ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
A produção de embalagens e recipientes permite substituir as importações e cobrir as exportações com a embalagem adequada. Photo: Estudio Revolución

NÃO perder o ritmo com que se veio avançando no desenvolvimento e recipientes e embalagens no país, de maneira ordenada e integrando todos, foi a orientação dada pelo presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, durante o mais recente encontro realizado para examinar o referido programa.

Segundo explicou Yamilín González Milián, vice-ministra das Indústrias, no fechamento do primeiro trimestre do ano se conseguiu concluir o catálogo de empresas produtoras de recipientes e embalagens, o qual é de grande utilidade como referência para avaliar as necessidades de diferentes setores.

Esse documento pode ser consultado no site do Ministério da Indústria (https://www.mindus.gob.cu/es) e fornece informações detalhadas sobre os diversos produtos fabricados pela indústria nacional em termos de tamanhos, formas e materiais. Da mesma forma, os dados sobre produtores nacionais e consumidores por territórios estão incluídos.

Precisou que tudo isso permite elaborar uma estratégia de investimento, em nível nacional, para assegurar a substituição de importações, cobrir as exportações com embalagem adequada, bem como as exigências e requisitos de projetos de embalagem em execução na Área Especial de Desenvolvimento Mariel.

Por outro lado, o vice-ministro explicou que, com base em acordos de colaboração internacional, o Centro Nacional de Recipientes e Embalagens é fortalecido, o que é chamado para se tornar um observatório tecnológico do que está acontecendo no mundo nesses assuntos.

Ao mesmo tempo, garantiu ligações com o Instituto Superior Politécnico José Antonio Echeverría (Cujae), como o Escritório Nacional de Design (ONDI) e o Instituto Superior de Desenho (ISDI), a partir dos quais são realizadas pesquisas e projetos importantes de desenvolvimento científico.

Disse que foi feita uma pesquisa de itens de exportação nos setores de BioCubaFarma, as indústrias agroalimentar e Leve e a empresa de recuperação de matérias-primas, o que nos permitiu identificar cerca de 500 linhas que estão precisando de mais de 2.700 tipos necessários de recipientes e embalagens, dos quais mais de 50% são de produção nacional. «Grupos empresariais como o Geocuba», disse, «já começaram um desenvolvimento tecnológico para responder a algumas das demandas identificadas».

Durante a reunião, ressaltou-se a importância da realização de um adequado processo de investimento, o que constitui uma garantia dos benefícios obtidos no futuro.

Entre os desafios que a atividade de embalagens e embalagens enfrenta, destacou-se a análise das exigências no âmbito doméstico, no setor de gastronomia, bem como para materiais de escritório; a isto se acrescenta a urgência de revisar produtos que não são empacotados hoje ou aqueles em que a embalagem usada não é adequada.

Da mesma forma, a importância de continuar aumentando os níveis de reutilização de recipientes de vidro e incorporar os de plástico foi avaliada.

A esse respeito, o presidente Diaz-Canel enfatizou que todo o potencial existente deve ser usado para reciclar e fazer um uso adequado dos materiais que a economia pode usar dessa maneira.

Na elaboração do catálogo acima mencionado, disse que deve ser conhecido em todos os ministérios, órgãos e entidades, para que, antes de pensar em uma importação, se torne cotidiano consultá-lo e procurar soluções; mesmo naquelas que não possam ser encontrados lá, o Ministério das Indústrias — como reitor da atividade de embalagem no país — também pode orientar onde eles podem ser obtidos.