ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
«Em nome da liderança do nosso Partido, recebam um merecido reconhecimento pelo trabalho feito por todas as nossas mulheres», disse Machado Ventura. Foto: Dunia Álvarez Palacios

Discurso proferido pelo segundo secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba, José Ramón Machado Ventura, na cerimônia de encerramento do 10º Congresso da Federação das Mulheres Cubanas (FMC), no Palácio de Convenções, em 8 de março de 2019, «Ano 61º da Revolução»

(Tradução da versão estenográfica - Conselho de Estado)

General-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba;

Companheiro Miguel Díaz-Canel Bermúdez, presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros;

Companheiras e companheiros da presidência;

Queridas delegadas e convidadas:

Este 10º Congresso, pela profundidade das intervenções que foram feitas nele, constitui uma amostra evidente de quanto a mulher cubana avançou nestes anos de Revolução.

E não me refiro apenas a esses três últimos dias, mas ao tom predominante de todo o processo, desde a base até as assembleias municipais e provinciais. Foi a

realização de abordagens precisas e contribuidoras, o espírito de combate e o profundo patriotismo das nossas mulheres afiliadas à FMC.

São filhas de um povo que, se algo não lhe faltou ao longo da história, foram os difíceis desafios, o trabalho intenso e as constantes agressões de inimigos poderosos, em primeiro lugar o governo imperialista dos Estados Unidos, que hoje se esforça em reviver a triste era dos fuzileiros navais ianques invadindo, um após o outro, os países da Nossa América, quase sem exceção.

Diante de cada ato agressivo, os cubanos e as cubanas firmemente unidos, com serenidade e determinação, assumimos invariavelmente o preço implícito da decisão de viver com a cabeça erguida.

O mesmo está fazendo hoje, novamente, o irmão povo da Venezuela, bolivariano e chavista, com seu extraordinário exemplo de coragem e dignidade, defendendo a verdade contra o enorme desdobramento de mentiras e pronto para enfrentar a agressão militar com que algumas mentes febris sonham nos Estados Unidos, com o aplauso vergonhoso de traidores e entreguistas.

Reafirmamos nosso apoio incondicional à Venezuela, a seu povo e ao governo legítimo chefiado pelo presidente Nicolás Maduro Moros, juntamente com a decisão de continuar fazendo tudo ao nosso alcance para impedir que a guerra, o sofrimento e a morte dominem nossa região, coerente com o acordado pelos chefes de Estado ou de Governo do continente, que há cinco anos, aqui em Havana, endossaram com sua assinatura a Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz.

Com igual firmeza e convicção, os cubanos e as cubanas, no dia 24 de fevereiro, demos um forte Sim à nova Constituição da República. Com isso ratificamos a decisão inabalável de preservar nosso socialismo, agora com uma Carta Magna ajustada às tarefas e condições do presente e do futuro.

Ampla e marcante foi a participação de nossos compatriotas na consulta popular exemplar, sem paralelo em outras latitudes, em que a inteligência coletiva contribuiu tanto que a nova Lei das Leis endossou com clareza as conquistas revolucionárias, e não menos importante: traçar a caminho para alcançar aquelas que, sem dúvida, acrescentaremos no futuro.

Com especial ênfase, a Constituição expressa a plena igualdade das mulheres e seus direitos em todas as ordens, o papel primordial da família, o dever do Estado e da sociedade como um todo para proteger as crianças e os desamparados, enfim, as muitas realidades presentes em Cuba, que infelizmente não vão além de serem quimeras para a grande maioria dos povos do mundo.

Não é necessário expandir isso, são coisas bem conhecidas pelo nosso povo e vocês as abordaram com ênfase em suas intervenções.

Limito-me a lembrar que hoje em Cuba metade das responsabilidades de gestão no Estado e no Governo são realizadas por mulheres, incluindo mais de 42% dos chamados «cargos de decisão». E na Assembleia Nacional do Poder Popular, como sabem, as deputadas representam 53,2% da atual Legislatura.

Não se trata de qualquer presente ou concessão de ninguém. Tal como afirmou o companheiro Raúl, em sua mensagem de felicitações à Federação das Mulheres Cubanas, por ocasião do seu 35º aniversário, quando disse:

«A Federação não só desempenhou um papel decisivo na batalha pela igualdade das mulheres, que Fidel compreendeu na época que estava apenas começando; fez algo ainda mais importante; conquistou o direito de todos os cubanos de sentirem isso como coisa sua, porque nossas mulheres afiliadas puderam juntar seus esforços no trabalho, estudo e defesa, elas sempre estiveram dispostas a compartilhar com seus parceiros alegrias, perigos e dificuldades».

Também, nas últimas eleições, a proporção de delegadas distritais aumentou para quase 36%. No entanto, ainda não estamos satisfeitos com essa proporção, que não corresponde ao papel e às tarefas que as mulheres desempenham na comunidade.

Sabemos que não é por falta de prestígio ou de autoridade, pelo contrário, muitas vezes é o desejo de proteger a vizinha que, quando vem do local de trabalho, inicia outro dia, geralmente mais intenso, enquanto continua assumindo a maior parte das tarefas caseiras. É algo em que os homens temos avançado um pouco, mas não o suficiente. As instituições também devem se esforçar para desenvolver serviços e produtos que diminuam o ônus das tarefas domésticas, na medida em que as possibilidades econômicas permitam.

O avanço das mulheres em todas as ordens constitui uma força importante para a Federação das Mulheres Cubanas e a coloca em posição de considerar esforços superiores. A força feminina já é decisiva em setores chaves, não só em educação e saúde, onde estão há muito tempo, mas também, e cada vez mais, em produções e serviços de grande peso na economia nacional.

Portanto, devemos pensar em formas que contribuam para um papel mais preponderante da Federação das Mulheres Cubanas nessas importantes frentes, sem diminuir a atenção ao resto.

Muitas vezes as delegadas mencionaram nosso Comandante-em-chefe; ao general-de-exército Raúl Castro Ruz e Vilma Espín, presidenta para sempre desta organização (Aplausos). Não poderia ser de outra forma. Em cada conquista alcançada pela mulher cubana nestes anos está presente o pensamento e a ação permanente deles, não raramente contra conceitos e preconceitos profundamente enraizados nas mentes de muitos de nossos compatriotas.

Nessa longa batalha que ainda continua, mas na qual os sucessos já são notáveis, é necessário destacar o extraordinário papel desempenhado por Vilma. O amor e a paixão com que trabalhou em prol de crianças, jovens e pessoas discriminadas ou desfavorecidas (Aplausos); sua batalha permanente para que prevalecesse, cada vez mais, o respeito pelos direitos de todo ser humano, sem qualquer distinção. Sua infinita paciência para, com a doçura que a caracterizou, persuadir, convencer, sem impor critérios, mas com total firmeza e sem fazer a menor concessão de princípios.

A melhor homenagem a Vilma é dar continuidade ao seu trabalho, e é isso que nossas mulheres federadas fizeram. Elas chegaram a este Congresso com resultados superiores nos principais indicadores, particularmente no trabalho das delegações e blocos, o elo onde o trabalho da organização realmente se materializa e se torna efetivo.

Esses avanços têm como ponto de partida a análise objetiva e autocrítica de seu trabalho, o qual vem sendo acompanhado de um esforço organizado e sistemático, com o fim de resolver cada deficiência de forma gradativa, sem pretender dar saltos espetaculares. Sabemos que isso exigiu um esforço considerável, especialmente das líderes profissionais e da base, que muitas vezes tiveram que aceitar o trabalho de outras vagas.

Vai sendo melhor entendido em todos os níveis que as circunstâncias atuais diferem muito daquelas que existiam anos atrás. Uma realidade que atua nas mentes das pessoas e se manifesta em seu comportamento. Seria absurdo pensar que os métodos e formas de ação que a organização usou anos atrás produzirão os mesmos frutos no presente.

E não perder tempo lamentando que as pessoas não respondem ou o entusiasmo diminuiu, mas valorizar o que não foi bem feito e pensar com espírito inovador. É por isso que é tão valioso que, como resultado do processo orgânico do Congresso, continue melhorando a proporção entre líderes experientes e jovens, já que estas, por razões óbvias, são as que estão mais dispostas a explorar novos caminhos.

Obviamente, o que foi dito acima não significa que está tudo bem, e este Congresso o analisou, onde, felizmente, coisas tão nocivas quanto a complacência e o triunfalismo estiveram praticamente ausentes. Sempre haverá lugares que avançam menos, deficiências novas ou antigas a serem erradicadas, problemas para resolver e incompreensões que explicar. Essa é a batalha perene do revolucionário.

Isto é especialmente verdadeiro em uma organização como esta, que integra mais de 90% das mulheres adultas e adolescentes no país. Elas representam uma ampla gama de interesses, costumes, conhecimentos, etc., mas estão unidas por algo decisivo: são todas cubanas e amam a terra onde nasceram. É um ensinamento cardinal que nosso camarada Fidel transmitiu a nós naquele histórico dia 23 de agosto de 1960, e é a bússola que deve sempre nortear a organização.

Como vocês avaliaram, ainda existem inadequações no funcionamento interno, especialmente em algumas estruturas básicas e até mesmo em nível municipal.

As tarefas organizacionais, os documentos e controle não são em si um objetivo a ser alcançado; eles não devem ser o centro de trabalho ou serem superdimensionados, porque as reuniões e os documentos não resolvem os problemas.

Mas o acima dito não pode ser interpretado como não sendo importante. Eles são a base da coesão, da ação unida e encaminhada a um fim.

Sem o funcionamento adequado, o trabalho efetivo nas frentes fundamentais é impossível: por exemplo, a arrecadação das cotas ou contribuições, cujas deficiências foram muito discutidas no Congresso, contribui para a coesão, o contato com as afiliadas e o sentimento de pertença à organização, isso é algo mais importante do que a contribuição para o autofinanciamento, que obviamente também é necessário.

Ao funcionamento, portanto, é necessário dar-lhe a atenção necessária, sob o princípio de que não há dois lugares com a mesma situação e em cada um deles deve ser feito o que é necessário. O Partido em todos os níveis tem que colaborar mais com vocês nisso, especialmente nos municípios.

Em frentes de grande importância, como o trabalho social e a prevenção, houve, sem dúvida, progresso e hoje a situação é melhor do que há cinco anos. Aqui mencionamos as muitas tarefas importantes realizadas pelas Casas de Orientação para as Mulheres e a Família, a Editora e o Centro de Estudos da Mulher, e as muitas experiências positivas em províncias e municípios, que demonstram a importância de incentivar a criatividade na base.

A maioria, como é lógico, foi realizada em conjunto com outras organizações políticas e de massa, e com especialistas dos Ministérios da Educação, do Trabalho e da Previdência Social, da Saúde Pública ou do Ministério do Interior, que, tal como o Congresso reconheceu, estiveram permanentemente dispostos a colaborar com a Federação das Mulheres Cubanas, não apenas porque é seu dever, mas porque eles entendem que essa aliança estreita é benéfica para sua organização e para o país como um todo.

Satisfaz, acima de tudo, verificar que vocês são as primeiras em desacordo com o que foi alcançado; que estão conscientes da necessidade de fazer muito mais, especialmente no interesse da prevenção, uma frente em que, devido ao alto grau de sensibilidade e humanismo que exige, é insubstituível no trabalho das mulheres: "o mel do seu carinho"; como disse José Martí.

Quando o problema já existe, não há alternativa senão enfrentá-lo, mas é mais valioso detectá-lo a tempo e agir diante de causas e condições que constituam um terreno fértil para o comportamento antissocial ou criminoso, ou quando há indícios de que alguém está a caminho de assumir um deles.

Peço-lhes que estejam atentas a outros problemas que não têm esse caráter, como a gravidez precoce, mas que afetam muito as adolescentes, seus filhos, o resto da família e, portanto, a sociedade.

Estejam cientes de que o essencial não é o número de tarefas concluídas, mas a qualidade e a eficácia delas. Perguntar todas as vezes se as ditas tarefas estão dando certo, se são realmente apropriadas para aquele lugar e hora específicos, porque nenhuma situação permanece estática.

A comunidade é e sempre será o cenário por excelência da Federação das Mulheres Cubanas e, como elementos básicos dela, a escola e a família, especialmente com esta última é necessário aumentar e aperfeiçoar o trabalho da organização.

No bairro nossas compatriotas desfrutam de um respeito e consideração mais do que merecidos, conquistados no confronto diário com as muitas dificuldades que o bloqueio impõe à vida doméstica e por serem, como ninguém, porta-bandeiras da solidariedade entre vizinhos, solidariedade que possibilitou superar inúmeros obstáculos, especialmente quando há sérios desastres naturais ou outras situações difíceis, como aconteceu no ‘período especial’, por sua dedicação estoica ao cuidado de avós, pais e filhos, e a educação de crianças, adolescentes e jovens.

A defesa ainda continua sendo uma frente muito importante, pois isso ficou bem demonstrado nos eventos mais recentes. Entre outras tarefas, a Federação das Mulheres Cubanas deve contribuir para que mais meninas, e especialmente seus pais, compreendam o valor do Serviço Militar Voluntário para Mulheres, em um país onde a situação demográfica torna essencial a contribuição das mulheres para as Forças Armadas, em cujas fileiras elas também consolidam seu treinamento e têm amplas possibilidades de melhorar.

Continuarão havendo muitas coisas para fazer e métodos e maneiras de realizá-las, mas tenham sempre em mente que nada substitui a conversa franca e direta com as pessoas. É valioso para estimular aqueles que se destacam ou reconhecer aqueles que simplesmente cumprem seu dever, independentemente de tributos e diplomas. É ainda mais quando se trata de esclarecer questões importantes ou influenciar positivamente alguém que está cometendo erros.

Conversar, como insiste o companheiro Raúl frequentemente, olhando diretamente nos olhos das pessoas e criticando francamente a atitude negativa. Fazer isso como um igual, não na pose do superior que diz um sermão ao subordinado.

Esse trabalho diário, que em regra permanece anônimo, é, no entanto, a maior contribuição da Federação para o esforço de tornar nossa sociedade melhor, mais disciplinada, mais justa e mais solidária a cada dia.

À medida que mais líderes profissionais, líderes de base e afiliadas, em geral, adotem essas ideias e ajam de acordo a isso, mais eficaz será o trabalho da Federação das Mulheres Cubanas.

Agora, tal como foi feito após o Congresso anterior — e melhor, na medida do possível — a primeira coisa é implementar os objetivos aprovados. Avaliá-los no Comitê Nacional e, em seguida, em cada província, município, bloco e delegação, para realizar imediatamente as ações que permitam materializar aqueles que se ajustam às características específicas de cada local.

Prezadas companheiras:

A Federação das Mulheres Cubanas conseguiu se manter no lugar de honra ao qual Vilma soube levá-la; tem sido consistente com o compromisso de ter sido fundada pelo líder histórico da Revolução, que foi também o seu principal promotor, o mais convencido da sua importância e do seu papel insubstituível na sociedade e, ao mesmo tempo, o principal motor de cada uma de suas tarefas.

Em nome da liderança de nosso Partido, recebam um merecido reconhecimento pelo trabalho realizado por todas as nossas afiliadas, pela direção da organização e sua secretária geral, a companheira Teresa Amarelle Boué.

Como o companheiro Fidel as exortou, em 23 de agosto de 1960, quando disse:

«E agora, devem trabalhar, organizar e colocar em atividade o espírito criativo, o entusiasmo da mulher cubana, para que a mulher cubana, nesta etapa revolucionária, faça desaparecer até o último vestígio de discriminação; e a mulher cubana venha ocupar, por suas virtudes e seus méritos, o lugar que lhe corresponde na história da pátria».

Afiliadas:

Estejam sempre na mesma altura desse apelo ao combate, que tem uma validade permanente!

Viva a Federação das Mulheres Cubanas! (Exclamações de: «Viva!»)

Glória eterna a Vilma Espín! (Exclamações de: «Glória!»)

Viva Fidel! (Exclamações de: «Viva!»)

Viva Raul! (Exclamações de: «Viva!»)

Pátria ou Morte!

Venceremos! (Ovação)