ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA

Havana, 4 de setembro de 2017

«Ano 59º da Revolução»

Compatriotas:

Poucas horas nos separam do começo da primeira etapa do processo de eleições gerais, quando o povo nomeará e elegerá os delegados e delegadas que integrarão as assembleias municipais do Poder Popular em seu 17º período de mandato.

Para chegar a este momento, as comissões eleitorais trabalharam intensamente na organização, asseguração, coordenação e preparação do processo, cujo desenvolvimento é também uma expressão de participação popular em massa e de integração dos organismos, órgãos e instituições em nível nacional, provincial e municipal, com o propósito de garantir o desempenho de dezenas de milhares de autoridades eleitorais, sobretudo nos mais de 24 000 colégios que abrirão nas 12 515 circunscrições.

Somos dos poucos cidadãos do mundo que em reuniões públicas propomos e nomeamos, aberta e diretamente, os candidatos para delegados (vereadores) de circunscrição, em uma manifestação de profunda democracia e de enorme responsabilidade, pois estes farão parte da Assembleia Municipal, onde tomarão importantes decisões sobre a vida dos moradores do território, como a aprovação e controle dos planos econômicos-sociais e do orçamento local, entre muitas outras.

Aqueles propostos, nomeados e posteriormente eleitos de forma direta e secreta em nossas comunidades, poderão ser depois candidatos e, por conseguinte, eleitos como presidente ou vice-presidente do órgão local municipal, de um Conselho Popular ou uma comissão permanente de trabalho. Mas há uma conotação ainda maior: como a Assembleia Provincial e a Assembleia Nacional estão integradas até 50% por delegados de circunscrição, se esse morador de nosso bairro for eleito delegada ou delegado provincial, ou deputada ou deputado, será também elegível aos mais altos cargos na instância provincial ou, inclusive, no órgão supremo do Poder do Estado. De acordo com nossa Constituição, aqueles que elegeremos em breve têm como missão propiciar a participação de seus concidadãos nos processos de direção da sociedade, e entre suas obrigações têm uma muito pouco comum na prática política de outras latitudes: a de prestar contas periódicas sobre os resultados de sua gestão àqueles que o elegemos.

Eles assumem o cometido de converter os encontros com seus eleitores em um espaço de comunicação propício para dialogar sobre como enfrentar os problemas do bairro, combater as condutas más e indisciplinas, ao tempo de reconhecer atitudes e méritos relevantes dos moradores, como expoentes dos valores morais, os valores intelectuais e as poderosas ideias com que hoje conta nosso povo, sintetizados na definição do conceito de Revolução legado por Fidel, com o qual nos comprometemos solenemente.

Daí a responsabilidade que nos cabe assumir como eleitores ao concorrer com nossa família a esse ato cívico, democrático e participativo que é a assembleia de nomeação de candidatos, para propor e nomear ali cubanos e cubanas patriotas, responsáveis, capazes e sensibilizados com os problemas das pessoas; os quais terão a missão de levar adiante o aperfeiçoamento do Poder Popular no caminho rumo ao futuro escolhido por nosso povo.

Livres para sempre da politiquice, a demagogia e as campanhas regidas pelo dinheiro, o engano e a violência, convidou todos a participar deste processo eleitoral, transparente e limpo, com entusiasmo renovado e a certeza de que a sua realização bem sucedida será mais um passo para consolidar o exercício de nossa democracia socialista.

Fraternalmente,

Esteban Lazo Hernández

Photo: Desconocido