ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Foto: misionverdad.com

O governo revolucionário condena veementemente a sabotagem ao fornecimento de eletricidade na Venezuela, que constitui um ato terrorista, destinado a prejudicar a população indefesa de uma nação inteira, que é usada como refém na guerra não convencional desencadeada pelos Estados Unidos contra o governo legítimo, presidido pelo companheiro Nicolás Maduro Moros e a união cívico-militar do povo bolivariano e chavista.

Políticos americanos correram para celebrar um ato que priva a população de um serviço básico fundamental, deixa hospitais sem a energia necessária para operar, interrompe outros serviços elementares e essenciais à vida cotidiana, como alimentos, abastecimento de água, transporte, comunicações, segurança pública, comércio, transações bancárias e pagamento por cartões; afeta o trabalho em geral e impede o funcionamento de escolas e universidades.

A sequência e a modalidade dos eventos lembram a sabotagem realizada à indústria do petróleo, em 2002, perpetrada então por uma empresa norte-americana proprietária e operadora do sistema automatizado de produção, refino, transporte e distribuição de produção.

Também contribui para a implacável guerra econômica e financeira à qual a Venezuela está sujeita, com o objetivo claro de vencer por causa das carências e privações a vontade política e soberana de um povo que não se deixou abater.

É uma escalada na guerra não convencional liderada pelo governo dos Estados Unidos contra aquele país irmão que se desenvolve após o fracasso da provocação montada em 23 de fevereiro, com a tentativa de entrar à força uma suposta ajuda humanitária para a Venezuela, desafiando as autoridades legítimas do país, em violação do Direito Internacional e das normas e princípios da Carta das Nações Unidas, com o objetivo de causar mortes e violência em grande escala, como pretexto para uma «intervenção humanitária».

A experiência da história de Cuba e de outros países da região mostra que essas ações são o prelúdio de atos maiores de violência, como a invasão armada pela Baía dos Porcos, em 1961. A comunidade internacional tem evidências suficientes para ser avisada.

O usurpador e autoproclamado «presidente», criado pelos Estados Unidos disse publicamente que, quando chegasse a hora, invocaria o artigo 187º da Constituição para autorizar o uso de missões militares estrangeiras no país e repetia exatamente a mesma frase que seus mentores americanos usam: «Todas as opções estão na mesa». A única coisa que está faltando é que ele receba a ordem de Washington, pois sabe-se que em sua viagem pela América do Sul já pediu a certos governos apoio para uma intervenção militar em seu país.

A ofensiva contra a Venezuela é acompanhada por uma feroz campanha de propaganda macarthista e mentiras, coordenada pelo Conselheiro Nacional de Segurança do país, John Bolton, como pretexto para a vigorosa aplicação da Doutrina Monroe, ativamente acompanhada pelo senador anticubano Marco Rubio, que com o uso frenético das redes sociais, evidencia sua atenção e envolvimento pessoal e conspiratório, nas manobras contra a Venezuela.

Entre os pronunciamentos mais persistentes e desavergonhados está a calúnia de que Cuba tem «entre 20 e 25 mil militares na Venezuela», os que «exercem domínio» naquele país fraternal e soberano, e que «mantêm ameados» os membros da gloriosa e combativa Força Armada Nacional Bolivariana. Cuba rejeita categoricamente esta mentira, uma vez que rejeita igualmente e de maneira firme qualquer sugestão de que existe algum grau de subordinação política da Venezuela a Cuba ou de Cuba à Venezuela.

John Bolton é um mentiroso reconhecido, com credenciais de longa data. Este funcionário foi o que em 2002 acusou Cuba de ter um programa de desenvolvimento de armas biológicas, uma falácia publicamente negada por quem era então seu chefe, o ex-secretário de Estado Colin Powell, e pelo ex-presidente James Carter. Essa mentira também fez com que Bolton fosse submetido a uma investigação pelo Congresso dos Estados Unidos.

Bolton também esteve entre os promotores da mentira de que o governo do Iraque possuía armas de destruição em massa, em 2003, e um programa para desenvolvê-las, que, repetido em todos os níveis do governo dos EUA e amplificado pela grande mídia, serviu como pretexto para a agressão e ocupação militar daquele país do Oriente Médio pelos Estados Unidos, a um custo de cerca de um milhão de mortes e milhões de iraquianos deslocados, além de milhares de soldados norte-americanos mortos e feridos durante a campanha militar O objetivo também era o petróleo.

Como tem sido divulgado publicamente, e as pessoas honestas e informadas sabem, a relação bilateral entre Cuba e Venezuela é baseada no respeito mútuo, na verdadeira solidariedade, no compromisso comum bolivariano e martiano, fidelista e chavista, com a integração da «Nossa América», independente e soberana; no desejo de praticar a cooperação complementar entre os povos do Sul e no esforço de aplicar e defender a Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz.

Nos projetos do Acordo Integral de Cooperação assinado entre os dois países, pouco mais de 20.000 cubanos estão participando, sendo a maioria mulheres, 96% das quais dedicadas à prestação de serviços de saúde à população, e outras que trabalham em setores como educação, cultura, esportes e agricultura e alimentos.

O impacto cumulativo na Venezuela desta cooperação, apenas para mencionar alguns dados, ajudou a salvar 1,4 Milhão (1.473.117) de vidas, a realizar 717.029.310 testes de diagnóstico médico, a prestar cuidados oftalmológicos a 62.031.309 pessoas, a administrar 12.915.648 vacinas contra o sarampo e a tuberculose, às quais podem ser adicionadas 3.095.546 de pessoas alfabetizadas.

É totalmente falso que Cuba esteja participando das operações das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas ou dos serviços de segurança. É uma calúnia deliberadamente disseminada pelo governo dos Estados Unidos. Quando Bolton, outros políticos e funcionários do governo dos EUA a utilizam, estão mentindo deliberadamente, com fins políticos agressivos, porque eles têm dados e informações suficientes e sabem a verdade.

Cuba não intervém nos assuntos internos da Venezuela, pois a Venezuela não intervém nos assuntos de Cuba.

Ao contrário dos Estados Unidos, que tem cerca de oitenta bases militares na América Latina e no Caribe, incluindo a que usurpa o território cubano em Guantánamo, e cerca de oitocentos no planeta que têm mais de 250.000 soldados; Cuba não tem em nenhum país, nem especialistas em tortura e repressão policial, nem em prisões secretas, forças navais ou aéreas rondando as costas e o espaço aéreo imediato de Estados soberanos ou satélites, observando todos os detalhes.

Com mentiras, o imperialismo promoveu o sangrento golpe de estado de Augusto Pinochet no Chile e muitos outros golpes e ditaduras repressivas na região. Com mentiras, mais de 10 mil cidadãos indefesos foram assassinados na invasão militar do Panamá, em dezembro de 1989. Eles provocaram a agressão militar e a desestabilização da Líbia.

Com as mentiras, os Estados Unidos e outras potências mantiveram até a última hora o apoio total ao opressivo regime do apartheid na África do Sul.

O Governo Revolucionário adverte e denuncia que a tendência de mentir sem limites e sem restrições por parte do governo dos Estados Unidos já teve consequências perigosas no passado, que poderiam ser repetidas no presente.

Havana, 11 de março de 2019