ÓRGÃO OFICIAL DO COMITÊ CENTRAL DO PARTIDO COMUNISTA DE CUBA
Photo: Internet

HAVANA hoje se torna a capital da integração, a unidade e a capacidade de consenso, quando representantes de alto nível dos dez países que compõem a Aliança Bolivariana dos Povos da Nossa América-Tratado de Comércio dos Povos, se reúnam em sua cúpula, no Palácio das Convenções.
A ALBA-TCP «é importante em um contexto em que forças escuras querem o retorno do neocolonialismo, porque ao nosso continente a divisão chegou com a colônia, assim como o racismo, a cultura da divisão, da guerra».
Isso foi expresso pelo secretário-geral do mecanismo regional, David Choquehuanca, em entrevista à Prensa Latina.
A 16ª Cúpula de Chefes de Estado e de Governo será o local onde os representantes da organização lembrarão o momento fundacional da ALBA, em 14 de dezembro de 2004 e seus dois promotores, Fidel Castro e Hugo Chávez.
Nas palavras de Choquehuanca, «dois irmãos visionários, extraordinários, em uma reunião decidiram construir um espaço de integração sem precedentes que abrange todas as questões, não apenas o comércio, que constrói a irmandade, a unidade, a esperança, a paz».
Acerca desta reunião histórica, o presidente cubano, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, confirmou em sua conta no Twitter a vontade pela parte cubana de consolidar a integração latino-americana e caribenha.
Esta Cúpula também acontece em um contexto difícil para os movimentos progressistas da Nossa América.
Em novembro passado, realizou-se em Manágua, capital nicaraguense, a 17ª sessão do Conselho Político do bloco, onde se reafirmou o compromisso com a unidade latino-americana e caribenha e reafirmou-se a necessidade de fortalecer a unidade na diversidade.
Lá, foi acordado realizar este novo evento em Havana, um local emblemático para a unidade latino-americana e onde foi assinado em 29 de janeiro de 2014, durante a 2ª Cúpula da Celac, a Proclamação da América Latina e do Caribe como Zona de Paz, e cujos postulados são agora mais necessários do que nunca.