ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Na reunião, o trabalho realizado na província de Camagüey para cumprir a Tarefa da Vida também foi dado a conhecer. Photo: Estudio Revolución

O Plano de Estado para enfrentar a mudança climática, conhecido como Tarefa Vida, e o programa para parar a deterioração do patrimônio documental de Cuba, ainda estão na agenda do presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez, que na quinta-feira, 4 de abril, examinou ambas as questões como parte de um sistema de trabalho onde mais de vinte programas de impacto sobre o desenvolvimento do país são verificados regularmente.

Nesta ocasião, foi responsabilidade do Ministério do Interior relatar as ações que estão tomando para garantir que a Tarefa de Vida seja implementada. O coronel Manuel Lama Gómez, chefe do Corpo de Guardas Florestais de Cuba, disse que as mesmas estão relacionadas, sobretudo, com não permitir ilegalidades no planejamento do uso da terra das comunidades costeiras ameaçadas pelo aumento do nível do oceano; a proteção de manguezais e ecossistemas marinhos; bem como fortalecer o sistema de alerta precoce para incêndios florestais.

Referiu-se ao uso de instalações de sistemas fotovoltaicos para aproveitar o potencial da radiação solar e a introdução pelo Grupo Empresarial Agrícola del Minint de variedades agrícolas e espécies marinhas e de água doce, resistentes a altas temperaturas, a seca e pragas.

Mencionou a aprovação pelo Conselho de Ministros, em junho de 2018, da Estratégia e Programa Nacional de Gestão e Manuseamento de Incêndios em Florestas para o período 2018-2025. Prevê-se, disse, que os incêndios florestais aumentam em intensidade e se espalhem como resultado da mudança climática, e é por isso que ter uma ferramenta para administrar esse problema sério seja uma fortaleza do nosso país.

A reunião também revelou o trabalho que está sendo feito na província de Camagüey para cumprir a Tarefa Vida, onde várias áreas prioritárias foram identificadas: os arquipélagos para o turismo e a costa norte; os assentamentos costeiros que estão previstos para desaparecer entre 2050 e 2100; as praias arenosas com erosão intensa; e áreas costeiras desprotegidas com intrusão salina ao sul da província.

A preservação da memória histórica foi definida como uma prioridade do governo cubano. Photo: Estudio Revolución

De acordo com o que disse Andrea Armas Rodriguez, delegada do Citma no território, os principais resultados de 2018 estão focadas na eliminação de espécies exóticas invasoras, recuperação da vegetação nas dunas, a construção de um acesso adequado para as praias e substituindo tecnologias para reduzir a emissão de gases de efeito estufa. Em particular, ela mencionou a reabilitação das estações de tratamento de água de Nuevitas que beneficiaram mais de 43.000 moradores dessa província.

Quanto à transferência de comunidades costeiras em áreas vulneráveis informou que devem ser realocadas mais de 1.254 casas, e no final de 2018 já haviam sido realocadas 54 delas e foram identificados todos os lugares onde as novas comunidades serão construídas.

Sobre este assunto, o presidente dos Conselhos de Estado e Ministros valorizou que esta é uma das tarefas mais complexas, portanto, em conformidade com a Política de Habitação aprovada no país, o número de habitações a transferir deve ser planejado a cada ano. Também temos que garantir que os lugares desocupados não sejam ocupados novamente.

Díaz-Canel destacou o trabalho de Camaguey — a maior província do país — que atualmente possui investimentos significativos em turismo, indústria e agricultura. E citou, por exemplo, aquele realizado para a modernização de radares com tecnologia Doppler, que, juntamente com uma maior precisão nas observações meteorológicas, economizará recursos financeiros ao substituir as importações.

O PASSADO DE CUBA EM ARQUIVOS

A preservação da memória histórica foi definida como uma prioridade do governo cubano. Por esta razão, todos os meses é realizada uma reunião no Palácio da Revolução, onde são revisados ​​alguns tópicos que contribuem para o objetivo de deter a deterioração do patrimônio documental.

Precisamente nesta quinta-feira foi analisado o Sistema Institucional de Arquivos Universitários que tem 43 anos de criado e conserva valiosa documentação sobre o ensino superior cubano em bom estado de conservação. Entre os principais resultados do trabalho foi indicada a nova localização do Arquivo Central do Ministério do Ensino Superior e a digitalização de fundos em 14 entidades do Ministério.

Ao mesmo tempo, foram apontadas dificuldades como equipamentos insuficientes, instalações que não possuem as condições que exigem esse tipo de tarefas e completar o quadro de pessoal.

Do patrimônio documental de bibliotecas universitárias relataram que detém mais de 730.000 documentos, com destaque para a Universidade de Havana e da Universidade Central Marta Abreu de Las Villas, possuindo uma coleção rara e valiosa de cerca de 50 000 exemplares. São também essas duas instituições que concentram os casos mais críticos na conservação de documentos importantes.

70% do fundo mantido pelas bibliotecas universitárias foi digitalizado, para protegê-lo da deterioração e preservar a memória histórica cubana.

A reunião também apresentou a projeção da indústria nacional para suprir várias das necessidades materiais de conservação do patrimônio e as condições de trabalho do pessoal dedicado a essa importante tarefa.

Segundo o vice-ministro da Indústria disse José Gaspar Alvarez Sandoval, dos 18 dos produtos necessários para essa atividade, 14 podem ser produzidos no país, incluindo grande parte da mobília, caixas, envelopes, protetores nasais e bucais, luvas e depósitos de água potável. Além disso, prevê-se o desenvolvimento em Cuba de desumidificadores.

A esse respeito, Díaz-Canel ressaltou que este é um exemplo da importância das ligações produtivas com a indústria cubana, a defesa da produção nacional e a substituição de importações.