ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

VISUALIZAR a flora e fauna, os ecossistemas, a evolução geológica, os traços dos fósseis e as atrações naturais para uma convivência harmônica com o meio ambiente e uma aprendizagem para a proteção e cuidado deste, em qualquer uma das circunstâncias em que viva o ser humano, é uma das possibilidades oferecidas pelo turismo de natureza.
A 12ª edição do evento internacional Turismo de Natureza, Turnat 2019, a ser realizada em ambientes naturais cubanos de 23 a 29 de setembro oferece aos turistas que amam o cuidado e proteção do meio ambiente a oportunidade de participar da paisagem natural de Cuba
É um encontro líder para os entusiastas de viajar e desfrutar das montanhas, rios, cachoeiras, cavernas e outras qualidades do ambiente. Também para os operadores turísticos e profissionais dedicados ao ramo de ecologia e da biologia marinha, bem como para fotógrafos especializados em temas da natureza.

Como é sabido, este evento realizado a cada dois anos durante uma semana, será dedicado a destinos importantes na área central: Pantanal de Zapata, Cienfuegos e Trinidad. Criou um programa abrangente de rotas e circuitos atraentes, divididos em sete grupos, dos quais cinco para passeios, um de pesca e outro de mergulho.
Em Turnat podem ser desfrutados a partir da observação de pássaros, trekking, eventos acadêmicos, visitas a áreas protegidas, passeios a cavalo, Ecolodging, camping, agroturismo, visitas a fazendas, criadouros de animais, turismo náutico, passeios em motocicletas, campismos, visitas a cavernas, canopy , passeios de carro e outras questões especializadas, patrocinado pela empresa cubana Ecotur, o Ministério do Turismo de Cuba e outras instituições.

LOCAIS PARA VISITAR
Várias acomodações em espaços naturais estão disponíveis para estes dias, uma delas é a Villa de Recreo Ma Dolores, nas proximidades das cidades de Cienfuegos e Trinidad. Seu diretor, Luis Alberto Pedraza Estrada, disse ao Granma Internacional que a instalação simula a vida rural cubana e até um dia de festa.
«Nos jardins, temos muitas árvores frutíferas que os clientes podem usar. As cabanas de alojamento foram construídas parecendo as casas onde viviam nossos camponeses. Aqui a história de Ma Dolores é recriada, uma escrava que curava com plantas medicinais, tanto a seus donos quanto aos escravos. Em algum momento, ela foi acusada de bruxaria e expulsa do lugar onde viveu na adolescência. Depois curou muitos mambises nas guerras da independência contra a Espanha», explicou o também formado em Cultura Física.
Muito perto é o rio Guaurabo, pelo qual transitaram as expedições de Hernán Cortés e Diego Velázquez, que fizeram uma circunavegação de Cuba no século 16 e, em seguida, foi visitado pelo cientista alemão Alexandre von Humboldt. Além disso, constituiu uma via marítima para o transporte de mercadorias que entravam e saíam da cidade de Trinidad.
Lá são feitos reparos e melhorias para Turnat, principalmente nas redes de fornecimento de água e em aumentar o conforto dos 65 quartos que se assemelham a um assentamento populacional de escravos utilizados na cultura da cana de açúcar, do qual são conservadas algumas peças arqueológicas que são mostradas em museus da capital e da província, segundo Pedraza Estrada.
Semelhante preparação é executada no ecolodge Jarico, localizado em Lomas de Banao, pertencente ao maciço montanhoso de Guamuaya no centro-sul de Cuba, onde têm capacidades para acomodar os visitantes em casas e tendas rústicas de lona, listado como um refúgio natural por sua localização em um terreno arborizado, rural e de difícil acesso.
Eles recebem grupos compostos de 12 ou 15 pessoas que vêm fazer escalada, caminhadas e cavalgadas em mulas para observar os pássaros e a flora do local. Os turistas compartilham espaços e exigem poucos recursos materiais para sua estadia de uma ou duas noites. Viajam com mochilas onde carregam as ferramentas indispensáveis para sobreviver em ambientes difíceis. Querem respirar ar fresco e se afastar das tecnologias, segundo Deybis Ramírez Pláceres, administrador da instalação.
Ali definiram várias trilhas para visitar até escalar o local conhecido como La Sabina, de onde se observa a grande cordilheira, com banhos em piscinas, cachoeiras e rios. «O turista que vem até nós também protege e conserva o meio ambiente e é muito ciumento de não destruir, mas cuidar. É proibido caçar animais e todas as espécies habitam em seu ambiente natural, o que reflete o grande valor de nossas áreas protegidas», afirmou o entrevistado.
O guia do local, Oliver Valle Hernández, que é apelidado de El Chino, disse que existem 1.200 espécies de plantas nesta cordilheira, incluindo 268 endêmicas de Cuba e dentro delas 90 com diferentes categorias de ameaças. Além disso, os cientistas registraram mais de 500 espécies de animais e 88 de aves, duas delas em extinção: a caturrita (Myiopsitta monachus) e a aratinga (Psittacara euops).
Sobre o trekking, o guia Yoani Monteagudo Javier, que trabalha na área de Topes de Collantes explicou que este tipo de turismo especializado é feito por pessoas treinadas ou com condições físicas adequadas, independentemente da idade, mas há outros com menos dificuldade e distâncias curtas para viajar, para aqueles que não têm experiências ou não são treinados.

Para ele, o principal é o contato estabelecido com os camponeses da área, porque apesar de que se percorre um parque natural ou áreas protegidas, algumas trilhas atravessam propriedades privadas e famílias são visitadas, com as quais se dialoga e ocorre uma rica troca cultural. «Os visitantes perguntam sobre as principais culturas e o jeito de vida nas montanhas. Estão interessados em saber como Cuba está se preparando para enfrentar a mudança climática», disse Yoani, também formado em Pedagogia.
Para ele, as visitas a locais naturais devem ser feitas por grupo de números menores de 20 pessoas para não provocar a superexploração do meio ambiente e levar à erosão, algo já planejado pelas autoridades cubanas, que constantemente vigiam pela preservação e proteção do meio ambiente através de estudos científicos, onde estão incluídas universidades e centros acadêmicos, como em Lomas de Banao.
Por seu lado, Leoncio Gómez Castillo, que funciona como um guia no Pantanal de Zapata, reconheceu que neste tipo de turismo se descobre uma magia virgem porque se visualiza nas rochas e nas formas adotadas pelas árvores formas que estabelecem semelhanças com objetos cotidianos.
Diz que a aventura de escalar, caminhar e cavalgar produz um conhecimento único, que por muitas vezes que se percorra pelo mesmo lugar, novas formas são descobertas, além de proporcionar saúde e prazer.