ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Granma

A 6ª Cúpula entre a Caricom e Cuba iniciou na manhã desta sexta-feira em Saint John, capital de Antígua e Barbuda onde líderes dos 14 países da Comunidade e o presidente de Cuba, Raúl Castro, irão reunir-se com o objetivo de promover a solidariedade e a integração regional, usar este espaço para fazer um balanço dos nexos bilaterais e projetar novas ações de cooperação.

Este encontro marca o 45º aniversário do estabelecimento de relações de Trindade e Tobago, Jamaica, Granada e Barbados com Cuba, em 8 de dezembro de 1972, em meio às pressões de Washington para isolar à Ilha Maior das Antilhas do resto do Caribe.

Igualmente, serão comemorados 15 anos do dia Caricom-Cuba, estabelecido na primeira Cúpula em Havana, no ano 2002.

O presidente cubano chegou no meio-dia de ontem a Antígua e Barbuda a frente da delegação da Ilha que participa desta 6ª Cúpula do mecanismo de integração que aposta pela cooperação entre essa comunidade de países e Cuba, fundado pelo líder da Revolução, Fidel Castro Ruz.

A delegação cubana está composta pelo chanceler Bruno Rodríguez Parrilla; os ministros do Comércio Exterior e o Investimento Estrangeiro, Rodrigo Malmierca Díaz; do Turismo, Manuel Marrero Cruz; e da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, Elba Rosa Pérez Montoya.

Os primeiros-ministros de Antígua e Barbuda, Dominica, Belize, Barbados, Bahamas, Trindade e Tobago, Suriname, São Vicente e as Granadinas, Santa Lúcia, São Cristóvão e Neves, Jamaica, Granada, Guiana e o presidente do Haiti, convergem nesta sexta-feira no balneário Carlisle Bay Resort.

Segundo a Prensa Latina, depois das saudações protocolares e da recepção aos dignitários, o secretário-geral da Caricom, Irwin LaRocque, o primeiro-ministro de Antiga e Barbuda, Gaston Browne, e o presidente Raúl Castro, pronunciarão os discursos inaugurais.

Igualmente se dirigirá ao foro o presidente da cúpula e chefe de governo granadino, Keith Mitchell, com apelos para fomentar a unidade, advogar pela cooperação perante desastres naturais, impulsionar o comércio e a integração e rechaçar políticas coercitivas unilaterais.

A sessão plenária, a foto de família e um almoço de boas-vindas oferecido por Browne serão preâmbulo de toda uma jornada vespertina de discussões a porta fechada que concluirá com a assinatura de um memorando de entendimento e uma declaração final.

Raúl Castro e os presidentes das 14 nações da Caricom comemorarão também nesta paroquia antiguana de Saint Mary, ao sul da capital Saint John, os 45 anos de relações entre o organismo caribenho e a Ilha Maior das Antilhas.

A reunião tem previsto avaliar os nexos comerciais e econômicos entre as regiões, a mudança climática e a gestão em termos de desastres naturais, bem como avaliar o apoio de Havana à Caricom na capacitação mediante a concessão de bolsas de estudos e a colaboração em termos de saúde, comércio e agricultura.

«O Caribe sempre poderá contar com a eterna amizade, o desinteresse, a gratidão e o apoio pleno e total de seus irmãos cubanos», afirmou o Comandante-em-chefe Fidel Castro Ruz, em 8 de dezembro de 2002 em Havana, por ocasião do 30º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas com Barbados, Guiana, Jamaica e Trindade e Tobago, ato que sentou as bases da futura relação entre a Comunidade do Caribe, Caricom, e Cuba.