ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O ministro da Energia e Mineração, Raúl García Barreiro (à esquerda), une-se aos líderes das brigadas para acompanhar de perto o trabalho de recuperação. Foto: Endrys Correa Vaillant

INFORMAR. Essa é uma das intenções com as quais um jornalista sai às ruas diariamente. Hoje em dia as avenidas estão cheias de carros e pessoas trabalhando, tentando restaurar a ordem e a vida cotidiana na cidade de Havana. No entanto, apesar de tanta agitação, no ar há um silêncio ensurdecedor, uma sorte de sentimento de meditação que leva você a manter o gravador no seu bolso e suprimir algumas perguntas.

Com o sentimento de alguém que quer apagar o sofrimento daqueles, cuja vida mudou em minutos, procuro me aproximar a uma das brigadas de eletricitários que trabalham na calçada Via Blanca, perto do bairro Chibás, depois de restaurar a eletricidade nesse circuito, mas uma mulher vem até onde eu estou e diz: «Se você quer medir a força de um tornado, chegue à fábrica que fica a um quarteirão daqui». Eu me viro para vê-la bem, porque o sol me incomoda no rosto.

Manolys Muñiz Vazquez é a gerente geral da unidade empresarial de base Comercializadora e Conformadora de Capintaria Metálica e PVC Gepalsi, pertencente ao Grupo de Empresas da Construção, adstrita ao Ministério da Construção, uma fábrica que sofreu os efeitos da força da natureza.

«A empresa estava prestes a ser declarada pronta para as comemorações dos 500 anos da capital, graças a todas as ações realizadas no mês de novembro: reformas e equipamentos de primeira geração prontos. Com o tornado, sofreu um colapso total», diz Manolys.

O presidente do Governo e o secretário do Partido da cidade foram até lá para apoiar todos os trabalhadores e contaram com a ajuda da Companhia de Manutenção de Cimento, com a de suas brigadas, e da companhia Cubisa. Embora o cenário seja sombrio, Manolys continua otimista.

Mais de 1.200 homens estão divididos em 200 grupos de trabalho. Foto: Endrys Correa Vaillant

«Tivemos o apoio da nossa principal organização de gestão de negócios, embora o esforço que precisamos fazer para recuperar seja intenso. Os trabalhadores têm bom ânimo, vamos levantá-la novamente em outro espaço que já estamos habilitando e vamos avançar, só precisamos de confiança na empresa e em nossos trabalhadores».

ELETRICITÁRIOS: UMAS MÃOS CHEIAS DE VIRTUDES

Os dias de trabalho são de 12 horas. Agrupados em brigadas, os eletricitários trabalham na restauração do serviço elétrico em cada área afetada da capital. Seu trabalho é duro, perigoso, mas constante.

Grigor Rodríguez Mesa, chefe de Operações do município de Abreus, da província de Cienfuegos, é responsável por um dos grupos que restaurarão as principais linhas de distribuição na estrada Vía Blanca.

«É uma área complicada pelo tráfego invariável de carros. Trabalhar nestas condições dificulta o trabalho, mas também tomamos nossas medidas para garantir a segurança das pessoas e dos nossos trabalhadores. O principal objetivo é que a tarefa seja bem feita e restabelecer o serviço o mais rápido possível», disse Rodriguez Mesa.

Alguns metros à frente, outra brigada levantou um enorme poste. Fidel Ramon Gonzalez Pena, chefe da brigada vinda também de Cienfuegos, explica que as linhas de distribuição primárias são aquelas que as pessoas chamam comumente como grandes postes e as linhas de subtransmissão são as que levam a eletricidade até as casas.

«Este é o circuito mais afetado, com mais estruturas e condutores no piso (cabos) e, é claro, conforme repararmos o serviço será restaurado», explica.

No meio do tumulto que existe na Calzada de Luyanó, o ministro da Energia e Mineração, Raúl García Barreiro, junta-se aos líderes da brigada para acompanhar de perto o trabalho de recuperação.

«Um furacão dá tempo para fazer toda a garantia de logística das obras, mas o tornado é um acontecimento súbito e inesperado. No entanto, desde a madrugada de segunda-feira, as brigadas e os trabalhadores foram mobilizados para reparar todos os danos causados», confirmou García Barreiro.

Os grupos de apoio provêm das províncias Ciego de Ávila, Sancti Spíritus, Villa Clara, Cienfuegos, Matanzas, Mayabeque, Artemisa e Pinar del Río. Mais de 1.200 homens distribuídos em 200 grupos de trabalho.

Em relação ao restabelecimento do serviço de energia elétrica em sua totalidade, o ministro considera que as obras fundamentais devem ser concluídas nas próximas 48 horas. Após a passagem do tornado, mais de 200.000 clientes foram afetados e até quarta-feira, mais de 130.000 tiveram o serviço restaurado. «Estamos trabalhando intensamente e temos todos os recursos materiais e humanos em função disso», disse.

Prova disso é o desempenho do engenheiro Carlos Isaac Rodriguez, diretor-geral da Companhia de Eletricidade de Sancti Spiritus, a cargo da restauração do serviço em quatro circuitos que abrangem desde a Calzada de Luyanó, parte da Avenida de 10 de Octubre até o hospital de maternidade de Diez de Octubre, onde 9 mil consumidores foram afetados.

«A área de Luyanó está devastada e os efeitos foram fortes. A passagem de fenômenos como este é mais violenta e focada, pode gerar até uma afetação mais séria que a de um furacão de alta intensidade», disse Isaac Rodríguez.

No comando de um grupo de 64 trabalhadores, tais como eletricistas, pessoal de apoio, técnicos de linhas e a cargo dos suprimentos, eles afirmam que em casos como este trabalho é feito sob maior pressão, porque com um tornado as afetações são muito específicas, principalmente as linhas primárias de distribuição, os postes maiores, e aquelas pessoas que não sofreram danos ou perdas podem questionar por que não têm eletricidade se sua área não sofreu a passagem do fenômeno natural, no entanto, o que aconteceu a poucos quarteirões de onde eles moram acaba afetando-os.

O chefe da brigada pertencente ao Contingente José Martí, Miguel Ángel Mosqueda García, tem a mesma opinião. «Este tipo de afetações são mais violentas, elas destroem tudo em seu caminho».

Embora o esforço seja grande e os desejos que a vida cotidiana retorne o mais rápido possível ao normal na capital, continuam tendo afetações elétricas os municípios Regla, Habana del Este, Guanabacoa, San Miguel del Padrón e Diez de Octubre. Nos outros dez já foi restaurado o fluido elétrico.