ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

A reformulação do anterior Artigo 68º, atualmente contido no Artigo 82º, deve ser interpretada como um avanço em um processo tão complexo quanto a reforma da norma mais relevante em nosso contexto social e político.

Ao contrário das manipulações e deturpações que nos últimos dias circularam nas redes sociais, o Artigo atual sobre o casamento mantém sua vocação de inclusão, em plena consonância com o princípio da igualdade e não-discriminação por motivos de orientação sexual e identidade de gênero, que também está contido na proposta de texto constitucional no atual artigo 42º.

A referência constitucional ao casamento está agora em um novo capítulo e em que as famílias são abordadas em toda a sua diversidade. É consagrado o casamento como uma instituição social e legal, e é reconhecida como uma das formas de organização familiar, mas não a única. Com relação aos sujeitos do casamento, utiliza-se o conceito de cônjuges, uma construção legal que se refere às pessoas que formalizaram o vínculo matrimonial e que não limita a possibilidade de pessoas do mesmo sexo acessarem ao casamento como forma de reconhecimento legal da união que desejaram construir. Não duvidem que o Artigo 82º banhe, na sede constitucional, qualquer alusão ou apoio binário em termos de gênero e heteronormatividade que caracteriza a regulação do casamento que existe no texto que estamos tentando reformar hoje.

A nova formulação coloca como elemento novo as uniões de fato, sem vinculá-las a nenhum gênero; esta figura, segundo as estatísticas e os critérios dos estudiosos das famílias em nosso país, é a mais utilizada em nossa sociedade.

Outro elemento novo é o fato de que nenhuma referência expressa é feita à reprodução com o fim do casamento ou das famílias, o que desmarca essa velha concepção que faziam girar as dinâmicas familiares em torno da prole. Isso, obviamente, visualizará o direito de pessoas que, independentemente de sua orientação sexual e identidade de gênero, não concebem a reprodução como o objetivo final em seus projetos de vida, mas decidem formar famílias separadas dela.
Não há retrocessos, a essência do artigo 68º permanece, mesmo a carta atual, como afirmei, transcende a proposta anterior.

Temos um primeiro desafio, garantir o voto positivo da maioria dos nossos eleitores no exercício democrático previsto para fevereiro do próximo ano. A partir de hoje e até essa data, devemos fortalecer as estratégias de comunicação e conscientização da população para fornecer todos os argumentos necessários.

Depois do referendo, e com o voto favorável da maioria do nosso povo, no qual confio plenamente, devemos nos concentrar na formulação da lei que desenvolverá todo o relacionado às famílias e, em particular, ao casamento.

Esta lei, o Código da Família, deve ser informada das posições científicas mais avançadas sobre o assunto e teremos que tomar como referência as experiências similares que existem internacionalmente, mas também a nossa própria realidade social. As emendas propostas ao atual Código da Família devem expressar e garantir o casamento como constitucionalmente concebido, como uma instituição plural, inclusiva, à qual todas as pessoas possam ter acesso sem distinção.

Eu insisto que as campanhas de manipulação que a contrarrevolução está dirigindo nas redes sociais para sabotar o referendo promovendo o Não, nós temos o dever de fazer uma boa e rigorosa campanha para informar ao povo e ao mundo.

Quero afirmar que os princípios da Revolução e os direitos de todas as pessoas estão protegidos no novo texto constitucional. Agora temos que legitimá-los com o Sim que vamos dar no Referendo.

Confiem em que o caráter educativo e transformador do direito fará com que prevaleça a justiça nas leis que derivem da Constituição, Cuba precisa dessa Constituição e, no dia 24 de fevereiro, Cuba voltará a subir, mais uma vez, para todos os tempos.

Vamos dar o SIM à Constituição e depois fechar fileiras para alcançar leis de desenvolvimento tão avançadas quanto o que será nosso novo texto constitucional.
Felicito a Assembleia Nacional e enfaticamente à Comissão de Redação por seu trabalho rigoroso, por sua contribuição conceitual e metodológica a este exercício democrático, e pelo espírito crítico que manteve em seu próprio trabalho para melhorar os próximos processos que desenvolveremos.

Quero parabenizar Homero Acosta por sua magistral atuação como jurista e educador, porque nos ensinou aos deputados e deputadas, mas também ao nosso povo.

Também ao povo de Cuba, por sua maturidade política, por suas valiosas contribuições e pela responsabilidade assumida.

De maneira muito especial quero parabenizar um educador que foi um exemplo inspirador na minha vida, que me ensinou que se pode amar a Revolução sem abandonar a família, e que se pode amar a família sem abandonar a Revolução. Obrigada pelo seu exemplo como pai e como revolucionário. Permita-me abraçá-lo, como deputada.

Intervenção da deputada Mariela Castro Espín no 2º Período Ordinário de Sessões da Nona Legislatura da ANPPP, em 22 de dezembro de 2018, onde foi aprovado o texto final — com recomendações da Consulta Popular — da Constituição da República da Cuba.