ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Estudios Revolución

Tal como vem acontecendo há 66 anos, uma das últimas noites de janeiro passou em Cuba sob a luz dos archotes. Uma maré de jovens, com archotes e bandeirinhas, toma a cidade, avança desde a escadaria da Universidade até a Fragua Martiana, ao lado da avenida beira-mar de Havana. Uma data que todos os cubanos conhecem é celebrada nas ruas: o nascimento de José Martí.

Em 28 de janeiro de 1853, nasceu o mais universal de todos os cubanos «em uma casa modesta na rua Paula, onde a muralha chegava ao pé do porto», como descreve o escritor Jorge Mañach.

Cento e sessenta e seis anos mais tarde, o povo ilumina mais uma vez as ruas próximas das de Paula, como parte de uma tradição que começou com um grupo de jovens patriotas, quando se completavam cem anos daquela data, em 1953.

A casa de José Martí, segundo Juan Marinello, era a de uma criança pobre em uma fábrica colonial, sobrecarregada por tensões e tarefas exaustivas. «Num dos seus melhores poemas, em Jugo e Estrela, Martí aludiu à obscuridade do seu berço: «Quando nasci, sem sol...».

O poeta Cintio Vitier, ao descrever o contexto em que deu Martí seus primeiros passos, explicou que quando o Apóstolo nasceu «à luz do Novo Mundo, Cuba era, durante mais de três séculos, descrito crudemente no âmbito da história, uma possessão do império espanhol, sujeita aos hábitos despóticos que são impostos em todas as terras ocupadas pela conquista».

A ausência de luz, de paz, de bem-estar, na casa triste do número 41º da rua Paula (mais tarde 102 e agora Calle Leonor Perez 214), em Havana Velha, foi para a criança «um incentivo da rebelião clara que presidiu sua existência, passou por sua ação política e marcou seu ofício como escritor. O espetáculo cotidiano de arbitrariedade e corrupção, bem como o exemplo e a pregação de seu professor, o poeta Mendive, deixaram-no insatisfeito e rebelde antes da adolescência», disse Marinello.

Há muitas maneiras de homenagear Martí, garantiu o guerrilheiro Ernesto Che Guevara, por ocasião do nascimento de José Martí, em 28 de janeiro de 1960.

«José Martí pode e deve ser honrado na forma como ele gostaria de ser feito, quando ele disse com forte ênfase: ‘A melhor maneira de dizer é fazer’» tal como convidou, nesta segunda-feira, Raul Alejandro Palmero, presidente da Federação dos Estudantes Universitários (FEU), para se unirem à universidade na tarefa de recuperar Havana, enfatizando depois que a chama da continuidade durará no horizonte a ser defendida no dia 24 de fevereiro.

HONRA

O primeiro secretário do Comitê Central do Partido, general-de-exército Raúl Castro Ruz, e o presidente dos Conselhos de Estado e Ministros, Miguel Díaz-Canel dedicaram oferendas florais a José Martí, que foram depositados no mausoléu que guarda os restos mortais do Apóstolo, no cemitério de Santa Ifigênia.

Ofertas florais também foram colocadas em nome dos Conselhos de Estado e Ministros e do povo de Cuba.

Também às 12 da manhã, da fortaleza de San Carlos de la Cabaña e Santa Ifigênia, foram disparados 21 disparos de artilharia para homenagear o apóstolo de Cuba.

Photo: Ariel Cecilio Lemus
Photo: Ariel Cecilio Lemus
Photo: Ariel Cecilio Lemus
Photo: Estudios Revolución
Photo: Ariel Cecilio Lemus
Photo: Ariel Cecilio Lemus
Photo: Ariel Cecilio Lemus
Photo: Estudios Revolución
Photo: Ariel Cecilio Lemus
Photo: Ariel Cecilio Lemus
Photo: Ariel Cecilio Lemus