ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

A Lei para a Liberdade e a Solidariedade Democrática Cubana é um monstro vingativo que visa quebrar a alma de Cuba, com um grande dreno, causando um enorme choque para deixá-la prostrada para sempre. É o projeto de extermínio de uma nação.

Nós vamos imaginar dois cenários hipotéticos, digamos impossíveis para aqueles de nós que têm fé na capacidade de resistência e valor de nosso povo.

Primeiro: O inimigo imperialista e seus aliados, usando seu poderio militar, conseguem ocupar a maior parte do país e estabelecer um governo de transição, após anunciar o fim da Revolução.

Segundo: A desunião, o dolo, o desânimo semeado pelo inimigo, traição, fazem com que «nós deixemos cair a espada», como em 1878 — não descartarmos um Baraguá. Um governo de transição é estabelecido e as tropas dos EUA ocupam o país para garantir a chegada da «ajuda humanitária».

Teríamos então eleições «livres e democráticas»? Não, esse governo de trânsito, escolhido a dedo pelas tropas intervencionistas, não pode convocar eleições até que o Congresso dos Estados Unidos o aprovar.

O presidente dos EUA ou seu procônsul designado devem preparar um relatório ao Congresso a cada seis meses sobre como o processo de transição na Ilha ocupada está ocorrendo. Nós então sentimos uma dúvida: quanto tempo durará esse processo se é estabelecida a necessidade de um relatório a cada seis meses? Por quanto tempo as tropas ianques permanecerão em território nacional? Resposta para as duas perguntas: Não se sabe (recomenda-se ler o Plano Bush).

Finalmente, depois de quem sabe quantos anos, o Congresso dos EUA aprova que as eleições sejam realizadas. O que acontece com o bloqueio econômico, comercial e financeiro? Acaso acabou quando o fim da Revolução foi proclamado? Não, não se levantou, esse não é o plano, permanece intacto durante a transição, como um mecanismo de pressão apertado.

Bem, a transição acabou, já temos um presidente e um governo ao estilo e gosto dos ianques. Eles removerão o bloqueio? Pode-se pensar assim, mas não, isso não é o que estabelece a aberração que leva a assinatura de Helms e Burton, o presidente ou seu procônsul devem certificar ao Congresso que eles retornaram ou pagaram seu valor ou compensaram seus «antigos donos» norte-americanos, incluindo os cubanos convertidos depois de 1959 em cubano-norte-americanos, todas e cada uma das propriedades, nacionalizadas, intervidas ou confiscadas, de acordo com as leis revolucionárias ligadas ao Direito Internacional.

A «compensação» ou «indenização», calculada por especialistas norte-americanos em 1997, teria um valor aproximado de 100 bilhões de dólares. A renegociação do acordo sobre a Base Naval de Guantánamo também está contemplada, sem garantias para o seu retorno.

Nossas casas, nossas terras, nossas escolas, nossas fábricas, nossos centros de recreação, nossos hospitais, nossos centros de pesquisa, tudo o que reste livre da depredação das grandes transnacionais durante o período de transição, do país ocupado — lembrar 1898 — passaria para as mãos dos antigos proprietários ou daqueles que compraram esses bens dos proprietários originais, e o que é pior, nas mãos de especuladores, cobradores de dívidas e bandidos de todos os tipos.

Para pagar processos, reparações e dívidas, os governos de Cuba teriam que recorrer a empréstimos, como o FMI, o que geraria um interesse crescente e criar uma espiral interminável de saques.

Há pessoas nos Estados Unidos, empresas e grupos empresariais que compraram «propriedades» em Cuba aos seus «antigos proprietários» que vendem o valor dessas propriedades que têm garantias reais ou contrafação, que se movem em um mercado estrangeiro, ilegal em todos os sentidos.

Especuladores imobiliários venderam terrenos para futura construção, há projetos tais como «Havana futura» um grande negócio para o qual não poucos hienas estão prontificando seus dentes, que sonham em varrer cidades inteiras e construir supermercados Walmart, McDonald, cassinos, enorme edifícios de escritórios, bairros caros para pessoas muito ricas e condenar a grande maioria da população da capital a morar em favelas, tão abundantes em grandes cidades da América Latina.

Nós cairíamos nas mãos dos fundos nais conhecidos como fundos abutres. Os cubanos levarão anos para pagar a dívida quase impagável, pois quanto poderia demorar para pagar um país devastado, pilhado, empobrecido pela guerra e ocupação, um país que havia perdido muito de seus filhos com idade suficiente para trabalhar e produzir? Permaneceríamos nas mãos de bandidos dispostos a «sugar» até a última gota da riqueza nacional.

Vamos falar claramente, eles não conseguirão isso, como disse Fidel, o pensamento e o trabalho dos comunistas cubanos vão durar. Cuba durará, «nós, cubanos, somos de ferro e poderemos resistir às provações mais duras». Vamos nos erguer de novo e de novo para defender a liberdade, geração após geração.