ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O Terminal de Contêineres de Mariel é projetado para operar navios NeoPanamax e possui 702 metros lineares de doca. Foto: Ricardo López Hevia

LOCALIZADO a 45 quilômetros de Havana, o Terminal de Contêineres (TC) de Mariel, primeiro usuário da Zona Especial de Desenvolvimento, é uma empresa cem por cento cubana e também gerida sob um contrato de gestão, em longo prazo, por PSA International, primeiro operador portuário em nível mundial.

«O TC de Mariel foi concebido com crescimentos econômicos e, apesar de estarmos um pouco atrás da evolução das rendas, esperamos superar esse atraso nos volumes de carga», precisou ao Granma Internacional o diretor-geral Alistair Charles Baker.

«Vamos muito ligados à evolução econômica no país e sabemos que tem seus desafios, maiores com a eleição, em 2016, de um novo governo nos Estados Unidos, que foi o mais forte na aplicação das suas regras contra Cuba», acrescentou.

O Terminal de Contêineres de Mariel é projetado para operar navios NeoPanamax e tem 702 metros lineares de cais e uma profundidade de 17,9 metros em toda a sua caixa de atracação; a doca de manobra dos navios tem um diâmetro de 500 metros e uma profundidade de 15,9.

Em meio de uma baía de águas profundas, está localizado no centro das principais rotas marítimas dos eixos norte-sul e leste-oeste, que requerem de um segundo porto de transbordo no Caribe e no Golfo do México, o que o coloca em uma posição vantajosa para o comércio com a costa leste dos Estados Unidos.

O TC de Mariel é fornecido com quatro guindastes super pós-Panamax — também conhecidos como guindastes de pórtico — com capacidade de 65 toneladas cada; parque de contêineres com uma capacidade combinada anual de 800 mil TEUs (unidade de medida que exprime a capacidade de carga dos contêineres), operados por 12 guindastes para pátio RTG, em pneus, com capacidade de elevação de 40 toneladas cada, 22 tratores de cunha para o tráfego interno de operações, dois manipuladores de contêineres vazios e apresenta 1.140 tomadas para ligar os contêineres frigoríficos (ligações reefers).

O TC de Mariel é equipado com quatro guindastes super post-Panamax, com capacidade de carga de 65 toneladas cada. Foto: Ricardo López Hevia

O terminal também tem um pátio ferroviário de última geração de quatro trilhos operacionais de 650 metros cada e uma linha para a entrada e saída de locomotivas, onde as operações são realizadas com dois modernos guindastes RMG, com uma capacidade de elevação de 40 toneladas cada.

«No caso dos investimentos para o futuro, uma das razões pelas quais foi criado o TC de Mariel é o transbordo internacional e, assim, torná-lo um hub (centro de distribuição). Para isso é necessário preparar plenamente o porto para que possam entrar navios maiores», explicou o diretor-geral.

Acrescentou que as empresas cubanas de dragagem já estão trabalhando nesse processo, pois envolve ampliar e aprofundar o canal de acesso. «Durante o ano de 2019, devem ser implementados em etapas e prevemos que no decurso do ano entrariam navios maiores dos que estamos processando atualmente», disse.

«Este é um passo crítico», comentou Charles Alistair Baker, «porque a TC de Mariel foi projetada para isso e quando isso acontecer poderemos começar a negociar com algumas operadoras internacionais a possibilidade de que os serviços regulares que vêm à região sejam baixados no nosso país e depois, com um navio menor, sejam transbordados para seus destinos finais».

«É questão de que a operadora de transporte veja a viabilidade logística e econômica; é um trabalho um pouco complexo, mas se for bem sucedido, irá fornecer mais volume de carga para o terminal», acrescentou Charles Alistair Baker.

A conclusão do projeto envolve o preenchimento de 1.700 metros de cais e 95 hectares de pátio, o qual permitirá alcançar em estágios os 2.400 metros de cais e uma capacidade operacional anual de mais de três milhões de TEUs, por sua vez, aumentando o equipamento tecnológico totalizando 24 guindastes STS e 72 guindastes RTG.

Da mesma forma, no futuro, aumentará o número de tratores em 132, os guindastes RMG em 18, quatro manipuladores a vácuo e 2.500 conexões reefers.

No entanto, precisou o diretor-geral do TC de Mariel, a capacidade instalada de 800 mil TEUS permite que continuem operando e até cresçam à medida que o projeto chega ao fim, já que hoje o tráfego está próximo dos 350 mil.