ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Istalações da usina Cubana de Acero, severamente afetadas pela intensidade do vento. Foto: Silvia Diéguez

GERADO dentro de uma tempestade pré-frontal ativa, com grandes descargas elétricas, (formada à frente de uma frente fria), o forte tornado que causou danos consideráveis em áreas e distritos de vários municípios de Havana (Diez de Octubre, Regla, San Miguel del Padron, Guanabacoa e parte de Habana del Este, na noite de 27 de janeiro, devido à severidade de seu impacto e a notável intensidade do vento (pôde ter ultrapassado os 250 quilômetros por hora) e a distância percorrida, é um fenômeno sem precedentes, nunca antes registrado na capital, pelo menos desde 1950 até hoje.

Como disse ao Granma Internacional o doutor José Rubiera, as avaliações feitas por especialistas do Centro de Previsão do Tempo, do Instituto de Meteorologia sugerem que a nuvem em forma de funil, que em nossos campos é geralmente chamado de Rabo de Nuvem ou manga de vento, chegou à terra na área do Casino Deportivo, em torno das 20h26 da noite, saindo ao mar 16 minutos depois no leste de Alamar, depois de viajar pela terra cerca de 11,5 quilômetros, com rumo próximo do sudeste e o nordeste.

De acordo com a cronologia compilada pelo professor Luis Enrique Ramos Guadalupe, coordenador da Comissão de História da Sociedade Meteorológica de Cuba (Sometcuba), alguns dos tornados registrados em Havana, no passado, incluem o de 6 de junho de 1929, em Arroyo Naranjo (os danos indicam que foi de grande intensidade), em 19 de julho de 1930, em El Cerro; 2 de julho de 1950, em San Miguel del Padrón; e 31 de agosto de 1961, principalmente na área do que hoje é o município Praça da Revolução, cujos efeitos foram informados na edição do jornal Revolución, correspondente a 1º de setembro.

O mais intenso daqueles registrados até hoje, em nível nacional, ocorreu em 26 de dezembro de 1940, em Bejucal, que causou 20 mortes, mais de uma centena de feridos e o colapso de muitas casas e outras instalações.

Com uma largura aproximada de 400 metros, atingiu a categoria F4 na escala Fujita-Pearson, que permite classifica-los de acordo com a magnitude do dano observado, com a força do vento estimada em mais de 350 quilômetros por hora.

São impressionantes mais dois tornados F4 registrados nos povoados de Pedroso, em Matanzas, e Cruces, em Cienfuegos, que, com apenas 24 horas de intervalo, ocorreram em maio de 1999, um evento sem precedentes na história de tais fenômenos no arquipélago cubano.

A proporção de casos notáveis também contempla o município Colon, em Matanzas, em 8 de fevereiro de 1978; o de Rodas, em 24 de Outubro de 1952; o de Cienfuegos em 14 de agosto de 1911, e mais recentemente na província Granma, em Campechuela, em 13 de maio de 2012, que danificou dezenas de casas.

PRECISÕES

O tornado é um vórtice violento de ar e vapor de água, que emerge a partir de uma nuvem de tempestade de grande desenvolvimento vertical, que faz contato com a superfície. Tem a aparência de um enorme funil produzido pela poeira, sujeira e os objetos levantados e arrastados por causa da intensidade notável do vento.

Para Cuba em particular, eles geralmente têm uma vida média entre dez e 15 minutos, raramente viajam mais de três quilômetros em seu deslocamento e, em geral, a largura média não excede os 500 metros.

O acima exposto explica por que as estruturas fracas perto da borda externa da trajetória do tornado permanecem quase intactas, enquanto outras muito mais sólidas diretamente afetadas pela área central são totalmente devastadas.

Têm uma pressão atmosférica muito baixa e o raio de giro do vento muito pequeno, o que favorece que possa atingir velocidades próximas ou acima de 500 quilômetros por hora em casos extremos, como ocorreu em maio de 1999, em Oklahoma, Estados Unidos.

São formados quando prevalecem condições de grande instabilidade atmosférica, como a existência de um fluxo de ar muito úmido e quente na superfície, e a prevalência de temperaturas muito frias, entre cinco e seis quilômetros de altura.

Ocorrem associados a linhas de tempestade pré-frontal, frentes frias moderadas e fortes no inverno, ou imersas na circulação de ciclones tropicais.

O surto mais notável de tornados registrados em Cuba nos últimos tempos ocorreu em 16 de março de 1983, quando se registrou um total de sete em áreas de Pinar del Río e da atual província de Artemisa.

A escala Fujita-Pearson agrupa-os em ordem crescente de intensidade, nas categorias de F0, F1, F2, F3, F4, F5 e F6. Assim, um F0 causa dano leve, enquanto um F5 é totalmente devastador.

Devido ao seu desenvolvimento rápido e o diâmetro reduzido, os tornados são difíceis de prever, embora a presença de alguma das condições meteorológicas acima mencionadas permita fazer o aviso da existência de favoráveis para a ocorrência de condições climáticas severas, em uma determinada região, incluindo os tornados.

METEOROLOGIA DIZ     

Uma linha ativa de tempestades formadas na borda dianteira de uma frente fria, associada com uma baixa extratropical no sudeste do Golfo do México, cruzou pelas províncias de Pinar del Rio, Mayabeque e Havana, nas primeiras horas da noite de domingo, 27, e na sua passagem produziu tempestades locais severas, com a ocorrência de ventos com rajadas de mais de cem quilômetros por hora, granizo e um tornado forte que atingiu alguns bairros da capital.

Em San Juan e Martínez, Pinar del Río, houve rajadas máximas de até 115 quilômetros por hora. A estação meteorológica de Casablanca, em Havana, registrou fortes tempestades com rajadas de vento de 101 quilômetros por hora e até de 104 quilômetros por hora entre oito e dez horas da noite, ambas com rumo noroeste.

O tornado produziu um zumbido muito alto ou ruído característico de sua passagem como de um avião a jato, produto do atrito do vento contra os objetos e obstáculos que ele encontra.

A frente fria chegou nas primeiras horas da noite de domingo oeste de Cuba produziu ventos fortes com rajadas de vento de até 90 quilômetros por hora em Casablanca, vindas do noroeste, gerando ondas fortes em toda a costa norte do ocidente da Ilha e enchentes costeiras foram registradas em algumas áreas baixas da capital, incluindo a avenida beira-mar (Malecón), que começaram a diminuir desde o final da manhã.

Fonte: Nota Meteorológica No. 1, do Centro de Previsão do Tempo, do Instituto de Meteorologia.

SOBRE TEMPESTADES LOCAIS SEVERAS

Os tornados são considerados um tipo de Tempestade Local Severa (TLS), muito destrutiva por seus efeitos.

Ainda que a probabilidade de ocorrência seja muito diferente nas diferentes partes do país, não há nenhum ponto em nosso arquipélago que poderia ser considerado fora do impacto.

Isso acontece, principalmente, devido à conformação do território nacional, longo e estreito, e a distribuição desigual entre as áreas ocidentais e orientais, no qual influi, em maior ou menor medida, o fator geográfico chamado de «efeito continentalidade» (distância da costa) e as características geomorfológicas distintas das duas regiões.

A maior frequência das TLSs é relatada entre março a setembro. Além disso, estudos mais recentes deixam claro que as mais poderosas e destrutivas ocorrem no trimestre de março a junho.

A maior parte delas se forma no período da tarde, entre as 15h00 e as 18h00, com ocorrências máximas em torno de 16h00 horas, e são mais frequentes nas planícies e áreas remotas da costa.

O QUE FAZER DIANTE DE UMA TLS?

Quando você observar nuvens escuras, com atividade elétrica, e perceber que o vento começa a aumentar, a primeira coisa é procurar uma instalação resistente, que ofereça segurança.

Se estiver irremediavelmente ao ar livre, não há alternativa a não ser tentar se proteger no local mais baixo que você possa encontrar, e se isso não for possível, ainda deve se posicionar em posição fetal e esperar que o evento meteorológico seja extinto.

Mais de 90% das TLS estão associadas a tempestades elétricas, e é por isso que, entre outras coisas, o uso do telefone fixo deve ser evitado ou permanecer ao ar livre, realizando atividades produtivas, esportivas e recreativas. Ficar ao ar livre pode ser fatal.

Fonte: Entrevista do Granma Internacional ao Mestre em Ciências Jorge Proenza Velázquez, especialista do Centro Meteorológico da província de Holguín.