ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
«O evento acontece em meio a uma paisagem de crescente hostilidade do império que não vai parar nosso desejo de implementar programas de educação e desenvolvimento do país», disse Diaz-Canel. Photo: Estudio Revolución

O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, participou na manhã de 4 de julho, na 63ª Assembleia Geral Ordinária da Organização Centro-americana e do Caribe de Entidades Fiscalizadoras Superiores (OCCEFSs) que culmina suas sessões hoje no reconhecido Hotel Nacional da capital cubana, segundo o site da Presidência da República.

Delegações da Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Peru e República Dominicana participam do encontro, que é presidido por Nelson Shack Yalta, Controlador-geral da República do Peru, em sua qualidade de Presidente da Olaccefs, que inclui as instituições superiores de Auditoria de toda a região da América Latina e o Caribe.

O presidente cubano assegurou o pleno apoio do povo e do Governo para o desempenho bem sucedido do evento, que segundo ele, «tem muito a ver com a vocação do nosso governo para apoiar os processos que nos ajudam a tornar a governação mais transparente perante o povo e nos permitem abordar de forma abrangente a disfuncionalidade na atividade do governo e evitar males como o flagelo da corrupção».

O presidente disse que "na medida em que possamos resolver este problema em conjunto, como já nos integramos em outras lutas, estamos oferecendo, estaremos aprendendo e entendendo essas experiências».

«O evento acontece em meio a uma paisagem de crescente hostilidade do Império isso não nos fez parar em nosso desejo de programas e educação e desenvolvimento do país», disse Díaz-Canel, que confirmou que queremos que todos esses processos sejam feitos com a maior transparência do governo, e com a maior qualidade do ponto de vista da eficiência da gestão pública, administrativa e de negócios.

INDICAÇÕES DO PRESIDENTE CUBANO

Governo em visitas às províncias do país, o presidente tem insistido que se deve trabalhar com mais transparência e participação da população, o que promove uma maior confiança na gestão do governo.

Nos saldos das entidades da Administração Central do Estado já declarou a importância para a revolução da batalha ética permanente contra a corrupção e as ilegalidades, particularmente no do BCC referiu-se ao confronto contra possíveis manifestações de lavagem de dinheiro, negócios ilegais, suborno, relações impróprias com clientes nacionais e estrangeiros, falsificação, peculato...

«Propomo-nos a desenvolver um governo de gestão com a administração pública e empresarial mais eficiente, com menos obstáculos e burocracia, mais transparência e participação», disse na cerimônia de encerramento da Terceira Sessão Especial, da Nona Legislatura, da Assembleia Nacional do Poder Popular.