ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
O Presidente dos Conselhos de Estado e Ministros e Alejandro Gil Fernández, Ministro da Economia e do Planejamento, na Comissão de Assuntos Econômicos. Photo: José Manuel Correa

COM a firme convicção de continuar na construção do socialismo, o presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Diaz-Canel Bermudez, instou os deputados reunidos na Comissão Permanente de Assuntos Econômicos da Assembleia Nacional, a pensar em novas ideias para avançar, apesar da difícil situação que o governo dos Estados Unidos nos impôs com o ressurgimento do bloqueio.

O Produto Interno Bruto cubano cresceu em 2018 e a previsão para este ano foi feita a partir desse aumento, portanto, para atender a esse propósito, será necessário fazer as coisas certas em cada local e buscar alternativas, explorar todas as nossas reservas.

«Estamos tensos, mas estamos em melhor posição para assumir outras obrigações e responsabilidades», disse o presidente cubano e instou a mobilizar todas as nossas capacidades para superar os obstáculos que Washington está determinado a colocar na Revolução. «A beleza está em enfrentar os desafios e superar os desafios».

Ressaltou que as medidas recentes implicam uma mudança na estratégia aprovada para se adaptar às novas condições, principalmente na área de alimentos e fornecimento de produtos, e insistiu no esforço para concluir os investimentos acordados nesse setor. «Se pudermos tornar o setor agroalimentar mais eficiente, podemos reduzir uma grande porcentagem de importações».

Conclamou a pensar com a própria cabeça e ouvir a voz do povo com suas iniciativas para resolver problemas e conflitos, bem como aludiu ao papel que corresponde ao setor não-estatal, como atores importantes em nossa sociedade.

«Temos que pensar como país, gerar ideias e contribuir com o melhor de cada pessoa para alcançar o progresso econômico desejado», disse o presidente, que assegurou que o socialismo é o único capaz de solucionar as desigualdades distribuindo de forma planejada e protegendo os setores mais vulneráveis.

Pediu para agir com inteligência, capacidade de análise, decência e vergonha, porque «não é hora de se render, mas de encontrar uma solução para cada problema».

O ministro da Economia e Planejamento, Alejandro Gil, fez uma apresentação aos deputados sobre o estado da economia nacional no primeiro semestre do ano, caracterizado por tarifas globais e tensões financeiras que impactam o país. Ressaltou que a escassez de produtos de alta demanda está sendo resolvida, mas a produção nacional deve ser defendida, diversificação e aumento das exportações, substituição de importações, promoção de ligações produtivas, promoção de empresas estatais, avanço na soberania alimentar, promoção de desenvolvimento local, cumprir a política aprovada para habitação e colocar as ciências em função da solução dos problemas.

Para a elaboração do plano da economia para 2020, é necessário identificar as reais capacidades de produção e os requisitos para responder à demanda nacional, o investimento estrangeiro é incorporado como parte fundamental e deve ser feito um progresso nos processos de vinculação produtiva e de serviços substituir importações; devemos trabalhar na economia e uso eficiente dos combustíveis e geradores de energia, e eliminar roubos e ilegalidades, entre outros objetivos.

O ministro exortou a trabalhar para resolver as dificuldades que persistem: as cadeias de inadimplência, problemas organizacionais e de controle e o pagamento sem suporte produtivo.