ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Díaz-Canel ordenou entregar rapidamente, conforme estipulado, os materiais de construção para a reparação do fundo de habitação danificado. Photo: Estudios Revolución

O povo cubano é ótimo. Apesar dos detritos ainda sem retirar, da luz elétrica que ainda permanecia sem ser restabelecida, a falta de gás e o serviço de telefonia fixa, as filas um pouco longas para comprar suprimentos e comida elaborada em barracas; apesar dos rostos ainda marcados pelo estresse do trauma causado pela fúria trêmula do tornado de domingo passado, pelos enormes prejuízos que sobraram e pela angústia de quem perdeu suas coisas, inclusive casas em muitos casos; no entanto, a pesar disso, em frente da maternidade de Diez de Octubre (Hijas de Galicia) e no recanto da Calzada de Luyanó, as pessoas se aglomeraram para cumprimentar o presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez; para agradecer à Revolução pelo apoio que está sendo dado após a catástrofe e pela velocidade do trabalho de recuperação, e também para ouvir suas orientações.

Esta área do município Diez de Octubre foi açoitada pelo Tornado do Século, como é chamado, mas em meio às evidência dos danos, das dezenas de trabalhadores da União Elétrica e as múltiplas equipas especializadas esticando e colocando postes e cabos, em meio à azáfama dos funcionários dos sérvios comunais, ainda varrendo e recolhendo despojos de todo tipo, o povo de Luyanó aguardou e foi ao encontro do chefe de Estado. Prestaram atenção absoluta a ele. «Calem-se, deixem ouvir»; «Ei, me dê um espaço», disseram uns aos outros. Não houve reclames, mas vontade de avançar e confiança na Revolução.

O presidente cubano, verificou os esforços de recuperação nas áreas de Havana afetadas pela passagem desse evento natural grave, desde o município de Diez de Octubre até Guanabacoa, incluindo San Miguel del Padrón e Regla, onde conversou com os cidadãos.

Como sempre faz perante o povo, o presidente foi claro e preciso. «Alguns danos podem ser recuperados rapidamente, como o serviço elétrico, que deve ser restaurado na quinta-feira na maior parte», disse, «embora haja alguns pendentes, mas outras questões levarão mais tempo. Não será uma questão de alguns dias, mas tudo deve ser melhor do que antes», disse.

Em alguns lugares, as queixas não faltaram. Como é seu costume, Díaz-Canel escutou, esclareceu, deu critérios bem fundamentados e orientou-os a atendê-los. No início da turnê, ele havia indicado que as pessoas agora eram muito sensíveis; ressaltou que algumas delas, devido à magnitude de suas perdas, talvez pudessem falar de forma quebrada, mas era preciso ter compreensão.

«Este (o tornado) foi um duro golpe e vamos nos recuperar». Serão semanas de trabalho intenso e, em alguns casos, mais, mas a primeira resposta foi positiva», disse. E então se referiu ao trabalho dos trabalhadores da União Elétrica; que se deve continuar coletando os escombros restantes; a prioridade no fornecimento de alimentos e outras ações que devem continuar nos próximos dias. «Ninguém ficará sem alguma proteção», disse.

Díaz-Canel apontou que os danos mais difíceis estão nas casas. E informou que os materiais de construção já estão chegando aos locais afetados e que os suprimentos continuarão. Instou a trabalhar rapidamente na recuperação de casas danificadas e na participação das pessoas, entidades do Estado e familiares e amigos das pessoas afetadas; também pediu para apoiar os trabalhadores do Estado que trabalham para compensar os danos.

O HOSPITAL MATERNO INFANTIL RENASCE

O primeiro local que visitou em 31 de janeiro o presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros foi a maternidade Diez de Octubre, o icônico «Hijas de Galicia», onde verificou o esforço de recuperação e a estratégia para a restauração da seus serviços em breve.

Foi a instituição de Saúde Pública mais prejudicada pelo tornado, que afetou em maior ou menor grau 19 instalações do setor, incluindo dez consultórios médicos. Possui 286 leitos e atende às gestantes de seis municípios.

Nos dias anteriores, iniciou-se o trabalho de reabilitação do hospital, incluindo o serviço de água e o sistema de saúde. «Ao final do trabalho teremos uma instituição melhor do que antes», afirmou o ministro da Saúde Pública, José Ángel Portal Miranda.

O presidente cubano, que estava acompanhado durante a turnê de Luis Antonio Torres Iribar, primeiro-secretário do Partido na capital, e Reynaldo Garcia Zapata, presidente do governo da província, visitou a seguir um ponto de venda de materiais de construção habilitado na estrada de Luyanó, onde perguntou sobre os materiais já disponíveis e aqueles que continuarão a chegar.

Orientou informar à população e abreviar as entregas tanto quanto possível, conforme estipulado. Também levantou a necessidade de estabelecer prioridades, como os telhados. «A primeira coisa que as pessoas precisam é do telhado; depois as janelas e assim por diante», explicou, «e devemos começar a vender os materiais o mais rápido possível».

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros também fez paradas em vários objetivos econômicos severamente danificados pelo tornado, como a Empresa Integral de Serviços Automotivos (Ceisa) em San Miguel del Padrón, e unidade base de negócios Vanguardia Socialista, adstrita à empresa metal-mecânica Varona.

A viagem do presidente continuou então nos armazéns da Companhia Comercializadora e Conformadora de Carpintería Metálica y pvc, conhecida como Gepalsi, localizada no município de Guanabacoa. «Aqui está a maior destruição que eu vi hoje», disse enquanto caminhava pelos escombros do que era, de acordo com alguém, «uma pequena taça de ouro».

Das casas próximas da empresa algumas pessoas chamavam insistentemente o presidente. De uma pequena colina, os vizinhos levantaram as mãos para cumprimentá-lo, e ele acenava, indicando para eles esperarem, que imediatamente estaria perto deles.

Depois de deixar Gepalsi, passou por um caminho que leva a casas no distrito de Chibás. Voltou a dialogar com as pessoas, perguntou se já as haviam visitado para conhecer suas necessidades e elas responderam sim. «O maior problema, disseram elas, é a coleta de lixo». E Díaz-Canel pediu aos funcionários que o acompanhavam para ajudar nisso.

NADA DE AGOBIO, SIM CERTEZA

Minutos antes, outra anedota merece ser lembrada, aconteceu na saída da emblemática instalação Vanguardia Socialista, onde duas mulheres pediram falar com o presidente, e ele saiu do carro para atendê-las.

Contaram-lhe sobre a destruição de suas casas, a perda de quase todos os seus pertences, a Revolução e a certeza de que as soluções chegarão às suas famílias.

«Onde você mora?», perguntou Díaz-Canel. «Avenida abaixo»; repetiram as duas. E pareciam oprimidas.

Díaz-Canel pôs a mão no ombro delas, explicou-lhes a força do tornado, que milhares de pessoas são agora afetadas em Havana, que os primeiros trabalhos foram direcionados para romper os escombros que, pouco a pouco, a água, as comunicações e a eletricidade foram restauradas, e os materiais de construção já estão chegando aos pontos de venda... E pediu calma. Elas entendem que, 72 horas após o tornado, muito foi feito.

Photo: Estudios Revolución
Photo: Estudios Revolución
Photo: Estudios Revolución
Photo: Estudios Revolución
Photo: Estudios Revolución