ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Estudio Revolución

«O debate que está ocorrendo hoje na questão da informatização da sociedade cubana é diferente, pois existe maior conhecimento sobre o assunto por parte de todos».

Isto foi expresso por Miguel Díaz-Canel Bermúdez, presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, durante as análises efetuadas na Comissão de Atendimento aos Serviços, em seu segundo dia de trabalho, antes do 3º período ordinário de sessões da Assembleia Nacional do Poder Popular.

Insistiu que a informatização é saber distinguir processos, apoiá-los com plataformas digitais e institucionalizá-los com integridade nos municípios.

«Não é apenas criar sites e redes sociais, mas saber distinguir qual processo precisamos informatizar».

«Nos últimos três anos», acrescentou, «foram se consolidando no país um grupo de espaços que serviram de guia, onde cada um tem que gerenciar e desenvolver seus conteúdos. No entanto, não faz sentido ir da mesma maneira que os que já criaram, pelo contrário, compartilhamos e dedicamos nossos esforços para buscar inovações em outras áreas, e depois trabalhar juntos para aperfeiçoá-las», enfatizou.

Díaz-Canel ressaltou que, no que se refere à gestão, é preciso incluir também o treinamento e a integralidade dos processos, pois só assim o progresso nessas questões pode ser consolidado.

«No caso do governo eletrônico», disse o presidente, «a presença, a primeira etapa estabelecida para o seu desenvolvimento, foi cumprida; enquanto o segundo, a interatividade, começa a ter avanços».

Advertiu que não se pode ser conformista e é preciso atualizar o conteúdo com certa regularidade, e nesse sentido insistiu na importância da interação real dos líderes com o povo, através dessas plataformas.

Pôs como exemplo a experiência que ocorreu no final de semana passado nas redes sociais, quando começaram a circular rumores que contradiziam as medidas que estavam sendo aplicadas pelo governo.

«Imediatamente dois ministros e várias pessoas saíram para demonstrar a falta de veracidade disso. Quando agimos com responsabilidade social, informamos sobre o tempo e as verdades são dadas com transparência, temos força como Governoۚ», afirmou.

Sobre o desenvolvimento de soluções nacionais, o presidente referiu-se a diferentes aplicações criadas pela Universidade das Ciências da Informática (UCI), como Todus, Picta e Apklis, que ele classificou como soluções robustas sobre outras que são usadas e não fornecem soberania tecnológica.

Da mesma forma, disse que as alianças necessárias com a indústria nacional já foram criadas para melhorar o sistema operacional Nova, tornando-o compatível com o Android, para que ele possa começar a ser usado a partir dos telefones celulares.

Dentro do desenvolvimento de aplicações, outras entidades como a Xetid também promoveram a implementação em portais de cidadãos de salas situacionais para a tomada de decisão por atores do governo territorial.

Díaz-Canel comentou sobre os painéis de controle para supervisionar em tempo real os processos produtivos e sobre o monitoramento de boas práticas, este último promovido pela UCI e que tem sido utilizado na maioria dos sites nacionais para melhorar o tempo de acesso e resposta, entre outras ferramentas.

O comércio eletrônico, por outro lado, é um problema que ainda precisa ser continuado. A esse respeito, o presidente sugeriu uma análise sobre como incorporar a bolsa eletrônica e os pagamentos por meio de gateways eletrônicos e móveis.

No caso da informatização dos registros de consumidores, pediu à União Cubana de Computadores que ajudasse a apoiar o esforço territorial para sua implementação.

«Temos de pensar no país informatizado que queremos, nas instalações que fornece e em como todos nos envolvemos nessa política», concluiu.