ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

«Venho estar com meu segundo pai, com a lenda que vai embora, mas nos deixa um legado muito claro que não podemos trair; quem acredita que Cuba se enfraquece porque foi embora o maior, está enganado», expressou o ex-futebolista argentino Diego Armando Maradona.

Após sua chegada à Ilha, aonde viajou para participar das homenagens ao líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, Maradona agradeceu ao dirigente histórico por abrir-lhe as portas da nação caribenha no momento difícil de sua recuperação por problemas de ser viciado em drogas.

Igualmente, elogiou a liderança de Fidel, ao dizer que poderia haver muitos jogadores, mas ele era o líder da equipe mundial dos políticos.

Maradona, que manteve uma estreita amizade com o Comandante-em-chefe desde 1987 quando visitou a Ilha pela primeira vez, alegou que veio lhe dizer «Até sempre Comandante!».

«Quero enviar uma grande saudação a todos os cubanos e dizer-lhes que meu coração está com eles; sou um soldado cubano, antes que ser um soldado macrista; daria meu coração e todo meu corpo por esta bandeira, por Cuba, Fidel e pelo Che, assegurou»

(Com informação da ACN e Rádio Habana Cuba)