ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Obra: Martí. de Nelson Domínguez

O jornal El Diablo Cojuelo — que nasceu para mostrar aos estudantes de Havana a corrupção imposta pelo regime colonial em Cuba, como o personagem que lhe deu título em relação à própria metrópole enquanto guiava um aluno no romance homônimo de Luis Vélez de Guevara - apareceu em 19 de janeiro de 1869.

Quatro dias depois, circulou outra publicação La Patria Libre circulou, cujo subtítulo – Semanário Democrático-Cosmopolita — reflete a atmosfera na qual Martí se mexia. Ao contrário de El Diablo Cojuelo, que foi concebido pelo próprio Martí e outros colegas — entre eles Fermín Valdés Domínguez — o La Patria Libre tem um corte material diferente, e parece lógico supor que os adultos participaram de seus auspícios, como o maestro Mendive. como já foi dito.

Mas o estudante Martí, sem ter completado 16 anos, dotou o jornal do texto mais duradouro: o dramático poema Abdala, encabeçado por uma anotação em que a tipografia propiciava uma eloquente ambiguidade. A frase "Escrito expressamente para a Pátria", impressa em letras maiúsculas e sem aspas ou qualquer outro sinal que destacasse La Patria, como o título da publicação, favorecia que a peça teatral fosse recebida como destinada ao jornal em que aparecesse ou — com certeza — a Cuba.

O detalhe é significativo: como o autor era impedido de incitar abertamente à rebelião patriótica, o texto recriou a decisão de um jovem príncipe africano — da Núbia, um nome de lugar que acusticamente marca uma semelhança ostensiva com Cuba — para defender sua terra contra o invasor estrangeiro, e morrer nessa luta, se necessário, apesar dos pedidos da mãe, que tenciona salvar sua vida.

Com razão, foi visto no herói, Abdala, um alter ego de Martí e uma prefiguração de seu destino.

(Fragmento extraído de Cesto de Llamas, biografia de José Martí)

(...) Morrer! Morrer quando Nubia luta;

quando o nobre sangue se derrama

dos meus irmãos, mãe; Quando espera

das nossas forças, liberdade a pátria!

Mãe, não chore! Voar tal como voam

matrizes nobres de coragem nas asas

Gritar no campo para os guerreiros:

«Lutar! Lutar, Nubianos! Esperança!

 

Não chore, você me diz? E sua vida

O país algum dia me pagará?

 

A vida dos nobres, minha mãe

É lutar e morrer para obedecer,

E se necessário, com o seu próprio aço

Se rasgar por salvar suas entranhas!

Mais... sinto vontade de morrer: na minha agonia

Não venha perturbar minha triste calma.

Silêncio!... eu quero ouvir... Oh! Me parece

Que o exército inimigo, derrotado,

Foge pela planície... Ouça!... Silêncio!

Eu os vejo correr... os covardes

Os bravos guerreiros avançam...

Núbia venceu! Moro feliz: a morte

Eu não me importo, porque eu consegui salvá-la...

Oh, quão doce é morrer, quando se morre

Lutando corajosamente para defender a pátria!

(Fragmento de Abdala)