rede de atendimento, e tentar acompanhá-los para que venham e se beneficiem, que tenham esse direito reprodutivo elementar resolvido.

A maior eficácia é encontrada nos serviços provinciais de reprodução assistida: 60 em cada cem mulheres que se submetem a inseminação ou outros procedimentos já explicados, conseguem engravidar.

O ministro da Saúde, José Angel Portal Miranda, disse aos deputados que, embora esta seja uma questão estratégica para o país, porque lida com a dinâmica da população e o nascimento em Cuba, a coisa mais importante é como é sensível para os casais e as famílias que são afetadas.

«Com relação às medidas organizacionais, disse, acho que temos muitas reservas organizacionais. Temos de transmitir segurança às pessoas, que sintam confiança na resolução de seus problemas nos níveis primário e provincial. A outra questão chave é a prevenção de problemas de fertilidade, porque na medida em que os casais conheçam que teremos menos casos para atender».

«O Ministério priorizou, do ponto de vista organizacional e orçamentário, este projeto, cuja tecnologia é extremamente cara e que está envelhecendo muito rápido», disse.

Ainda assim, embora o número de gravidezes esteja aumentando, nos centros territoriais é necessário aumentar a eficácia, pois surgem dificuldades como:

- Existem reservas na organização e no fluxo de casais através da rede.
- Os prazos para a solução final devem ser otimizados.
- A eficácia nos centros não atinge os níveis desejados.
- É necessário consolidar técnicas para o fator masculino grave.
- As ações de promoção para prevenir a infertilidade são insuficientes e incentivar a reprodução em idades ideais.

Algumas medidas para melhorar o desenvolvimento da rede

- Extensão da frequência nas consultas municipais.
- Aperfeiçoamento do sistema de turnos dos municípios aos outros níveis.
- Desenvolver um programa de superação contínua do capital humano (beneficiados em cursos 158 profissionais que trabalham nos municípios; treinamentos nacionais: 12 médicos em técnicas de inseminação e cirurgia minimamente invasiva; treinamento em centros de referência internacional: oito biólogos e quatro doutores em novas técnicas de reprodução assistida de alta tecnologia).
- Está prevista a aquisição de equipamentos que modernizarão a tecnologia nos quatro centros territoriais, além de peças de reposição.
- Início do start-up do banco de sêmen no Hospital Hermanos Ameijeiras e da técnica de vitrificação embrionária naquele hospital e no Ramón González Coro.
- Um processo de recrutamento de doadores está em desenvolvimento.

EM NÚMEROS

80.250 casais têm acompanhamento
47.162 foram vistos pela primeira vez em 2018
692 casais iniciaram o ciclo de reprodução assistida de alta tecnologia
+ de 3.500 gravidezes foram atingidas em 2018