ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Os presidentes da RPDC e da China durante a visita de Kim Jong-un ao gigante asiático. Foto: EL MUNDO

COMO é possível — eu me pergunto — que milhares de crianças da República Democrática Popular da Coreia desfrutem do Acampamento Internacional Songdowon, onde são confundidas com lindas flores em meio a um clima de amor e paz.

Ou será que esta é apenas uma das muitas realidades ignoradas em uma comunidade internacional acostumada a receber como notícias, desse país asiático, os epítetos de «país fechado», «pessoas famintas», «falta de democracia», «desrespeito direitos humanos» e muitos outros.

A melhor resposta para tantas infâmias poderia ser dada por um desses menores: «Certamente, parece-me que estou sonhando. Aqui, no acampamento não sei como um dia passa e amanhece outro. Sinto-me feliz dia e noite e não tenho vontade de dormir. O leito, o colchão e até o papel grudado na parede do quarto são tão fantásticos que adormecemos sem nem percebermos». (Ri Jong Ung, aluno da Escola Secundária Kyong-am no.1, cidade de Sariwon, província de Hwanghae do Norte).

E nas últimas sete décadas desde a fundação do país, milhões de informações maliciosas, falsas notícias de todos os tipos, bloqueio financeiro e comercial por vários governos dos Estados Unidos e provocações militares, marcaram as diretrizes de mídia para se referir à Coréia Democrática, aquela atrás desse mundo construído pela mentira, está avançando em seu caminho socialista, democrático e de desenvolvimento social e econômico de grande valor.

Em relação à Coreia da qual geralmente pouco sabemos, há outra realidade, a única possível para que pudesse comemorar em 9 de setembro, 70 anos de independência, com resultados reais para a população e contribuição internacional com seu exemplo de resistência como padrões que, não por manipulados, devem ser esquecidos.

É bem possível que a opinião pública internacional ignore que na República Popular Democrática da Coreia, cada cidadão maior de 17 anos tem direito de eleger e ser eleito, independentemente do sexo, nacionalidade, profissão, educação, filiação partidária, ponto de vista político ou crença religiosa.

Ou que hoje, dos deputados da Legislatura da Assembleia Popular Suprema (Parlamento) eleitos em março passado, 12,7% são trabalhadores, 11,1% agricultores de cooperativas e 16.3% mulheres, que são, ao que parece, os índices que mostram em que nível os direitos políticos são assegurados aos cidadãos.

A República Popular Democrática da Coreia trabalha pela felicidade de suas crianças e de toda a população. Foto: EL MUNDO

Não seria inútil lembrar que, apesar de que Pyongyang, que desde 2006 foi sancionada financeiramente 16 vezes a pedido dos Estados Unidos, teve registrado um crescimento de 3,9% em 2016, o mais elevado das últimas duas décadas.
Indicadores como as exportações de minérios, o desemprego, a inflação e a balança comercial se mantiveram relativamente estáveis ​​nos últimos cinco anos, segundo um comunicado da BBC Mundo.

Os dados fornecidos pelo Banco da Coreia do Sul (bok) mostram o crescimento conjunto da agricultura, pesca e silvicultura (+2,5%), mineração (+8,4%) e o setor de produção energética de gás, eletricidade e água (+22,7%).

Destaca-se, no que diz respeito à educação, o fato de a educação geral ser obrigatória até a 12º série e completamente gratuita.

Todos os cidadãos têm assistência médica garantida. Dos idosos, deficientes e crianças de rua, o Estado cuida com responsabilidade. No caso das mulheres, gozam de direitos semelhantes aos dos homens, além de benefícios adicionais antes e depois do parto.

No ano passado, a taxa de desemprego norte-coreana ficou em 4,3% e só mudou 0,2% na última década, segundo estatísticas do Banco Mundial.

Os 81% das exportações da Coreia do Norte vão para a China, e dessa nação recebe 84% das importações. O setor de energia é fundamental no comércio entre as duas nações.

O bok registrou um aumento de 8,4% no setor de mineração norte-coreano, principalmente devido à extração de carvão, chumbo e zinco.

No relatório ao 7º Congresso do Partido do Trabalho da Coreia, seu presidente Kim Jong-un, destacou que mais de 320 mil hectares de terra foram condicionados para o desenvolvimento agrícola, e com igual propósito canais de irrigação são construídos por mais de 10 mil quilômetros.

No mesmo sentido, referiu-se aos avanços na área da saúde que, além de ser gratuita, tem um desenvolvimento científico e uma rede de serviços de telemedicina que atinge todo o país.

Razões, mais do que suficientes, para a República Democrática Popular da Coréia comemore seu 70º aniversário como uma nação independente comprometida com seu presente e futuro.

No contexto

- A RPDC foi criada em 9 de setembro de 1948 pelo líder histórico deste país, Kim Il-sung, logo após a derrota das forças invasoras e de ocupação do Japão, em 1945.

- Tem uma população etnicamente homogênea, acredita-se que descendem de um grupo racial, conhecido como os Tungus, que se fundiram com populações indo-malaias procedentes de migrações suscitadas por guerras e invasões.

- A economia coreana é baseada na propriedade socialista dos meios de produção, que é desenvolvida com recursos e tecnologia próprios.

- A educação visa proporcionar às pessoas valores político-ideológicos, capacidade criativa, qualidades morais nobres e forte constituição física.

- As ciências e a tecnologia são globais e desempenham o papel de liderança para o rápido desenvolvimento da economia, defesa nacional, cultura e outros setores.