ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Internet

A Lei Helms-Burton é hoje o instrumento fundamental do governo da Casa Branca contra o nosso país, e constitui o principal obstáculo para as relações normais entre os dois países», disse Carlos Fernandez de Cossio, diretor-geral para os EUA, do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, perante os deputados da Comissão dos Assuntos Internacionais da Assembleia Nacional do Poder Popular, que na quinta-feira, 12 de abril, discutiram o aumento das hostilidades nos Estados Unidos em relação a Cuba.

Em sua explicação, o responsável salientou que este é um texto legislativo com a única intenção de transformar Cuba em uma dependência colonial desse governo, que hoje tem a hegemonia tecnológica e a capacidade de manipular a mídia para impor suas mensagens e mentiras, além de ser uma ameaça real no campo militar.

Ele referiu que a Lei Helms-Burton busca fortalecer o bloqueio, na aspiração de conseguir que terceiros países se unam para sancionar Cuba e causar danos ao povo.

«Também afeta os investidores e tenta afugentá-los para atrasar as negociações ou desencorajá-las. A administração de Donald Trump suspendeu esta seção por apenas 45 dias, depois por mais 15 dias e no próximo dia 17 ninguém pode saber o que vai acontecer», disse Fernandez de Cossío.

A base para estabelecer a lei em 1996 em um conjunto de mentiras, como que Cuba constitui uma ameaça à segurança dos EUA e que as nacionalizações realizadas após o triunfo da Revolução foram ilegais e ilegítimas.

Os membros da Comissão dos Assuntos Internacionais foram a favor de buscar estratégias de comunicação para explicar ao nosso povo e aos diferentes setores da sociedade civil norte-americana e do mundo, a verdade sobre esta questão.