ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A ciência é chamada a tornar-se um pilar básico da economia nacional. Foto: RAÚL LÓPEZ SÁNCHEZ

CHAMADA para se tornar um pilar básico da economia nacional, a ciência cubana celebrou seu dia com o compromisso renovado de gerar mais riqueza em função do bem-estar da sociedade e alcançar a plena soberania tecnológica da nação.

O dia 15 de janeiro foi escolhido para festejar esse aniversário, porque nessa mesma data, em 1960, o Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz, falando no ensejo do vigésimo aniversário da criação da Sociedade Espeleológica de Cuba (SEC), realizado no Auditório da Real Academia das Ciências Médicas, Físicas e Naturais de Havana, disse: «O futuro de nosso país deve necessariamente ser um futuro de homens de ciência, de homens de pensamento, porque é precisamente o que estamos semeando mais; o que estamos plantando mais são oportunidades de inteligência».

No meio das atividades que lembram esse acontecimento, o Granma Internacional retomou os pronunciamentos de vários representantes da comunidade científica cubana, que explicam por quê os trabalhadores do setor darão apoio majoritário à aprovação da nova Constituição, no referendo do próximo dia 24 de fevereiro

PESQUISA LIGADA AO PAÍS

«É muito gratificante para os trabalhadores da ciência que entre os princípios básicos da nova Carta Magna incluam o desenvolvimento educacional, científico, técnico e cultural, bem como a construção de uma sociedade baseada em informação e conhecimento».

«Afirmamos que a prioridade da pesquisa científica deve ser a solução para os problemas que preocupam o país e os cidadãos em geral. Daremos nossa aprovação a uma Constituição onde se fale da ciência não apenas como parte dos propósitos essenciais do Estado ou nos princípios da política educacional, científica e cultural, mas também de seus fundamentos econômicos».

«Os cientistas cubanos sabem que a economia baseada em conhecimento e empresas de alta tecnologia será uma ferramenta fundamental para se desenvolver como nação».

«Há quase 60 anos, Fidel observou que o futuro de Cuba deve necessariamente ser um futuro de homens de ciência. Hoje, aqueles de nós que trabalhamos no campo nos esforçamos para ser dignos depositantes dessa confiança. Ao dar o nosso voto ao Sim, honramos o legado e os ensinamentos do Comandante-em-chefe». (Doutora Tania Crombet Ramos, pesquisadora e diretora clínica do Centro de Imunologia Molecular).

«As continuidades e mudanças que nós, como povo, vamos endossar, têm a virtude de ser o produto da análise coletiva e da sabedoria popular. Mas, ao mesmo tempo, devemos reconhecer que é uma sabedoria em que muitos fatores concorrem, dados os altos níveis de compromisso político em favor do caminho escolhido desde o início dos anos 60 do século passado e a extraordinária cultura política acumulada em nossa sociedade».

«Para mim, que trabalho no campo das ciências sociais e humanas, estou muito satisfeito em notar que no texto que apoiaremos com a nossa votação individual em 24 de fevereiro, foram coletadas inúmeras sugestões e propostas de centros de pesquisa, universidades e o debate realizado na Sessão Plenária da Academia de Ciências, em 27 de outubro. Vários deles são o produto de diversos estudos relacionados com o poder político de natureza popular em um processo de construção do socialismo, realizado sob condições de subdesenvolvimento econômico e de cerco por parte do vizinho ruim do Norte».

«As precedentes e muitas outras razões que não posso resumir em um espaço abreviado me motivam a votar a favor da nova Carta Magna, que não apenas ratifica o caminho que a transição socialista significa com um horizonte comunista, mas também contribui para a continuidade do caminho escolhido sob novas condições históricas». (Doutora Olga Fernández Ríos, vice-presidenta da Academia das Ciências de Cuba).

«A Constituição que votaremos em 24 de fevereiro contém aspirações legítimas do povo de Cuba, que muitos outros no mundo gostariam de ver refletidas em seus respectivos textos constitucionais. Gostaria de destacar, por exemplo, o que está previsto no artigo 16º, inciso f, que afirma que o Estado promove a proteção e conservação do meio ambiente e o enfrentamento das mudanças climáticas, que ameaçam a sobrevivência do planeta, com base no reconhecimento daquelas responsabilidades comuns, mas diferenciadas».

«Também se estabelece mais adiante que a atividade criativa e investigativa na ciência é livre e que a pesquisa é incentivada com foco no desenvolvimento e inovação, priorizando pesquisas voltadas para a solução de problemas que preocupam o interesse da sociedade e o benefício do povo».

«Da mesma forma, a nova Carta Magna coloca o país alinhado com os tempos e anos atuais, nas mais diversas facetas da vida nacional, mantendo a essência da Revolução e sem renunciar a um patamar de independência conquistada. Então meu voto é pelo Sim». (Doutor José Rubiera Torres, meteorologista).

«Como um cubano nascido após o triunfo da Revolução e um trabalhador do Aquário Nacional, há mais de 20 anos, dizer sim no referendo é, antes de tudo, um gesto de gratidão, porque o nosso centro foi criado por Fidel e a validade do seu pensamento continua sendo decisiva no trabalho da instituição e nos acompanha todos os dias quando fazemos a ciência».

«Aprovar a Carta Magna significa ratificar as bases do Estado socialista, que inclui, entre outros objetivos, promover um desenvolvimento sustentável capaz de assegurar a prosperidade individual e coletiva, com base no progresso científico da nação».

«Darei meu voto consciente a favor da nova Constituição, uma vez que, juntamente com o estabelecimento de diretrizes sobre o caminho para a viagem e sendo o resultado de um exercício inigualável de genuína democracia participativa, mais uma vez destaca a plena adoração da dignidade dos cubanos» (Mestre em Ciências María de los Ángeles Serrano, diretora do Aquário Nacional de Cuba).

SABEDORIA PARA O BEM COMUM

«Esta Constituição garante-nos a máxima liberdade de criação e ação numa sociedade, com o único limite de não afetar a dos outros, que é a única justa. A ciência precisa dessa liberdade para criar conhecimento e a sociedade, por sua vez, exige que seus membros ganhem cultura, aprendam e produzam riquezas sem qualquer limitação».

«Um dos destaques de seu texto final, enriquecido no amplo processo de discussão com todo o povo, é a inclusão de um artigo que confirma que o Estado promove o avanço da ciência, tecnologia e inovação, como elementos essencial para o desenvolvimento econômico e social».

«Além de conter muitos conceitos avançados no campo da ciência e tecnologia, a nova Magna Carta estabelece um marco legal muito construtivo em que podemos legislar e efetivamente e livremente fazer tudo o que leva ao bem da sociedade e cada um de seus membros, usando sabedoria. É por isso que vou apoiá-la com o meu voto». (Doutor Luis Alberto Montero Cabrera, presidente do Conselho Científico da Universidade de Havana).

«Estou certo de que a comunidade científica vai se expressar esmagadoramente pelo Sim na consulta de 24 de fevereiro».

«Em nível pessoal, farei isso para que nossos filhos possam sonhar e se tornar homens e mulheres da ciência, sem nenhum outro requisito além de sua vocação, esforço e talento; para que as mulheres cubanas continuem a ser dignas representantes do potencial humano do país; porque continuamos construindo um sistema inclusivo de ciência, tecnologia e inovação ao serviço da sociedade, onde os desenvolvimentos estratégicos nacionais e territoriais coexistam em harmonia».

«Porque o exercício da ciência em Cuba continue sendo livre, porque as agendas de pesquisa sejam construídas com base nas prioridades do povo e nas motivações e talentos de nossos pesquisadores, porque a ciência preste homenagem à melhoria permanente de nosso sistema socioeconômico, e porque fazer ciência continue sendo uma condição histórica e necessidade de fazer a Revolução, como Fidel nos ensinou em suas palavras fundamentais de 15 de janeiro de 1960». (Mestre em Ciências Alberto Rodríguez Batista, diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação do Citma).